Barroso nega pedido para anular indiciamento de Temer

Segundo ministro, o indiciamento está previsto em lei e não há impedimentos sobre sua incidência sobre qualquer ocupante de cargo público.

O ministro Luis Roberto Barroso classificou como "complexo" o cenário político brasileiroO ministro Luis Roberto Barroso classificou como "complexo" o cenário político brasileiro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta terça (23) pedido para anular o indiciamento do presidente Michel Temer no inquérito sobre o suposto favorecimento da empresa Rodrimar S/A na edição do chamado Decreto dos Portos (Decreto 9.048/2017), assinado em maio do ano passado pelo presidente.

A decisão foi motivada pelo pedido de anulação feito pela defesa do presidente. Segundo Barroso, o indiciamento está previsto em lei e não há impedimentos sobre sua incidência sobre qualquer ocupante de cargo público.

Leia também:
Defesa de Temer pede ao STF anulação de indiciamento promovido pela PF
PF vê indícios de que Temer recebeu R$ 5,9 mi em propina


"Impedir o indiciamento apenas de uma classe de pessoas, sem fundamento constitucional ou legal, configuraria uma violação aos princípios da igualdade e da república, ao conferir um privilégio exclusivo e injustificado a determinadas autoridades", decidiu o ministro.

Foro por prerrogativa de função
Em manifestação enviada a Barroso, que é o relator do caso no STF, os advogados do presidente alegam que, devido ao foro por prerrogativa de função garantido ao presidente da República, a PF não teriam competência para indiciar Temer.

Para os advogados, o indiciamento é ilegal e provoca repercussão na honorabilidade de Temer e “reflexos na estabilidade da nação".

Na mesma petição, a defesa afirmou que Temer não praticou os fatos que lhe foram atribuídos no relatório final da investigação, enviado ontem pela PF ao ministro Barroso.

Veja também

Senador pede investigação de empresa que vendeu R$ 15 milhões em leite condensado ao governo
GOVERNO FEDERAL

Senador pede investigação de empresa que vendeu R$ 15 milhões em leite condensado ao governo

Armando Monteiro Neto diz que sua filiação a um novo partido segue em aberto
PERNAMBUCO

Armando Monteiro Neto: filiação a partido segue em aberto