Ascensão rápida e queda vertiginosa de Eike Batista

No alto, a sala da casa, sempre adornada por carros caros, como a Mercedez

No alto, a sala da casa, sempre adornada por carros caros, como a MercedezNo alto, a sala da casa, sempre adornada por carros caros, como a Mercedez - Foto: Rede IMMO

 

Eike Fuhrken Batista, 60 anos, chegou a ser um dos empresários mais influentes do Brasil. Excêntrico e ambicioso, o bilionário colecionou carros importados, aeronaves e iate, empresas com a letra “X” (simbolizando multiplicação) no nome e filhos com nome exóticos. Ascendeu e caiu com a mesma velocidade e grandeza dos seus sonhos.
Segundo dos sete filhos do ex-ministro de Minas e Energia Eliezer Batista, com a alemã, Jutta Fuhrken, Eike nasceu em Governador Valadares, Minas Gerais, em 1954, e, aos 4 anos, mudou-se para a Alemanha. Lá iniciou o curso de Engenharia Metalúrgica , mas não terminou, decidiu atuar como corretor de seguros e, depois, negociou produtos brasileiros na Europa e na África.

Ao retornar ao Brasil nos anos 80, investiu na mineração na Amazônia. Em 1983, associou-se à canadense Treasure Valley, que se tornaria a TVX Gold, da qual se tornou presidente. A primeira das muitas empresas com “X”.

Antes de virar bilionário, tornou-se conhecido por se casar, em 1991, com Luma de Oliveira, que no Carnaval de 1998 exibiu uma coleira bordada com o nome dele, e com quem teve dois filhos, Thor (Deus nórdico do trovão) e Olin (poeta grego). Ao conhecer a modelo, uma das mulheres mais cobiçadas do País, deixou a noiva, a socialite Patrícia Leal, para ficar com Luma, que era namorada do empresário Antenor Mayrink Veiga. Anos depois, Patrícia e Veiga casaram. Em 2004, Eike e Luma se separaram.

No ano seguinte, fundou a mineradora MPX. Começava a surgir o magnata. Depois vieram a MMX, de mineração, a LLX, de logística, a OGX, de óleo e gás, a OSX, de construção naval, e a CCX, de mineração de carvão. Em 2012, na mesma época em que seu filho Thor atropelou e matou um ciclista com a Mercedes SLR, que Eike ostenta na sala de casa, o empresário figurou na lista da revista Forbes, como o sétimo homem mais rico do mundo, com uma fortuna estimada em US$ 30 bilhões. À época, no auge da ambição, afirmou que se tornaria o primeiro da lista.

Em 2013, nasceu o terceiro filho, Balder (Deus nórdico da paz), com a advogada Flávia Sampaio. Neste mesmo ano, com perdas expressivas, caiu para a 100ª posição. Em 2014 já estava fora do ranking e, ontem, se tornou o primeiro ‘top 10’ da revista a ser preso desde Pablo Escobar, que apareceu da primeira a sétima edição da publicação. A frota de veículos, das empresas com três letras e da celebridade, sobrou a história de um ex-bilionário que terminou preso numa cela comum.

 

Veja também

Decisão do Supremo torna improvável reconstituição de ações da Lava Jato contra Lula
STF

Decisão do Supremo torna improvável reconstituição de ações da Lava Jato contra Lula

Inauguração por Bolsonaro de obra inacabada no AM vira ato em desagravo a Pazuello, alvo da CPI
CPI da Covid

Inauguração por Bolsonaro de obra inacabada no AM vira ato em desagravo a Pazuello, alvo da CPI