Barroso manda investigar vazamento de dado sigiloso à defesa de Temer

A petição apresentada pela defesa de Temer revela conhecimento até mesmo dos números de autuação, que no sistema do STF estão sob procedimentos sigilosos de investigação

Para Barroso, o país vive um momento em que existe espaço na democracia para todos os projetosPara Barroso, o país vive um momento em que existe espaço na democracia para todos os projetos - Foto: Nelson Jr./SCO/STF

Relator do inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) que investiga o presidente Michel Temer e a edição de um decreto sobre o setor portuário, o ministro Luís Roberto Barroso mandou investigar o vazamento de informações sigilosas à defesa do presidente.

Nesta terça (6), os advogados de Temer pediram a Barroso para ter acesso a um procedimento sigiloso (uma ação cautelar, que tramita paralelamente ao inquérito) em que o ministro determinou a quebra do sigilo bancário do presidente.

Leia também:
Temer não vai recorrer da quebra de seu sigilo bancário
Ministro Barroso quebra sigilo bancário de Michel Temer
"Presidente não tem nada a esconder e está indignado", diz Marun
'Até Lula reconhece que houve tentativa de golpe contra Temer', diz Marun


"Verifico que a petição apresentada pela ilustre defesa do Excelentíssimo Senhor Presidente da República revela conhecimento até mesmo dos números de autuação que teriam recebido [no sistema do STF] procedimentos de investigação absolutamente sigilosos", escreveu Barroso em seu despacho. "Diante de novo vazamento, determino [que] seja incluída na investigação [...] a apuração das responsabilidades cabíveis."

Na última terça (27), o ministro já havia ordenado que se investigassem vazamentos de informações sigilosas para a imprensa.

Na segunda-feira (5), Temer informou, em nota à imprensa, que pediu ao Banco Central acesso aos extratos de suas contas bancárias para divulgá-los aos jornalistas. A nota foi emitida após o site da revista Veja noticiar que Barroso autorizou, no final de fevereiro, a quebra do sigilo bancário do emedebista referente ao período de janeiro de 2013 a junho de 2017.

O inquérito que investiga o decreto dos portos foi aberto no STF no ano passado na esteira da delação da JBS. Além de Temer, são investigados o ex-deputado e ex-assessor presidencial Rodrigo Rocha Loures (MDB-PR) e um sócio e um diretor da empresa Rodrimar, que atua no porto de Santos (SP). Também são citados nas investigações o advogado José Yunes, amigo e ex-assessor de Temer, e o coronel João Baptista Lima Filho, aposentado da Polícia Militar de São Paulo e próximo do presidente desde os anos 1980.

Assinado em maio do ano passado, o decreto sob investigação ampliou de 25 para 35 anos os prazos dos contratos de concessão e arrendamento de empresas que atuam em portos e permitiu que eles possam ser prorrogados até o limite de 70 anos.

Veja também

PF intercepta carreata e prende participantes, em Salgueiro
Eleições 2020

PF intercepta carreata e prende participantes, em Salgueiro

Bico em campanha eleitoral gera renda na pandemia
Eleições 2020

Bico em campanha eleitoral gera renda na pandemia