Após Trump considerar suspender voos do Brasil, Bolsonaro conversa com presidente americano

Trump e Bolsonaro têm posições opostas sobre o enfrentamento ao novo coronavírus

Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro  - Foto: Isac Nóbrega/PR

Em posições opostas no enfrentamento ao coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse ter conversado nesta quarta-feira (1º) com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Na terça-feira (31), Trump disse que considera suspender os voos do Brasil que chegam aos EUA para tentar conter o avanço da pandemia.

"Nesta manhã tive contato telefônico com o presidente dos EUA, Donald Trump, onde trocamos informações sobre o impacto do coronavírus, bem como experiências no uso da hidroxicloroquina. Na oportunidade reafirmamos a solidariedade mútua entre os dois países", escreveu Bolsonaro em uma rede social.

Leia também:
Horas após falar em pacto, Bolsonaro volta a criticar governadores e medidas de isolamento
Trump diz considerar proibir voos do Brasil aos EUA

O presidente brasileiro divulgou uma foto em que aparece ao lado do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e do almirante Flávio Rocha, secretário de Assuntos Estratégicos. Trump e Bolsonaro vinham adotando comportamento semelhante no início da crise do coronavírus. Depois, porém, enquanto o mandatário brasileiro prosseguiu na mesma toada, o seu colega americano mudou completamente de posição.

Na terça-feira, Trump evitou comentar o comportamento de Jair Bolsonaro diante da crise do coronavírus, mas disse que considera suspender os voos do Brasil que chegam aos EUA para tentar conter o avanço da Covid-19. Durante entrevista coletiva na Casa Branca, Trump foi questionado sobre novas restrições de voos a países estrangeiros por um repórter que citou a negativa do brasileiro em impor restrições à circulação de pessoas.

Trump não respondeu sobre a posição de Bolsonaro, mas afirmou que estuda a possibilidade de bloquear os voos. "Estamos observando muitos países e suas posições. O Brasil, você mencionou o presidente. O Brasil não tinha problema até há pouco tempo. Agora os números estão subindo e, sim, estamos considerando um veto [de viagens]", afirmou Trump.

A Casa Branca apresentou na terça-feira projeções sombrias sobre o avanço do coronavírus nos EUA e indicou que 100 mil a 240 mil pessoas devem morrer no país nos próximos meses, mesmo com a adoção de medidas de distanciamento social.
Essa foi a primeira vez desde o início da pandemia que a força-tarefa do governo Donald Trump apresentou números oficiais sobre o impacto do novo vírus na vida dos americanos e conferiu um tom mais sóbrio e realista ao presidente, que diversas vezes chegou a minimizar a crise.

As previsões acontecem no dia em que os EUA registraram mais de 3.700 mortes -785 somente nesta terça- e ultrapassaram a China em número de vítimas confirmadas do coronavírus.

Veja também

Maia vê Baleia à frente de Lira, mas admite traição de um terço do seu partido na eleição da Câmara
Congresso

Maia vê Baleia à frente de Lira, mas admite traição de um terço do seu partido na eleição da Câmara

Doria chama Bolsonaro de oportunista por surfar a Coronavac
Vacina

Doria chama Bolsonaro de oportunista por surfar a Coronavac