Foram encontrados 230 resultados para "Setembro 2019":

Vereador Samuel Salazar
Vereador Samuel SalazarFoto: Divulgação

A Câmara Municipal do Recife, através do vereador Samuel Salazar (sem partido), promoveu nesta terça-feira (17), debate sobre a proibição da distribuição das sacolas plásticas no comércio da cidade. O ponto alto da audiência foi o pensamento comum a todos que a educação é maior aliado da mudança do hábito que o projeto propõe.

Dentre as devolutivas pontuadas na discussão, está a conscientização da população acerca dos danos causados pelo material plástico utilizado em larga escala quando não descartado adequadamente em condições de reciclagem, bem como os ganhos para o meio ambiente com a utilização de material não-descartável e não-poluente. O objetivo foi realizar um debate democrático, despertar a participação popular e convocar os órgãos públicos para o processo de decisão. Salazar é autor do PL 158/2019 que versa sobre o tema. A partir da audiência, o PL será alterado conforme as ideias discutidas no dia.

“A difusão das ideias de preservação tem que ser abraçada por todos. Elas não são só responsabilidades dos poderes políticos como Executivo, Legislativo e Judiciário. Os impactos, afinal, não serão seletivos. A natureza cobra e o resultado é fruto das ações antrópicas, que são realizadas pelo homem. Que a conscientização do uso de sacolas plásticas seja abraçada como mudança de comportamento ambiental. Que seja aceita não por revolução social, mas por meio da evolução de ações e pensamentos. Que nós recifenses assumamos o compromisso voluntário da responsabilidade ambiental”, pediu Salazar.

Na discussão, estiveram presentes à mesa a gerente de sustentabilidade da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Danielle Sampaio; representante do Projeto Recife Sem Plástico, Renata Campelo; representante do Sindicato do Comério Varejista (SindiVarejista), Laércio Ribeiro; representante da Secretaria de Educação, Marta Azevedo; o promotor de Justiça do Ministério Público, André Menezes; a fundadora da consultoria Ecoe Sustentabilidade, Susanne Batista; presidente da Plastivida e representante do Sindicato da Indústria do Material Plástico do Estado de Pernambuco, Miguel Bahiense; e o presidente do Conselho de Meio Ambiente (Contema) da Fiepe, Anísio Coelho.

Na ocasião, a gerente de sustentabilidade da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Daniella Sampaio, destacou que a Semana Mundial da Limpeza está sendo vivenciada e finalizará no próximo sábado (21). “Nosso objetivo é somar forças, compartilhar experiências e ajudar a limpar o planeta. O nosso desafio é o tornar o Recife como referência de cidade sustentável”, disse.

 A representante do projeto Recife Sem Plástico, bióloga e doutora em ciências marinhas, Renata Campelo, citou que no ano de 2010, foram 4,8 milhões a 12,7 milhões de toneladas jogados nos oceanos. Em 2014, 269 mil toneladas de plástico estão boiando, um volume que equivale a 5,25 trilhões de partículas do material. “O plástico é o nosso maior desafio ambiental do século XXI”, alertou. “O primeiro passo precisa ser a redução do consumo e essa redução vem através das nossas práticas diárias. É reduzir, reciclar, é repensar nossos hábitos”, destacou Renata.

Enquanto que o representante do Sindicato do Comério Varejista (SindiVarejista), Laércio Ribeiro, destacou que o sindicato é apoiador da proteção do meio ambiente. “Temos projeto conjunto com Jaboatão dos Guararapes de papa pilhas. Recolhemos pilhas em vários estabelecimentos do Recife e de todo o estado de Pernambuco.

Fazemos o recebimento de 800 a 1000 quilos desses materiais que seriam descartados no meio ambiente; e enviamos para as empresas, elas voltam para fechar o ciclo”, contou. “Temos visto com bons olhos a questão de parar de distribuir as sacolas plásticas, mas ficamos preocupados com os pequenos empresários”, explicou.

Segundo a representante da Secretaria de Educação do Recife, Marta Azevedo, a rede pública abrange 90 mil alunos que estão distribuídos em 312 escolas. “Nossa gerência trabalha estimulando os projetos ambientais nas escolas e educando nossos alunos, que mais na frente vão mostrar o resultado desse fomento e cuidar mais do meio ambiente”, completou. De acordo com Marta, na rede há também o projeto das ecobarreiras e o barco-escola, esse com 16 anos de ações, que já contemplou 16 mil estudantes. Uma das escolas presentes na audiência foi a Elizabeth Sales que tem o projeto “Escassez da água como problema global".

O promotor de Justiça e Meio Ambiente do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), André Menezes, falou que o consumidor tem que se reeducar. “Precisamos desenvolver um novo modelo mental, uma nova realidade de que nós vamos ao supermercado, ao comércio e não teremos as sacolas à disposição. Temos que internalizar uma nova cultura. Pelo menos a existência do projeto está gerando o debate público. Quem vai fazer essa lei pegar, e espero que seja, é cada um de nós”, destacou.

Susanne Batista, do projeto Ecoe Sustentabilidade, pontuou que a reciclagem não é a solução, porque ela no nível hierárquico é o quarto ponto. “Primeiro, precisamos repensar nossas práticas, recusar, reduzir e o quarto ponto é reciclar. Que a gente não entenda a reciclagem como primeiro passo”, explicou.

Miguel Bahiense, representante do Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado de Pernambuco (Simpepe) e presidente do Plastivida, apresentou uma visão socioambiental para contribuir no PL do vereador Samuel Salazar. “Todos os atores da sociedade estão incluídos na solução. A indústria não existe para vender, lucrar e ponto final. Estamos falando de conscientização, de mudança de comportamento e eu reitero isso. Mudem essa visão, porque essa visão não condiz com a realidade, a indústria precisa ser perene, continuada. A indústria já entendeu que se não mudar o ponto de vista, não evoluirá compartilhadamente, por isso é signatária da política nacional de resíduos sólidos”, defendeu.

O presidente do Conselho de Meio Ambiente (Contema) da Fiepe, Anísio Coelho, elogiou a iniciativa da audiência. “A sociedade precisa debater, porque é um tema complexo. Não é simples, precisamos coletar informações, dados, estudos, para daí se ver o melhor encaminhamento. Realmente é um problema que afeta todos nós, que afeta nossa sociedade. E, lamentavelmente, somos uma sociedade de consumo”, disse.

A reunião também contou com a presença de representantes do Colégio Damas e Equipe; da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade de Pernambuco (UPE), Universidade Católica (Unicap) e Faculdade Frassinetti do Recife (Farire). As Organizações não Governamentais (ONGs): Pernambuco Sem Lixo, Ecoassociados, Recife Lixo Zero, Insituto Lixo Zero e Reciplas. Além do Sindicato dos Trabalhadores nas Ind. de Mat. Plásticos de Pernambuco (Sintraplast), a Secretaria de Meio Ambiente de Pernambuco, Fecomércio, Emlurb e Sindicato Nacional das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto (Sindcon/Jaboatão).

A MP 891/2019 transforma em definitiva a política de antecipação de metade do 13º dos segurados do INSS, que passou a ser paga junto com a aposentadoria do mês de agosto
A MP 891/2019 transforma em definitiva a política de antecipação de metade do 13º dos segurados do INSS, que passou a ser paga junto com a aposentadoria do mês de agostoFoto: Divulgação

O relator da Comissão Mista da medida provisória que torna definitiva a antecipação de metade do 13º salário dos aposentados, deputado federal Fernando Rodolfo (PL-PE), marcou já para o próximo dia 2 de outubro a votação do seu relatório. O prazo foi fixado hoje (terça, 17), na primeira reunião deliberativa da Comissão, que aprovou o plano de trabalho apresentado por ele.

Prorrogável automaticamente por mais 60 dias, o primeiro prazo da vigência da MP 891/2019 se encerra no dia 4 de outubro. Indicado relator pela líder do governo na Câmara, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), Rodolfo afirmou que, apesar do período relativamente amplo, no total de 77 dias, quer dar rapidez à tramitação, para evitar os frequentes atropelos de última hora na votação de medidas provisórias.

Depois de votada na Comissão Mista, formada por 13 deputados e 13 senadores e presidida pelo senador Sérgio Petecão (PSD-AC), a MP 891/2019 vai à votação do plenário da Câmara e, em seguida, do plenário do Senado. Fernando Rodolfo recebeu 20 emendas à medida provisória e já começou a analisá-las. Decidiu desde já, contudo, que apresentará emendas de sua autoria para reduzir os gastos do INSS. Uma delas, com mudanças na perícia médica das empresas, permitirá economizar R$ 7 bilhões por ano.

“Vamos aproveitar a medida provisória para diminuir ainda mais as despesas do INSS e, em consequência, o déficit do setor público”, anunciou ele. O deputado pernambucano marcou para o dia 25 audiência pública para discutir a MP. Participarão dos debates o presidente do INSS, Renato Rodrigues Vieira, e os técnicos Miguel Kauam e Benedito Brunca, ambos do Ministério da Economia.

A MP 891/2019 transforma em definitiva a política de antecipação de metade do 13º dos segurados do INSS, que passou a ser paga junto com a aposentadoria do mês de agosto. O adiantamento, que é depositado entre os últimos cinco dias úteis de agosto e os cinco primeiros dias úteis de setembro, vinha sendo feito por decreto do presidente da República e dependia da disponibilidade de caixa do governo. A antecipação beneficia também quem recebe pensão por morte e auxílio-acidente, auxílio-doença e auxílio-reclusão.

O governo estima estarem sendo injetados quase R$ 22 bilhões na economia com o adiantamento do 13º salário dos proventos da aposentadoria, ajudando a atenuar o desaquecimento da atividade econômica. Em outro dispositivo, a medida provisória amplia o prazo do pente-fino realizado por peritos do INSS em concessões de aposentadorias, pensões e auxílios. O prazo anterior, que abrangia benefícios com análise expirada até 18 de janeiro de 2019, foi estendido a benefícios com data de exame que vencia até 15 de junho último.

Alunos da rede pública participam de quiz sobre o Poder Legislativo
Alunos da rede pública participam de quiz sobre o Poder LegislativoFoto: Divulgação

O programa “Alepe nos Municípios” – iniciativa da Assembleia Legislativa de Pernambuco que visa aproximar a Casa da sociedade e explicar as atividades e atribuições dos deputados estaduais – chega nesta quarta-feira (18) à cidade de Belém de Maria, na Mata Sul do Estado. O evento acontece na Escola de Referência em Ensino Médio, Presidente Tancredo Neves, a partir das 13 horas.

O “Alepe nos Municípios” é uma iniciativa da gestão do presidente da Casa, Eriberto Medeiros (PP), e começou por Timbaúba, na Mata Norte, passando por Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca, na Região Metropolitana do Recife, e Ribeirão, na Mata Sul.

Para o deputado Alberto Feitosa (SD), titular da Comissão de Constituição e Justiça da Alepe, o projeto “colabora para a qualificação do trabalho desenvolvido pelo Poder Legislativo”.

“A população é quem faz a Casa e nós procuramos atender as necessidades dos cidadãos. Por isso é importante o esclarecimento o debate para que as dúvidas sejam respondidas e as críticas acatadas. O povo pernambucano tem voz e nós precisamos saber ouvir e então contribuir para melhoria do serviço público”, afirma Feitosa, deputado com forte inserção em Belém de Maria.

A programação do “Alepe Nos Municípios” inclui a realização de palestras sobre a atuação dos parlamentares, jogos de perguntas e respostas para alunos da rede pública sobre as atribuições do Poder Legislativo. Também é oferecido à população os serviços da “Ouvidoria Itinerante”, cujo objetivo é explicar em linguagem acessível o que a população pode solicitar à Alepe, além de colher críticas e sugestões.

Também atuante na região da Mata Sul, o deputado Diogo Moraes (PSB) disse que a iniciativa de levar a Assembleia a todo o Estado “é motivo de satisfação e alegria para os parlamentares”.

“Levar a sede do Legislativo estadual para os municípios, a exemplo de Belém de Maria, onde há diálogo com o povo, escuta das demandas da sociedade, além da exposição dos projetos prioritários para os pernambucanos, é sem dúvida algo inovador realizado pelo presidente Eriberto Medeiros. Parabenizo à Casa de Joaquim Nabuco, por estar cada vez mais próxima do povo pernambucano”, pontua Diogo.

Primeiro secretário da Assembleia, o deputado Clodoaldo Magalhães (PSB) entende que a ida da Assembleia aos municípios “visa ouvir as demandas do povo para municiar os parlamentares com informações necessárias à defesa dos verdadeiros interesses da população”.

O modelo de segurança comunitária é fruto da cooperação policial de Pernambuco, por meio da SDS, com a Secretaria Nacional de Segurança Pública e a Agência Nacional de Polícia do Japão
O modelo de segurança comunitária é fruto da cooperação policial de Pernambuco, por meio da SDS, com a Secretaria Nacional de Segurança Pública e a Agência Nacional de Polícia do JapãoFoto: Djair Pedro/SDS

Crimes violentos contra o patrimônio caíram quase à metade após um ano de atuação de efetivo do 19º BPM em área de 4 km² do bairro de Boa Viagem, em um modelo que aposta na proximidade com a população para a prevenção social. O secretário de Defesa Social de Pernambuco, Antonio de Pádua, participa nesta quarta-feira (18/09), às 9h30, da celebração de um ano da base.

O modelo de policiamento comunitário baseado no sistema japonês Koban chega a um ano de trabalho no bairro de Boa Viagem alcançando uma queda de 41% nos roubos dentro de seu perímetro de atuação, como resultado da política de proximidade da Polícia Militar com a comunidade na prevenção de crimes. O êxito do projeto "Nossa Presença, Sua Segurança" – iniciado em agosto de 2018 na área de 4 km² compreendida entre as Ruas Bruno Veloso, Barão de Souza Leão, Fernandes Simões Barbosa e Avenida Desembargador José Neves – é comemorado nesta quarta-feira (18/09), na base da Avenida Visconde de Jequitinhonha, com a presença do secretário Antonio de Pádua.

De 13 de agosto de 2018, data de lançamento do projeto na Zona Sul do Recife, até 12 de agosto de 2019, ocorreram 277 Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVPs) no quadrante atendido pelo policiamento comunitário, 190 a menos do que no mesmo período entre 2017 e 2018. A partir do monitoramento policial, que alia patrulhamento constante nas ruas às visitas sistemáticas a estabelecimentos comerciais e residências, o roubo a transeuntes foi a modalidade que mais diminuiu: -44%, saindo de 299 para 166 casos relatados às polícias. Além disso, o número de veículos roubados ou furtados nessa região despencou de 103 para 63, isto é, -39%.

São resultados expressivos em um território complexo como é Boa Viagem, caracterizado pelo intenso fluxo de moradores, turistas e população flutuante em uma zona de comércio e de rede hoteleira e bancária abundantes, avalia o secretário Antonio de Pádua. "Ainda temos, dentro da área de atuação do sistema Koban, três áreas de vulnerabilidade social, nas comunidades do Veloso, Entra Apulso e Pocotó. É inegável que a presença dos policiais militares, imbuídos de uma nova filosofia de segurança fincada na prevenção social, teve impacto na atitude de todos que vivem nessa região. As pessoas passaram a se sentir parte fundamental de um processo cujo objetivo é a pacificação, o qual já vem dando resultados robustos", salienta.

Segundo o coordenador estadual de Polícia Comunitária, Major Oliveira Júnior, o cerne do trabalho dos 24 policiais militares do 19º Batalhão da PM envolvidos no primeiro Koban instalado naquela área geográfica é construir e ampliar uma rede de segurança local, na qual todos contribuem para um ambiente mais seguro.

"A ideia é que o policial seja conhecido como o policial da área, capaz de monitorar o ambiente, a vítima e o potencial autor, a fim de identificar atividades delituosas e prevenir reincidências. Esse monitoramento ocorre por meio de diversas estratégias, como a formação de uma rede de vizinhos, abordagens sistemáticas e o mapeamento do ambiente. Nossos policiais conversam para angariar parceiros, fazendo visitas técnicas preventivas, pois quanto mais próximos estamos, mais real é a nossa leitura da população com a qual trabalhamos. Nosso foco maior é sempre buscar a ausência do crime, a prevenção", detalha o oficial, que foi o representante brasileiro no Curso de Gestão em Policiamento Comunitário realizado em julho de 2018 no Japão, e também integra a Diretoria de Articulação Social e Direitos Humanos da Polícia Militar de Pernambuco (PMPE).

Periodicamente, os policiais confeccionam relatórios sobre os resultados alcançados, as dificuldades e as ideias para solucionar problemas de segurança, o que inclui observar a necessidade de melhoria de fatores urbanísticos associados à violência. Um exemplo foi a obtenção, com a Prefeitura, da melhoria da iluminação e da recuperação do calçamento numa rua onde os motoristas, obrigados a reduzir a velocidade devido aos buracos, eram alvo constante de investidas de criminosos.

Paulista – Igualmente, uma nova base em Maranguape II já começa a atuar para transformar os moradores em parte integrante do policiamento comunitário. Conversando naturalmente com vizinhos, comerciantes, diretores de escolas, entre outros, policiais do 17º BPM buscam formar parcerias.

"Assim que chegamos, o primeiro obstáculo foi quebrar o paradigma, que incluía consumo de drogas nas ruas e até dentro de escolas. Começamos a abordar jovens, conversar com suas famílias, falar com a direção da escola pública para termos livre acesso à instituição. Já conseguimos minar pontos de tráfico e reduzir os furtos em áreas em que esses problemas eram crônicos", comenta a soldado Andria, que atua na unidade instalada no bairro do município de Paulista desde o final de maio, quando teve início o projeto na área.

O projeto "Nossa Presença, Sua Segurança" aportou em Paulista juntamente com a implantação do piloto do Programa Nacional de Enfrentamento à Criminalidade Violenta, do governo federal, na cidade. É um dos cinco municípios brasileiros onde o programa se desenvolve desde maio, capitaneado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública. Neles, estão sendo implementadas ações de segurança pública integradas entre governos municipal, estadual e federal – e o policiamento comunitário soma-se à iniciativa.

Koban – O modelo de segurança comunitária é fruto da cooperação policial de Pernambuco, por meio da SDS, com a Secretaria Nacional de Segurança Pública e a Agência Nacional de Polícia do Japão. A instituição japonesa enviou representantes ao Recife, que colaboraram com a formação do efetivo destacado para desenvolver, no Estado, o padrão nipônico de policiamento. Também policiais da PMPE estiveram em solo japonês a fim de conhecer o milenar sistema Koban, que significa “estrita vigilância local”, e dá nome à base de apoio da Polícia dentro do perímetro estabelecido.

SERVIÇO:
Comemoração de 1 ano do policiamento comunitário em Boa Viagem
Data: quarta-feira, 18 de setembro
Horário: 9h30
Local: Base Koban na Avenida Visconde de Jequitinhonha, 2.466, Boa Viagem, Recife (próximo ao restaurante Entre Amigos O Bode)

Wagner Rosário, Titular da pasta da CGU, apresentou números que apontam um bloqueio de R$ 812 milhões em licitações
Wagner Rosário, Titular da pasta da CGU, apresentou números que apontam um bloqueio de R$ 812 milhões em licitaçõesFoto: IIA Brasil / Lucas Ninno

Titular da pasta da CGU, apresentou números que apontam um bloqueio de R$ 812 milhões em licitações, apenas este ano, feitos com o auxílio de algoritmos associados à tecnologia de inteligência artificial. A palestra foi realizada para mais de 900 profissionais durante o Congresso Brasileiro de Auditoria Interna
Florianópolis, terça-feira (17) – O combate à corrupção em estatais com o apoio da robótica foi o tema central da apresentação do ministro Wagner Rosário, da Controladoria-geral da União (CGU), na manha desta terça-feira (17) na capital catarinense.

O responsável pelo órgão expôs dados significativos com resultados recentes obtidos por meio do uso da inteligência artificial. “Intensificamos este ano o uso de algoritmos principalmente nas áreas de licitação e conseguimos frear R$ 812 milhões em processos que não eram necessários ou estavam irregulares”, revelou Rosário.

Só neste ano, até agosto, foram 15 pregões cancelados ou suspensos. O sistema busca identificar riscos que expõem as organizações públicas por meio de análises de textos. “Agimos antes que a licitação, ocorra de forma eficiente e sem a necessidade de contar com diversos servidores nesses processo”, explicou o ministro. Segundo ele, as novas funcionalidades têm gerado resultados que contribuem para desestimular a abertura de pedidos de licitação desnecessárias, dando mais coerência às metodologias.

O ministro, que atendeu a imprensa local antes de sua apresentação, lembrou que o país tem avançado significativamente no combate à corrupção e má gestão pública, tendo gerado um benefício ao governo federal da ordem de R$ 29.8 bilhões nos últimos seis anos. “Só no ano passado foram R$ 7 bilhões, e isso de um órgão que custa R$ 1 bilhão para operar”, lembrou.

Sobre os acordos de leniência as cifras também impressionam. São R$ 11.5 bilhões de desde de 2017, com a maioria fechada ano passado. O ministro estima que só em 2019 tenha sido acordado algo entre R$ 3 e R$ 4 bilhões até agosto.

Além de utilizar em licitações, a CGU aplica a inteligência artificial nas análises de trilhas de pagamentos de pessoal, com 94 ferramentas que rodam todos os meses em sistemas pelo país. Há também o uso de algoritmos nas análises de prestação de contas de convênios, no qual a tecnologia auxilia tanto na identificação de irregularidades, como na liberação de processos automáticos, nos casos em que não foram encontradas provas de fraudes. “Isso agilizou demais os sistemas e trouxe muita economia para o governo”, revelou Rosário.

A 39ª edição do Congresso Brasileiro de Auditoria Interno (Conbrai), que quebrou recorde em participação, termina nesta terça-feira com apresentação de Gil Giardelli, professor global de MBA e colunista da Band News. Mais informações sobre o evento em: iiabrasil.org.br/conbrai.

 

A palestra foi realizada para mais de 900 profissionais durante o Congresso Brasileiro de Auditoria Interna

A palestra foi realizada para mais de 900 profissionais durante o Congresso Brasileiro de Auditoria Interna - Crédito: IIA Brasil / Lucas Ninno

Joel destacou ainda a necessidade de concurso para o setor administrativo, inauguração da nova cede do 18 BPM
Joel destacou ainda a necessidade de concurso para o setor administrativo, inauguração da nova cede do 18 BPMFoto: Divulgação

O deputado Joel da Harpa (PP) esteve hoje pela manhã na secretaria de Defesa Social, onde participou de reunião com o secretário Antônio de Pádua. Em discussão, os bons resultados do Pacto pela Vida. Na ocasião, Joel da Harpa apresentou uma série de demandas dos policiais e bombeiros militares, tais como: diminuição do interstício do plano de cargos e carreiras, inserção do ICMS para compra de armas para polícias, aumento para guarda patrimonial, questão da paridade dos inativos, melhoramento no sistema de saúde com garantia de indicação de emendas parlamentares.

Joel destacou ainda a necessidade de concurso para o setor administrativo, inauguração da nova cede do 18 BPM, regulamentação de transferências de acordo com cada justificativa do militar, novas bases para o Corpo de Bombeiros (Serra Talhada e Arcoverde), melhoramento no atendimento a militares depressivos, suporte a nova fundação do Centro de Assistência Social (CAS), entre outras questões de interesse geral. “A reunião foi bastante proveitosa e nossa esperança é que nossas demandas possam ser compreendidas e atendidas pelo poder executivo”, concluiu.

 

Senador Humberto Costa - PT/PE
Senador Humberto Costa - PT/PEFoto: Alessandro Dantas/Senado

Impulsionados por uma máquina suja de produção de fake news nas eleições do ano passado, Jair Bolsonaro e os parlamentares do PSL estão com medo de terem os seus esquemas descobertos e manobram para derrubar os trabalhos da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga a utilização de perfis falsos para influenciar os resultados das eleições 2018. Esta é avaliação do líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), integrante do colegiado.

Nesta terça-feira (17), na terceira sessão da CPI mista, o senador questionou o motivo pelo qual o partido do presidente tenta obstruir os trabalhos da comissão, que tem como objetivo também apurar, no prazo de seis meses, os ataques cibernéticos que atentam contra a democracia e o debate público, a prática de cyberbullying sobre os usuários mais vulneráveis nas redes sociais e o aliciamento e orientação de crianças para o cometimento de crimes de ódio e suicídio.

“Os medrosos do PSL, que tentam ganhar no grito e de forma desrespeitosa aqui, já entraram no Supremo Tribunal Federal contra a CPI mista das Fake News e foram derrotados pela Corte. A questão está resolvida e definida e eles ainda querem obstruir os trabalhos aqui. Qual o receio? O que temem? Por que tanta gritaria e nervosismo?”, disparou.

Para Humberto, o medo do PSL é tão grande que a sigla articulou até a substituição do deputado Coronel Tadeu (SP), no bloco do partido, por Eduardo Bolsonaro (SP), que não era membro da CPI anteriormente.

Agora, os dois filhos de Jair Bolsonaro no Congresso Nacional fazem parte da comissão, sendo que Flávio já havia tentado, na última reunião, evitar a convocação de representantes de empresas de redes sociais, como WhatsApp, Telegram, Instagram, para prestar depoimento no colegiado.

“Eles não querem, de jeito nenhum, que a CPI investigue o submundo da propagação de ódio e informações falsas. A comissão vai trabalhar para impedir que ocorram mais mentiras nas próximas eleições. Todos nós sabemos que, no pleito de 2018, Bolsonaro só ganhou graças a uma máquina suja de calúnias e difamação que enganou os brasileiros. Agora, iremos atrás dessas armas criminosas”, declarou o senador, que evocou as ameaças de morte feitas por milícias virtuais a quem se opõe à pauta bolsonarista, como o youtuber Felipe Neto.

"Até a mãe, esse rapaz teve que tirar do Brasil por ameaças. Caetano Veloso foi atacado em sua integridade por fake news, isso pra citar alguns casos. Essa prática criminosa tem de ter fim", afirmou o líder do PT.

Em mais uma etapa, os vendedores de utensílios de cozinha, roupas e calçados, que antes ficavam na Praça Dom Vital, foram abrigados no Centro de Comércio do Cais de Santa Rita
Em mais uma etapa, os vendedores de utensílios de cozinha, roupas e calçados, que antes ficavam na Praça Dom Vital, foram abrigados no Centro de Comércio do Cais de Santa RitaFoto: Carlos Augusto/PCR e Pedro de Paula/Semoc

O Bairro de São José foi palco de mais uma etapa do ordenamento do comércio informal, iniciado no dia 1º de setembro. No último domingo (15), 73 barracas dos comerciantes de utensílios de cozinha, roupas e calçados, que ficavam localizadas na Praça Dom Vital – na calçada oposta à Basílica da Penha -, foram realocadas pela Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano do Recife (Semoc).

Agora, os trabalhadores recebem os seus clientes no o Centro de Comércio do Cais de Santa Rita, que fica próximo ao terminal de ônibus do bairro.

Foram construídos três novos equipamentos para abrigar os comerciantes que ficavam nas ruas de todo o bairro: o Centro de Comércio do Cais de Santa Rita, o Anexo do Mercado de São José e o Novo Mercado das Flores. Eles já estão em funcionamento e têm a capacidade de beneficiar cerca de 550 trabalhadores da área.

Com mais essa mudança, a Prefeitura do Recife dá um novo passo para a melhoria do ordenamento do Centro do Recife. O Mercado de São José, a Praça Dom Vital e a Basílica da Penha estão mais visíveis para o turista e para o recifense, o pedestre tem mais mobilidade e os comerciantes têm um lugar mais confortável e digno para comercializar seus produtos. Os novos espaços contam com banheiros e coberta, dando mais estrutura também aos clientes.

A primeira etapa do Centro de Comércio do Cais de Santa Rita está em funcionamento desde 2017, com cerca de 40 boxes de alimentação. A etapa que está sendo entregue agora tem capacidade para 374 bancas e boxes de roupas, alimentação, feira de frutas e verduras, fiteiros, estivas e alimentos como grãos, charque e frios em geral. Além desse equipamento, também foi entregue no dia 1º de setembro o Anexo do Mercado de São José, com 87 boxes de ervas medicinais e artigos religiosos, que antes ficavam no entorno no Mercado de São José, nas conhecidas barracas verdes.

O equipamento vai permitir a passagem de pedestres entre a Praça Dom Vital e o terminal de ônibus do bairro. Já o Novo Mercado das Flores, que antes funcionava próximo à sede do Consórcio Grande Recife, agora está com nova localização e funciona na continuidade do Centro de Comércio do Cais de Santa Rita. São cerca de 40 vendedores de flores beneficiados.

Para o secretário de Mobilidade e Controle Urbano do Recife, João Braga, o centro da cidade já mudou de cara. "Essa é uma nova fase para toda aquela área. O recifense merece essas melhorias, assim como o turista. Esse era um desejo antigo da nossa gestão e poder realizá-lo é uma grande alegria para todos nós. Os comerciantes estão felizes, a população está agradecida e nós estamos orgulhosos", comentou.

Feiras Novas - Em 2016 e 2017, já foram entregues as Feiras Novas de Água Fria, Afogados e Nova Descoberta, beneficiando mais de 650 comerciantes.

Foram construídos três novos equipamentos para abrigar os comerciantes que ficavam nas ruas de todo o bairro: o Centro de Comércio do Cais de Santa Rita, o Anexo do Mercado de São José e o Novo Mercado das Flores

Foram construídos três novos equipamentos para abrigar os comerciantes que ficavam nas ruas de todo o bairro: o Centro de Comércio do Cais de Santa Rita, o Anexo do Mercado de São José e o Novo Mercado das Flores - Crédito: Carlos Augusto/PCR e Pedro de Paula/Semoc

Deputado federal Algusto Coutinho (SD)
Deputado federal Algusto Coutinho (SD)Foto: Divulgação

O deputado federal Augusto Coutinho (SD), líder da bancada na Câmara Federal, explicou seu posicionamento contra o final do financiamento privado nas campanhas eleitorais e suas respectivas consequências para o pleito de 2020. "Acho que foi um erro acabar com financiamento privado", disse Coutinho, em entrevista à Rádio Folha 96,7 FM.

O parlamentar também falou do encontro que deve ocorrer nesta terça-feira (17) entre os líderes para tratar da tentativa de negociação flexibilização na decisão do Governo Federal de ampliar a cota de importação de etanol sem tarifa. "Já tive a oportunidade de conversar com o líder do governo Major Vitor Hugo (PSL) para explicar o quanto para nós nordestinos é complicada essa questão", avisa Coutinho, se referindo ao decreto presidencial que pode ser derrubado na Câmara Federal mesmo depois de realizadas as negociações entre o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e o presidente dos Estados Unidos Donald Trump.

A reforma Tributária também e seus desdobramentos no Congresso Nacional foram comentados por Augusto Coutinho que espera o diálogo seja a base para 'aprovação da reforma tributária devido à sua importância para o País'.

Ouça e compartilhe:

Anderson Ferreira (D) contou que o senador Davi Alcolumbre (C) vai procurar a direção da Caixa Econômica
Anderson Ferreira (D) contou que o senador Davi Alcolumbre (C) vai procurar a direção da Caixa EconômicaFoto: Divulgação

O prefeito do Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira, está em Brasília tendo entre as principais pautas a construção de um parque na área do Conjunto Muribeca, que está sendo demolido por ordem judicial, e o pagamento das indenizações aos mutuários, que há cerca de 30 anos aguardam por uma solução por parte da Caixa Econômica Federal.

Os dois assuntos foram tratados durante encontro do prefeito, o deputado federal André Ferreira e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, na residência do senador.

Esta é mais uma intervenção que o gestor municipal faz em favor dos moradores de Conjunto Muribeca. No ano passado, as famílias que residiam nas edículas foram contempladas com apartamentos no Residencial Fazenda Suassuna, em Muribequinha, e hoje todas estão devidamente acomodadas em seus apartamentos.

“O presidente Davi Alcolumbre me recebeu em sua residência e tive a oportunidade de colocar tanto a questão social dos moradores, quanto a importância da área ser cedida a Jaboatão para construirmos um grande parque para atender a toda comunidade de Muribeca”, disse o prefeito.

Anderson contou que o senador Alcolumbre vai procurar a direção da Caixa Econômica para apresentar o pleito e fazer o possível para ajudar município e os mutuários. “Saí da residência do presidente do Senado confiante e otimista de que essa situação será resolvida, da mesma forma que encontramos a solução para os moradores das edículas”, relatou.

comece o dia bem informado: