Barroso pede desculpas por chamar Joaquim Barbosa de 'negro de primeira linha'

O ministro pareceu se emocionar ao dizer que se arrependia de ter "involuntária e inconscientemente reforçado um estereótipo racista"

Ministro Roberto BarrosoMinistro Roberto Barroso - Foto: Fellipe Sampaio/STF (11/06/2014)

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso pediu desculpas nesta quinta-feira (8) por ter se referido ao ex-presidente da corte Joaquim Barbosa como um "negro de primeira linha" em cerimônia no dia anterior.

"Uma coisa que eu aprendi na vida é que quando a gente comete um erro, o melhor que se pode fazer é reconhecê-lo o mais rápido possível", afirmou o ministro. Ele falou no início da sessão que deve julgar ação a respeito da lei de cotas raciais no serviço público.

Segundo ele, pretendia narrar "a sua trajetória vitoriosa e pretendia fazer referência que ele se tornou um acadêmico negro de primeira linha".

O ministro afirmou que o "primeira linha" se referia a "acadêmico", e que a menção ao fato de Barbosa ser negro seria para "celebrar uma pessoa que tinha rompido o cerco da subalternidade, chegando ao topo da vida acadêmica".

Afirmou, porém, que utilizou expressão "infeliz". "Não há brancos ou negros de primeira linha, porque as pessoas são todas iguais em dignidade e direitos", disse Barroso.

O ministro pareceu se emocionar durante o pedido de desculpas. Ao dizer que se arrependia de ter "involuntária e inconscientemente reforçado um estereótipo racista" que passou "a vida tentando combater e derrotar", o ministro fez pausas durante a fala para se recompor.

A fala Barroso a Barbosa foi feita durante cerimônia no STF para homenagear o ex-ministro com um retrato na galeria dos ex-presidentes do tribunal.

Veja também

Prefeito do Recife, João Campos, testa positivo para Covid-19
Coronavírus

Prefeito do Recife, João Campos, testa positivo para Covid-19

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral
Política

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral