Política

Auxílio Brasil: Senado aprova Medida Provisória com benefício permanente de R$ 400

Por causa de alteração para tornar benefício permanente, texto terá de ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro

Auxílio BrasilAuxílio Brasil - Foto: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco

O Senado aprovou, nesta quarta-feira (4), a medida provisória que estabeleceu R$ 400 como valor mínimo do programa Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família. O Congresso tinha até o dia 16 de maio para finalizar essa análise.

Como o texto que foi aprovado pela Câmara na semana passada sofreu alterações – o deputado João Roma (PL-BA) incluiu dispositivo que torna o benefício permanente, e não acabe no fim deste ano, como previsto originalmente pelo governo. O texto agora precisa ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.

"O Benefício Extraordinário é destinado às famílias beneficiárias do Programa Auxílio Brasil e, com as mudanças empreendidas pelo Congresso Nacional, será permanente, como parte do processo de ampliação da renda básica de cidadania. O valor de R$ 400,00 será, portanto, o piso do Auxílio Brasil", disse o relator do projeto no Senado, Roberto Rocha (PTB-MA).

Como o GLOBO já mostrou, o Ministério da Economia já prevê o benefício nessa dimensão no Orçamento de 2023. Além disso, em análises preliminares, a pasta avalia que não é necessário compensação financeira para o benefício permanente. No entanto, a pasta não discutiu nem tem recursos suficientes para um benefício maior que os R$ 400, segundo disse o secretário do Tesouro Nacional, Paulo Valle, na ocasião.

No mesmo dia em que o Senado aprovou o valor permanente do auxílio, o senador Marcelo Castro (MDB-PI), escolhido nesta quarta-feira, como relator geral do Orçamento de 2023, afirmou que tem ouvido especulações de que o governo federal poderá propor que o benefício fique fora do teto de gastos. Caso isso aconteça, o parlamentar disse que estará a favor da proposta.

"Eu seria favorável. Acho que aquilo que é necessário ao país, do ponto de vista de investimento, de geração de emprego, e sobretudo de proteção social, [porque] você imagina a quantidade de pessoas que temos desempregadas no país, a quantidade de pessoas em subemprego, com a renda que caiu astronomicamente durante a pandemia. Numa hora dessas você precisa definir prioridades", afirmou Castro, que completou:

"A minha posição, que sempre foi favorável à manutenção do teto dos gastos, [mas] nesses casos, nós poderíamos fazer uma exceção em favor de salvar vidas, melhorar a vida das pessoas, e até de salvar pessoas que estão passando fome", disse.

A busca por este valor mínimo de R$ 400 mensais foi uma das grandes disputas políticas do segundo semestre do ano passado. O governo queria turbinar o programa social como forma de ajudar a popularidade de Jair Bolsonaro, que tentará a reeleição.

Para isso, o governo promoveu a PEC dos Precatórios. A medida promoveu duas mudanças para viabilizar o programa social turbinado. De um lado, alterou o teto de gastos, regra que impede crescimento das despesas para além da inflação anterior. De outro, mudou a regra de pagamento dos precatórios, condenações judiciais contra o governo.

Esse movimento deu espaço para que a nova despesa fosse acomodada dentro do teto de gastos. Mas ainda faltava obedecer a determinação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que estabelece que uma nova despesa permanente precisa ser coberta por uma nova receita ou corte de gastos.

Como isso não ocorreu, o governo dividiu o Auxílio Brasil em duas partes. A primeira "parcela" corresponde ao valor tradicional do Bolsa Família ajustado, que subiu de cerca de R$ 190 para um valor em torno de R$ 224. O restante, até chegar a um mínimo de R$ 400, foi fixado como benefício "temporário", com duração até 31 de dezembro deste ano, o que dispensaria a compensação da despesa.

Foi o ex-ministro da Cidadania, o deputado João Roma (PL-BA), que incluiu de última hora uma alteração para que o benefício tenha caráter permanente, e não acabe no fim deste ano, como previsto originalmente pelo governo.

Veja também

Pressionado por governistas e oposição, Pacheco diz que decide sobre CPI do MEC no início da semana
Senado

Pressionado por governistas e oposição, Pacheco diz que decide sobre CPI do MEC no início da semana

PGR defende ao STF atuação do Ministério da Defesa em propostas sobre urnas eletrônicas
Sistema eleitoral

PGR defende ao STF atuação do Ministério da Defesa em propostas sobre urnas eletrônicas