Assassino de candidato em Goiás agiu sozinho e em surto, diz polícia

O inquérito, segundo a polícia, descartou a hipótese de crime de mando e não confirmou as informações da família de Béba de que teria ocorrido uma briga entre ele e o candidato dias antes do crime

Chapa majoritária de Julio Lossio envia carta à RedeChapa majoritária de Julio Lossio envia carta à Rede - Foto: Raquel Elblaus/Divulgação

A Polícia Civil de Goiás atribuiu o assassinato do então candidato a prefeito de Itumbiara (GO) José Gomes (PTB), em 28 de setembro passado, a uma ação isolada do atirador e sem motivação política. O resultado das investigações foi divulgado pela polícia nesta sexta-feira (25).

Gomes foi morto com um tiro durante uma carreata na cidade, dias antes da eleição municipal na qual ele era o maior favorito. Seu sucessor acabou eleito com ampla maioria dias depois. No mesmo atentado foi morto a tiros o policial militar Vanilson Rodrigues, que tentou conter o atirador. O vice-governador e secretário de Segurança de Goiás, José Eliton, também foi ferido.

Para a Polícia Civil, o autor do atentado, o servidor público municipal Gilberto Ferreira do Amaral, conhecido como Béba, agiu sozinho "a partir de um surto de psicose etílica", segundo o delegado Gilson Ferreira, da comunicação da Polícia Civil de Goiás.

Amaral foi morto por outros seguranças instantes depois de atirar contra Gomes, Rodrigues, Eliton e outras pessoas. A polícia concluiu que os outros seguranças que mataram Béba não devem ser acusados na Justiça porque agiram em legítima defesa de terceiros.

O inquérito, segundo a polícia, descartou a hipótese de crime de mando e não confirmou as informações da família de Béba de que teria ocorrido uma briga entre ele e o candidato dias antes do crime.

A investigação não comprovou nenhum atrito entre Béba e José Gomes nem no dia do crime nem antes. Conforme a conclusão da polícia, um exame de saúde feito em Béba em 2007 indicou que ele era "viciado em anfepramona" desde 2004 e abusava de álcool.

A anfepramona é um fármaco utilizado para tratamento de obesidade e foi retirado do mercado brasileiro em 2011 pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) porque havia dúvidas sobre a eficácia do medicamento.

Em nota técnica divulgada na época, a Anvisa apontou como efeitos colaterais da anfepramona "arritmia cardíaca, isquemia cerebral, acidente cerebrovascular, dependência, leucemia, hipertensão pulmonar primária e distúrbios psicóticos".

Conforme texto divulgado à imprensa pela polícia, o delegado responsável pelo caso, Douglas Pedrosa, afirmou que "dentro da mente do Gilberto, ele se sentia perseguido, independente de ter ou não motivo para isto" e seria também "uma pessoa conturbada e de caráter duvidoso".

Béba enfrentou problemas no relacionamento com colegas e chefes na secretaria municipal de Saúde, onde estava lotado, e passou a atribui-los a uma suposta "perseguição" de Gomes, que havia sido prefeito de Itumbiara por dois mandatos.

O promotor de Justiça Arquimedes de Queiroz Barbosa, responsável pelo caso, afirmou que está estudando as conclusões da polícia para decidir se concordará com o relatório final ou se apresentará pedidos de investigações complementares.

Veja também

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida
Saúde

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida

YouTube bloqueia vídeo de campanha de Russomanno por desrespeitar direitos autorais da Fifa
SÃO PAULO

YouTube bloqueia vídeo de Russomanno com imagens da Fifa