CÂMARA FEDERAL

Base governista quer ouvir primo de Damares Alves na CPI do MST

Marcos Bengtson é acusado de um matar trabalhador rural

Damares AlvesDamares Alves - Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Filho do pastor líder da Igreja Quadrangular do Pará que teve avião apreendido com 290 kg de maconha na semana passada, o primo da senadora Damares Alves (Republicanos-DF) Marcos Bengston teve sua convocação solicitada para a CPI do MST.

As deputadas da base governista Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e Talíria Petrone (PSOL-RJ) querem ouvir o familiar da senadora, acusado de ter assassinado o integrante do MST José Valmeristo Soares em 2010. A investigação ainda está em curso e o primo de Damares aguarda data do júri popular.

De acordo com o requerimento das psolistas, Marcos é administrador da Fazenda Cambará, renomeada para Acampamento Quintino Lira após o assentamento, e teria invadido a terra com gado e máquinas em 2022. Em 2014, a terra foi demarcada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Marcos é filho do ex-deputado federal Josué Bengtson, o tio de Damares da Igreja Evangelho Quadrangular que, no último dia primeiro, teve sua aeronave apreendida com uma quantidade de maconha avaliada em R$ 4 milhões no Aeroporto de Belém.

Em nota, Damares Alves afirmou que o caso de seu primo é investigado há dez anos pela Justiça do Pará e questionou: "Qual o objetivo de desperdiçar recursos públicos de uma CPI para investigar o que já está em investigação? ". De acordo com a senadora, o requerimento do PSOL seria uma resposta a luta dela contra "contra a agenda de morte defendida por eles, como a legalização das drogas e do aborto".

Veja também

Bolsonaro decidirá candidatos a presidente e vice em 2026, diz Valdemar em propaganda do PL
ELEIÇÕES 2026

Bolsonaro decidirá candidatos a presidente e vice em 2026, diz Valdemar em propaganda do PL

Desaprovação a Lula vai a 47% e iguala pior índice da série histórica, aponta Atlas
pesquisa

Desaprovação a Lula vai a 47% e iguala pior índice da série histórica, aponta Atlas

Newsletter