MEIO AMBIENTE

Após saída de Salles, fundos estrangeiros esperam prova de compromisso contra desmatamento

De acordo com Saugestad, políticas que garantam a gestão sustentável do ecossistema são do interesse dos investidores, empresas, populações e governos

Bolsonaro e Ricardo SallesBolsonaro e Ricardo Salles - Foto: Marcos Corrêa/PR

Grandes investidores internacionais vão esperar um "firme compromisso político do recém-nomeado ministro do Meio Ambiente com a redução do desmatamento" antes de retomar seus negócios com o Brasil, afirmou nesta quinta (24) Jan Erik Saugestad, principal executivo da gestora norueguesa Storebrand, sobre a exoneração de Ricardo Salles e sua substituição por Joaquim Pereira Leite.

"Gostaríamos de continuar apoiando o crescimento econômico brasileiro como investidores, mas a tendência de aumento do desmatamento no Brasil torna cada vez mais difícil para empresas e investidores atender às suas ambições ambientais, sociais e de governança", afirmou o executivo.

Segundo ele, a evolução da situação em 2020 "ressalta a urgência nesse assunto, e esperamos ver um firme compromisso político do recém-nomeado Ministro do Meio Ambiente com a redução do desmatamento".

Saugestad foi um dos líderes de um grupo de 29 grandes fundos, administradores de US$ 4,1 trilhões (cerca de R$ 20 tri, pelo câmbio atual) em ativos, que no ano passado fizeram um movimento de protesto contra o desmonte de políticas ambientais no Brasil.

"O Brasil foi considerado um modelo para o mundo em certos indicadores ambientais, com redução do desmatamento e das emissões de carbono na década de 2000 e início de 2010", ressaltou nesta quinta o executivo.

Ele ressalvou, porém, que "o mandato de Salles desde 2019 foi marcado por altas taxas de desmatamento na floresta amazônica e uma série de investigações sobre supostas irregularidades", o que exige evidências práticas de mudança com sua saída.

De acordo com Saugestad, políticas que garantam a gestão sustentável do ecossistema são do interesse não só dos investidores –que precisam prestar contas a seus parceiros, clientes e sociedades– mas também às empresas, populações e governos envolvidos.

A saída de Salles não foi vista por ambientalistas como um sinal imediato de mudança nas políticas brasileiras, porque seu substituto, Joaquim Pereira Leite, era próximo ao ex-ministro e seu secretário da Amazônia e Serviços Ambientais.

No governo Bolsonaro, Leite também ocupou a diretoria do Departamento Florestal da pasta. O currículo do novo ministro inclui ainda passagem por empresas de consultoria e do ramo farmoquímico, além de um período como conselheiro da Sociedade Rural Brasileira.

Veja também

Ministro defende privatização dos Correios em pronunciamento
CORREIOS

Ministro defende privatização dos Correios em pronunciamento

TSE mira Bolsonaro e abre inquérito para apurar acusações de supostas fraudes nas urnas
Investigação

TSE mira Bolsonaro e abre inquérito para apurar acusações de supostas fraudes nas urnas