Assessor do Planalto usa jato da FAB para voo exclusivo à Índia e é afastado por Bolsonaro

Bolsonaro ficou irritado com o fato de Santini ter usado um jato da FAB com apenas três passageiros para voar de Davos para Déli

Presidente da República Jair BolsonaroPresidente da República Jair Bolsonaro - Foto: Money SHARMA / AFP

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (28) que o secretário-executivo da Casa Civil, Vicente Santini, será destituído do cargo após usar um jato da FAB (Força Aérea Brasileira) para viajar à Índia.

"Inadmissível o que aconteceu. Já está destituído da função de executivo do Onyx [Lorenzoni]. Destituído por mim. Vou conversar com Onyx para decidir quais outras medidas podem ser tomadas contra ele. É inadmissível o que aconteceu, ponto final", afirmou o presidente ao chegar ao Palácio da Alvorada após viagem à Índia.

Leia também:
Bolsonaro diz que situação do Enem é 'complicada' e fala em sabotagem
Propaganda paga pela Presidência ficou com apresentadores de TV prediletos de Bolsonaro


Bolsonaro ficou irritado com o fato de Santini ter usado um jato da FAB com apenas três passageiros para voar de Davos, onde participava do Fórum Econômico Mundial, para Déli, para acompanhar a viagem presidencial.

A informação foi divulgada pelo jornal O Globo. Segundo o jornal, Santini seguiu de Davos (Suíça) para a Índia num voo da FAB com apenas mais duas assessoras. O secretário estava representando o titular da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que está em férias.

Ao dizer que Santini deixará o posto que ocupa atualmente, o presidente não excluiu a possibilidade de ele ocupar outra funções no governo. "O cargo de executivo da Casa Civil já está perdido. Outras coisas virão depois de eu conversar com Onyx", disse. "Isso é decisão minha. Aguardo Onyx, não posso também desprestigiar o ministro, né? Vou ver os argumentos dele. Daí ver se teremos mais alguma medida suplementar disso aí", disse.

Bolsonaro disse que o uso da aeronave não é "ilegal" mas "imoral". A assessoria de imprensa da Casa Civil informou que "a solicitação [do avião] seguiu os critérios definidos na legislação vigente".

"O que ele fez não é ilegal, mas é completamente imoral. Ministros antigos foram de aviões lá comercial, classe econômica. Eu mesmo já viajei no passado, não era presidente, para Ásia toda de comercial classe econômica, e não entendi. A explicação que chegou no primeiro momento 'ele teve de participar de reunião de ministros por isso...' Essa não, essa desculpa não vale."

Veja também

Auxiliares de Bolsonaro bombardeiam Ernesto por impasses com China e Índia
China/Índia

Auxiliares de Bolsonaro bombardeiam Ernesto por impasses com China e Índia

Após falhas na logística, Pazuello diz que entregou doses de vacina antes do planejado
Vacina

Após falhas na logística, Pazuello diz que entregou doses de vacina antes do planejado