Aposta na indefinição do PSB e no tamanho da ala de PE

Paulo Câmara realça estar "coerente" com diretriz do partido

Paulo Câmara e Gleisi Hoffmann  Paulo Câmara e Gleisi Hoffmann  - Foto: Divulgação

As costuras que o governador Paulo Câmara vêm conduzindo internamente no partido em favor do apoio formal a uma eventual candidatura ao Planalto do ex-presidente Lula partem do princípio de que, diante da indefinição estabelecida no PSB, a lógica ainda pode ser invertida. Em outras palavras, para palacianos, a ala que defende um apoio a Ciro Gomes e vinha se colocando como maioria na legenda pode virar minoria ou exceção. O governador pernambucano lista a favor de si o fato de estar defendendo um projeto que se encaixa nas diretrizes listadas pelo PSB para a disputa deste ano: apenas se aliar a partidos da centro-esquerda. Após receber a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, ontem, o chefe do executivo pernambucano grifou o seguinte: "O PSB tem olhado várias hipóteses. Já tomou decisões fundamentais, que não vai se aliar com nenhum partido que não esteja no campo de centro-esquerda". E, então, emendou que essa premissa já o coloca em condição de estar "coerente", uma vez que o PT é um partido de centro-esquerda. Em um paralelo com a situação do governador de São Paulo, que tem compromisso com o presidenciável Geraldo Alckmin, do PSDB - partido que está fora do radar de alianças dos socialistas - a conjuntura para Paulo Câmara estaria mais viável. Desde o encontro recente do PSB, que reuniu dirigentes em Brasília, o governador de Pernambuco vem defendendo que uma decisão da sigla sobre a corrida presidencial fique para o final de julho. Ontem, ele sublinhou a dimensão do grupo pernambucano no processo: "A ala pernambucana do PSB é a maior do Brasil. Por isso já saímos na frente". Gleisi, por sua vez, defendeu "aliança nacional". No entanto, o pré-candidato ao Governo de Minas Gerais pelo PSB, Márcio Lacerda, em sabatina na qual respondeu a perguntas de prefeitos, ainda ontem, disparou: "A hipótese de uma aliança nacional com o PT não é provável. Ou será o PDT ou o partido (PSB) não terá aliança". A conferir.

Risco de isolamento

O governador do Ceará, Camilo Santana, com quem Paulo Câmara esteve em Brasília, na última quarta-feira, é entusiasta da candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República. Embora petista, ainda em maio, defendeu que o PT“não pode apostar no isolamento suicida”.

Peça-chave >
Para o PT sair do isolamento, o PSB é de grande relevância, assim como é para viabilizar uma composição de centro-esquerda em torno de Ciro Gomes, que, segundo palacianos, apareceu quando Câmara já ia deixando a reunião com Camilo Santana.

Bandeira branca > Além do esforço em prol do apoio formal à candidatura de Lula, Paulo Câmara estaria ainda fazendo o meio de campo visando a que o entendimento para o segundo turno não seja prejudicado pela disputa atual por apoios.

Escudo > Na visão de pedetistas, o PT tenta "a todo custo" evitar o "isolamento iminente" e endurece o jogo em Pernambuco, tentando impedir que o PSB se aproxime de Ciro.

Testemunhas > Participaram, ontem, da reunião com Gleisi Hoffmann no Palácio das Princesas, o presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, o ex-secretário de Administração, Milton Coelho, e Antônio Figueira, da Assessoria Especial do Governo.

Só PE > Na passagem que fez por Pernambuco, ontem, Gleisi não tocou no assunto das contrapartidas ao PSB nos Estados.

Visita > Quem esteve em conversa, no Palácio das Princesas, com o governador Paulo Câmara na semana passada foi Maurício Rands, que, filiado ao PROS, pretende disputar o Senado.
A hipótese, no entanto, é improvável dada a “fila de espera”.

Veja também

Brasil antecipou mais de 16 milhões de doses de vacinas, diz Queiroga
IMUNIZANTE

Brasil antecipou mais de 16 milhões de doses de vacinas, diz Queiroga

Barroso se reúne com deputados da comissão do voto impresso
TSE

Barroso se reúne com deputados da comissão do voto impresso