Bancada do PSB pernambucano apoia punição aos juízes

Para socialistas, o texto não constitui uma “retaliação” da classe política contra o Judiciário

 

Dentre as alterações mais polêmicas feitas no pacote de medidas anticorrupção está a Emenda nº 4, proposta pelo deputado Weverton Rocha (PDT-MA), que estabelece punições a magistrados e membros do Ministério Público em determinadas situações. No âmbito da bancada do PSB pernambucano, composta por seis parlamentares, cinco deles votaram pela aprovação da proposta: Tadeu Alencar, Danilo Cabral, Marinaldo Rosendo, João Fernando Coutinho e Creuza. A única exceção foi o voto de Severino Ninho.

Na opinião de João Fernando Coutinho, a emenda é importante por estabelecer punições mais duras contra membros do Judiciário. “Sempre me causou estranheza ao analisar membros do judiciário praticando crimes e o Conselho Nacional de Justiça colocar essas pessoas em aposentadoria compulsória. A pretensa punição é fazer com que eles se aposentem com a remuneração integral. A pessoa fica com tempo livre para fazer o que quiser da vida. Nenhum de nós está acima da lei. Minha votação foi com essa motivação”, afirmou. O socialista também disse que o texto não constitui uma “retaliação” da classe política contra o Judiciário. “Não entro no mérito de retaliação. Pode ser que outros tenham suas motivações, mas não é a minha. Não enxergo como retaliação e sim como aperfeiçoamento do modelo. Votei com minha consciência tranquila”, comentou.

Por sua vez, Severino Ninho afirmou ter votado contra a emenda por entender que o momento não seria oportuno. Na sua opinião, a bancada do PSB recomendou o voto pela aprovação da emenda, mas não fechou questão. “Esse assunto foi polêmico. Apesar de ser recomendado o voto no ‘sim’, o assunto não foi fechado pela bancada. Compreendi que votar essa emenda no momento em que se votavam medidas contra a corrupção poderia dar a entender que seria uma retaliação aos magistrados. Se fosse em outro momento, eu poderia ter votado a favor”, colocou o socialista.

 

Veja também

Abraham Weintraub é reeleito como diretor executivo no Banco Mundial por mais dois anos
Brasil

Abraham Weintraub é reeleito como diretor executivo no Banco Mundial por mais dois anos

Covas tem 26%, Russomanno, 20%, e Boulos e França empatam em terceiro, diz Ibope
SÃO PAULO

Covas tem 26%, Russomanno, 20%, e Boulos e França empatam em terceiro, diz Ibope