Associação de advogados públicos critica instrumentalização e militarização da AGU por Bolsonaro

Na semana passada, a AGU defendeu na Justiça que é preciso conviver com 'interpretações divergentes' sobre a ditadura militar

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Flickr / Palácio do Planalto

A APD (Associação de Advogadas e Advogados Públicos pela Democracia) divulgará ainda nesta domingo (24) nota pública com críticas ao que veem como instrumentalização da Advocacia Geral da União.

Segundo eles, a função primordial de assessoramento jurídico do Executivo -apontar caminhos constitucionais possíveis- tem sido desviada "para a criação e defesa de teses de ocasião".

Leia também:
Em dia com 965 mortos pela Covid, Bolsonaro ouve panelaço, come cachorro-quente e provoca aglomeração
Novas mensagens de Bolsonaro a Moro reforçam versão de interferência na PF


O órgão, comandado por José Levi Mello desde o final de abril, tem sido utilizado pelo governo Bolsonaro para "defender judicialmente a distorção de fatos históricos como a guerrilha do Araguaia", diz a nota da APD. Na semana passada, a AGU defendeu na Justiça que é preciso conviver com "interpretações divergentes" sobre a ditadura militar.

"A AGU deve atuar de forma a prevenir enfaticamente o desmonte das instituições e das políticas sociais e se manifestar de forma contundente contra políticas públicas em desacordo com mandamentos constitucionais e legais. No entanto, o governo insiste em instrumentalizar a instituição para a criação e defesa de teses de ocasião", diz a nota.

A associação também condena, no documento, a militarização da AGU, "o segundo ministério com maior número de militares", e a função de "ajudante de ordens" que a instituição tem tido "nos processos de desmonte ambiental" promovidos pelo governo federal.

Veja também

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro reúnem-se em Boa Viagem para defesa do voto impresso
Eleições

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro reúnem-se em Boa Viagem para defesa do voto impresso

Em ato por voto impresso, Bolsonaro novamente coloca eleição de 2022 em dúvida
Fixação

Em ato por voto impresso, Bolsonaro novamente coloca eleição de 2022 em dúvida