Covid-19

Barroso, do STF, rejeita ação de Bolsonaro contra decretos estaduais que limitaram circulação

Luis Roberto BarrosoLuis Roberto Barroso - Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), rejeitou a ação em que o presidente Jair Bolsonaro pediu a derrubada de três decretos que estabeleceram, em maio, medidas de lockdown e de toque de recolher no Rio Grande do Norte, Pernambuco e Paraná.

Na ação, o governo alegava que as medidas "não se compatibilizam com preceitos constitucionais" como a liberdade ir e vir.

No processo, assinado por Bolsonaro e pelo advogado-geral da União, André Mendonça, o Executivo federal disse que não estava questionando decisões anteriores do STF sobre a competência de estados e municípios na adoção de medidas de enfrentamento da pandemia.

A petição afirma, no entanto, que o Brasil é o quarto país do mundo que mais aplicou doses da vacina e que o avanço da vacinação no país "é fato superveniente juridicamente relevante".

Barroso, porém, afirmou que os decretos respeitam a decisão do STF sobre a autonomia dos entes da federação na gestão da pandemia e que as medidas estão "voltadas à contenção do contágio de Covid-19".

"O STF já decidiu, reiteradamente, que, em matéria de proteção à vida, à saúde e ao meio ambiente, devem se observar os princípios da prevenção e da precaução, de modo a que, na dúvida, se adotem as medidas mais protetivas aos bens em questão", escreveu o ministro.

O magistrado também afirmou que o governo "não comprovou" que os decretos ainda estão em vigor e citou que a duração deles estava prevista para ir apenas até o início de junho.

"Caso os diplomas não estejam mais em vigor, sequer seria o caso de debater a sua suspensão. Frise-se, ademais, que as ações foram propostas no final da vigência de cada diploma normativo e que o pedido de cautelar, dada a gravidade da situação, deveria contar com manifestação da parte contrária", afirmou.

Apesar de os decretos não estarem mais em vigor, o ministro disse que é importante tomar uma decisão sobre o caso para a "pacificação do conflito que esta ação manifesta".

Na ação, Bolsonaro havia afirmado que os governos estaduais não mostraram comprovação "técnica minimamente consensual sobre a eficácia da proibição de locomoção no horário noturno, em que o trânsito de pessoas é sabidamente discreto, se comparado com o fluxo observado em outros horário".

A ação também diz que, mesmo se houvesse recomendação amparada em robusto conselho médico, a completa interdição de circulação de pessoas seria excessivamente onerosa e poderia ser substituída por restrições parciais voltadas a apenas determinadas zonas urbanas com maior movimento.

O argumento dos governadores, segundo a AGU e Bolsonaro, "é completamente inadequado e despido de qualquer traço científico (teórico ou empírico), traduzindo uma avaliação injustificadamente discriminatória do comportamento de pessoas que transitam pelo espaço público no período noturno, e presumindo uma tendência social de desrespeito da ordem pública".

Na petição, eles afirmam que a implementação de qualquer medida restritiva no atual contexto depende de lastro técnico idôneo e deve ser espacial e temporalmente limitada. Assim, o governo diz que os três decretos não demonstram ter "correlação técnica com os fins perseguidos, o que torna o ato administrativo inválido".

Veja também

TSE mira Bolsonaro e abre inquérito para apurar acusações de supostas fraudes nas urnas
Investigação

TSE mira Bolsonaro e abre inquérito para apurar acusações de supostas fraudes nas urnas

Ministro das Comunicações fala ao Senado sobre internet nas escolas
Educação

Ministro das Comunicações fala ao Senado sobre internet nas escolas