CPI DA COVID-19

Renan tira de relatório acusação de genocídio contra Bolsonaro, diz Aziz; leitura será nesta quarta

Omar Aziz (PSD) e Renan Calheiros (MDB), presidente e relator da CPI da Pandemia, respectivamente.Omar Aziz (PSD) e Renan Calheiros (MDB), presidente e relator da CPI da Pandemia, respectivamente. - Foto: Agência Senado

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), recuou em alguns pontos polêmicos do seu relatório, retirando das propostas de indiciamento do presidente Jair Bolsonaro os crimes de genocídio contra a população indígena e homicídio.

As alterações foram informadas pelo presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), ao deixar reunião do grupo majoritário do colegiado na noite desta terça-feira (19). Os membros do chamado G7 participam de uma reunião na casa do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) para acertar ajustes ao texto.

O crime de genocídio era um dos principais pontos de divergência entre Renan Calheiros e os demais membros do grupo majoritário, que controla as ações da comissão. Em relação ao crime de homicídio, Aziz disse que seria desnecessário mantê-lo, uma vez que já consta na proposta de indiciamento o crime de epidemia com o agravante de resultar em morte.
 


Com isso, a proposta de indiciamento de Bolsonaro agora conta com nove tipificações de crimes –anteriormente eram 11.

Renan também teria desistido de incluir na proposta de indiciamento do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) o crime de advocacia administrativa, por ter intermediado uma reunião de representantes da Precisa Medicamentos no BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social).

O relator também teria concordado em retirar da lista de indiciados o secretário especial de Saúde Indígena, Robson Santos da Silva.

A reunião ainda seguiu na noite desta terça-feira. Omar Aziz disse que ainda há outros pontos polêmicos em discussão. O senador citou como exemplo o indiciamento do pastor Silas Malafaia, que enfrenta resistência do próprio presidente da comissão.

Veja também

Kassio e Mendonça são 20% do que gostaria de ver decidido no STF, diz BolsonaroVaga no supremo

Kassio e Mendonça são 20% do que gostaria de ver decidido no STF, diz Bolsonaro

Posse de Mendonça no STF será no dia 16 de dezembroSTF

Posse de Mendonça no STF será no dia 16 de dezembro