Deputado federal João Campos (PSB)
Deputado federal João Campos (PSB)Foto: Luis Macedo - Câmara dos Deputado

Em resposta ao vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), que usou sua conta no Twitter para publicar uma mensagem exaltando o golpe que instalou o período da ditadura militar no Brasil, o deputado federal João Campos (PSB) rebateu a declaração. A ditadura militar começou a partir de um movimento iniciado na noite de 31 de março de 1964 e na madrugada de 1º de abril e completa 56 anos nesta terça.

"Há 56 anos, as FA intervieram na política nacional para enfrentar a desordem, subversão e corrupção que abalavam as instituições e assustavam a população. Com a eleição do General Castello Branco, iniciaram-se as reformas que desenvolveram o Brasil. #31deMarçopertenceàHistória", escreveu Mourão.

"Não, general. O marco para a democracia brasileira aconteceu quando milhares de brasileiros foram às ruas e gritaram por Diretas Já. Em 31 de março de 1964 começou a página mais triste da história do Brasil. #DitaduraNuncaMais ‬#GolpeDeEstado", respondeu João Campos.

Confira:

João Campos

Crédito: Reprodução Instagram

Deputado federal Eduardo da Fonte (PP) solicitou a inclusão do exeme ao presidente da República
Deputado federal Eduardo da Fonte (PP) solicitou a inclusão do exeme ao presidente da RepúblicaFoto: Divulgação

O deputado federal Eduardo da Fonte (PP) enviou ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, uma solicitação para que reveja a política de cobrança das parcelas do Fundo de Financiamento Estudantil (FIES). A medida proposta pelo deputado beneficiaria estudantes e também aqueles que já se formaram.

No pedido enviado ao ministro, Eduardo da Fonte propõe que seja suspensa a cobrança das parcelas do FIES enquanto durar o estado de calamidade pública, decretado por causa da pandemia do novo coronavírus. O parlamentar ainda sugere que todos os estudantes e graduados possam renegociar as dívidas do programa com juros menores e pede que não sejam mais cobradas as parcelas para quem é da área da Saúde e comprovar trabalhar no combate ao COVID-19.

“O avanço da pandemia comprometeu a renda de muitos trabalhadores e estudantes que não vão conseguir pagar as parcelas do financiamento. A crise econômica que está por vir vai prejudicar ainda mais a situação dessas pessoas. Nós precisamos olhar para essas famílias com mais cuidado. A hora é de ajudar a todos, especialmente os profissionais de saúde que têm sido heroicos ao se arriscarem todos os dias para tratar os pacientes que procuram os hospitais”, declarou Eduardo da Fonte.

O abrigo deverá funcionar com horário de entrada das 18h às 19h, com saída a partir das 6h. Inicialmente, o equipamento foi preparado para receber 50 pessoas, podendo aumentar de acordo com a necessidade.    De
O abrigo deverá funcionar com horário de entrada das 18h às 19h, com saída a partir das 6h. Inicialmente, o equipamento foi preparado para receber 50 pessoas, podendo aumentar de acordo com a necessidade. DeFoto: Alexandre Justino

Durante a quarentena contra a covid-19, pessoas em situação de rua passaram a ter outra alternativa para não dormirem mais em locais que possam oferecer riscos de contaminação. A Prefeitura de Petrolina transformou o Ginásio Osvaldo de Carvalho em abrigo, de domingo a domingo, para aqueles que não têm para onde ir.

O abrigo deverá funcionar com horário de entrada das 18h às 19h, com saída a partir das 6h. Inicialmente, o equipamento foi preparado para receber 50 pessoas, podendo aumentar de acordo com a necessidade.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, Jorge Assunção, foram tomadas diversas providências para que fosse garantida a segurança de todos que optarem pelo local. “O Prefeito de Petrolina não se preocupa apenas com quem está em casa. Este projeto foi pensado e orientado pelo prefeito Miguel Coelho. Além das medidas de higiene pessoal, cada pessoa que chegar ao Osvaldo Flamengo será avaliada pela pela Secretaria de Saúde para verificar a temperatura, sem sintomas da covid-19. Além disso, estamos dispondo de um lanche para reforçar o jantar; espaço com televisão e local para que, os que possuem animais, possam ficar com eles” reitera o gestor.

Além da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos (SEDESDH), o projeto conta com a parceria da Secretaria de Saúde e da Guarda Municipal, que garantirá a segurança do local.

As refeições como café da manhã, almoço e jantar permanecem sendo distribuídas no Restaurante Popular. A Sedesdh já vinha promovendo ações de informação sobre a coronavírus e as normas de higiene para prevenir o contágio. O abrigo irá permanecer enquanto durar a quarentena no município.

petrolina

Crédito: Alexandre Justino


Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair BolsonaroFoto: Flickr / Palácio do Planalto

Em meio à crise causada pela pandemia do novo coronavírus e da disputa travada com governadores, Congresso Nacional e imprensa, um decreto do presidente Jair Bolsonaro publicou, nesta terça-feira (31), transferindo o comando da Artilharia do Exército do município de Porto Alegre para o Estado de Goiás, subordinando-o ao Comando Militar do Planalto chamou atenção. No entanto, trata-se de uma medida administrativa relacionada a mudanças de cargos e promoções do alto comando militar, que já tramitava há 10 anos.

O ex-ministro da Defesa, Raul Jungmann, esclareceu à reportagem do Blog da Folha que o decreto é apenas uma decisão administrativa e não política, que apenas concretiza "um processo iniciado há quase dez anos", se referindo ao SIPLEx. "A decisão vinha sendo protelada há algum tempo por razões orçamentárias e de pessoal", comentou. "Esta providência final dependia da conclusão das obras em Formosa (quartéis, PNR etc), chegada do novo material Astros, formação de pessoal etc. O campo de instrução de Formosa é o que melhor permite, por suas dimensões, o treinamento do Astros"., disse. De acordo com Jungmann, o decreto não representa "nenhum canhão a mais no campo de treinamento de Formosa, que fica na área do comando militar do Planalto", concluiu.

Confira:

decreto

Crédito: Reprodução / DOU

Em parceria com o Instituto Aggeu Magalhães, Governo do Estado vai triplicar a capacidade de testagem
Em parceria com o Instituto Aggeu Magalhães, Governo do Estado vai triplicar a capacidade de testagemFoto: Aluísio Moreira /SEI

O Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), anunciou nesta terça-feira (31), a ampliação da capacidade de testagem para a Covid-19 no Estado, possibilitando a realização de exames nos profissionais de Saúde, da rede pública e privada, que estão trabalhando diretamente com os pacientes suspeitos e confirmados para a doença, além das forças de Segurança. A ampliação vai ser possível graças à parceria entre a SES-PE e o Instituto Aggeu Magalhães (Fiocruz/PE), que possibilitará triplicar a capacidade atual, saindo de 770 para 2.170 exames por semana, a depender do envio dos kits pelo Ministério da Saúde (MS).

“Estamos tendo a oportunidade de ampliar a parceria com o Instituto Aggeu Magalhães, que anteriormente já se dava no âmbito das pesquisas na área de saúde. Atualmente, a Secretaria Estadual de Saúde tem a capacidade de realizar em média 770 testes do Coronavírus por semana, a partir dessa cooperação a gente vai poder triplicar o público que está testando”, ressaltou a secretária executiva de Vigilância em Saúde, Luciana Albuquerque.

Os testes serão os mesmos já realizados atualmente pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco (Lacen-PE), por meio da técnica RT-PCR, indicada para pacientes no início dos sintomas (até 7 dias) e que analisa a presença do vírus ou parte dele na amostra coletada. Os kits de testagem, nesta parceria, serão os encaminhados pelo Ministério da Saúde, que anunciou a ampliação do envio dos kits. Além disso, nesta semana, a empresa Genômika, especializada em testes genéticos e imunológicos, passa também a compor os esforços do Estado para ampliar a realização de exames pela técnica RT-PCR. Por dia, o laboratório privado vai processar 300 exames. Essa contratualização está sendo feito em parceria com o Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami (LIKA) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

A vice-diretora de pesquisa da Fiocruz-PE, Constância Ayres, destacou que o Instituto fará pesquisas para identificar medicamentos para o tratamento desses enfermos. “Iremos começar a testar produtos potencialmente antivirais, para termos uma possibilidade de tratamento e medicação dos pacientes mais graves. Além disso, também faremos toda parte epidemiológica.”

TESTAGEM RÁPIDA - O secretário André Longo ainda informou que os kits de testagem rápida do Ministério da Saúde (MS) não devem chegar mais esta semana, pela necessidade do órgão federal realizar testes centralizados para garantir a eficácia do insumo e, posteriormente, encaminhar aos Estados. "Se eu tenho um teste que não é de confiança e ele dá um falso negativo, poderá gerar um grande fator de confusão entre toda a comunidade, dando uma falsa sensação de permissividade aquele indivíduo que foi testado. Isso poderá atrapalhar nas medidas de controle", afirma Longo. O gestor ainda lembra que está em curso uma compra de mais de 350 mil testes rápidos pelo Consórcio Nordeste, que também está analisando a eficácia do que está sendo disponibilizado no mercado.

ORIENTAÇÕES – O secretário André Longo também reforçou, nesta terça-feira, as orientações à população. "Neste momento, se estiver com sintomas de gripe, procure fazer o auto-isolamento. Só vá a uma unidade de saúde se você tiver algum dos sintais de alerta, como o desconforto respiratório, dor torácica ou uma febre que se prolongue por mais de três dias mesmo usando antitérmico. Mas se você tem sintomas gripais leves, procure ficar em casa, evite contato, em especial com idosos e pessoas que já tenham problemas de saúde. Procure restringir o contato social em nome da solidariedade necessária com as demais pessoas. Isso é muito importante para que você não se torne um agente de transmissão da Covid-19", frisa André Longo.

Link com o anúncio sobre a parceria: https://we.tl/t-Vnu9Y6Ff0q

Fotos: Aluisio Moreira /SEI

Câmara do Recife
Câmara do RecifeFoto: Divulgação

A saúde pública e a covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus que já matou mais de 130 pessoas no Brasil, continuam sendo alvo dos projetos discutidos na Câmara do Recife. Nesta segunda-feira (30), por meio do Sistema de Deliberação Remota (SDR), os vereadores da Casa de José Mariano discutiram – e aprovaram – quatro propostas de autoria do o Poder Executivo relacionadas à infecção e a suas consequências econômicas, bem como à gestão da saúde na capital.
Câmara aprova novos projetos relacionados à gestão da saúde e à covid-19
Com a convocação de uma reunião extraordinária subsequente à reunião plenária ordinária, as matérias foram votadas em primeira e segunda discussões por 36 dos parlamentares do Poder Legislativo Municipal.

Dentre as propostas aprovadas, estava o projeto de lei de autoria do Poder Executivo nº 11/2020, que regulamenta os procedimentos para contratações destinadas ao fornecimento de bens, à prestação de serviços, à locação de bens e à execução de obras necessárias ao enfrentamento do novo coronavírus.

A nova lei buscará estabelecer uma série de medidas emergenciais, como a priorização dos hospitais na execução da despesa pública e dispensa de licitação para procedimentos relacionados a saúde. Os órgãos ficarão autorizados a adotar meios alternativos à licitação, como convênios, acordos de cooperação, compras coletivas e adesão a atas de registro de preços internas ou de outras entidades.

Além disso, a administração municipal poderá firmar parcerias com o setor privado para iniciativas de combate à covid-19 – utilizando, para isso, formas compensatórias de pagamento. Também poderá, de acordo com a proposta, convocar candidatos aprovados em concursos públicos para provimento de cargos de profissional da saúde. Caso não haja candidatos suficientes aprovados em concurso ou seleção simplificada, a Prefeitura vai poder convocar profissionais a prestarem serviço por meio da requisição administrativa, alternativa utilizada em situações de perigo público iminente.

Outra matéria ligada ao setor da saúde e que foi aprovada pela Câmara nesta segunda-feira foi o projeto de lei do Executivo nº 09/2020, que cria o Conselho Gestor de Conformidade dos Contratos de Gestão Firmados com as Organizações Sociais de Saúde (OSS) – ou seja, as entidades não lucrativas e não-governamentais que atuam no gerenciamento da saúde. O novo órgão será formado por dez membros titulares, todos servidores efetivos ou comissionados da Prefeitura, designados pelo secretário de Saúde para mandatos de dois anos, prorrogáveis por mais dois.

O Conselho ficará responsável por, dentre outras atribuições, coordenar ações práticas de fiscalização, auditoria e controle interno dos contratos de gestão da Secretaria de Saúde, identificar riscos de conformidade desses contratos, elaborar manuais e promover treinamentos. A atuação do gestor público na fiscalização dos contratos com OSS é uma obrigação legal e uma recomendação do Tribunal de Contas do Estado (TCE/PE).

Incentivo à regularização – A crise fiscal e econômica deflagrada pelo novo coronavírus foi alvo das outras duas propostas aprovadas pela Casa. Uma delas, o projeto de lei do Executivo nº 06/2020, busca ampliar o prazo para adesão ao Programa de Parcelamento Incentivado (PPI) da Prefeitura.

Previsto na lei nº 18.650/2019, o programa visa promover a regularização de débitos tributários devidos ao município mediante o parcelamento desses montantes. Originalmente, o benefício alcançava dívidas geradas até 31 de dezembro de 2018. O novo prazo passa a ser 31 de dezembro de 2019 – e os devedores terão até 30 de junho de 2020 para se inscrever.

Outra maneira encontrada pela Prefeitura para minimizar os efeitos da paralisação econômica foi oferecer aos contribuintes a oportunidade de pagar, com uma redução de 10% do valor, alguns tributos vencidos ou a vencer por meio de quitação em parcela única. A medida foi apresentada pelo projeto de lei do Executivo nº 10/2020, também aprovado nesta segunda-feira, e abarca o Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) e a Taxa de Coleta, Remoção e Destinação de Resíduos Sólidos Domiciliares (TRSD) referentes ao exercício de 2020. Para receber o desconto, os contribuintes devem pagar essas parcelas até 30 de abril deste ano.

Prefeito do Recife, Geraldo Julio
Prefeito do Recife, Geraldo JulioFoto: Léo Malafaia / Folha de Pernambuco

A Prefeitura do Recife continua o trabalho para ampliar a oferta de leitos exclusivos para os pacientes da Covid-19 e vai abrir mais 163 leitos nas policlínicas da cidade. Na manhã desta terça-feira (31), o prefeito Geraldo Julio anunciou a entrega dos primeiros 41 novos leitos de enfermaria na Policlínica Amaury Coutinho, na Campina do Barreto, Zona Norte do Recife, onde foi erguida uma Unidade Provisória de Isolamento. Os leitos fazem parte do Plano Municipal de Contingência Covid-19. Com as 163 vagas criadas nas policlínicas, além das 208 já anunciadas no Hospital da Mulher do Recife, a cidade chega a 371 leitos hospitalares voltados para os pacientes do coronavírus.

O prefeito Geraldo Julio afirmou que desde antes mesmo da decretação da pandemia, a Prefeitura iniciou o Plano de Contingência com o principal objetivo de salvar vidas. “Com a decretação da pandemia, nós iniciamos sete obras com o objetivo de criar leitos hospitalares exclusivos para pacientes da Covid-19. Sessenta e cinco novos leitos já estão em funcionamento no Hospital da Mulher e hoje nós estamos abrindo 41 na Policlínica Amaury Coutinho, onde construímos uma Unidade Provisória. Ao todo já são 106 leitos em funcionamento. Nós temos outras obras nas policlínicas em andamento, próximas da conclusão. São construções de unidades provisórias que vão disponibilizar mais 163 leitos, sendo 24 deles com respiradores pulmonares”, afirmou o prefeito.

Para abrigar os novos leitos, a área interna do Serviço de Pronto Atendimento (SPA) da Amaury Coutinho passou por readequação e otimização dos espaços físicos e disponibilizou 11 novos leitos de enfermaria, duas salas de observação para pacientes com Síndrome Respiratório Aguda Grave (Srag), consultório médico e área para manejo e estabilização de pacientes críticos, para posterior transferência, se necessário. Já na área externa, foi montada uma Unidade Provisória de Isolamento (UPI) com outros 30 leitos de enfermaria.

Estruturas semelhantes estão sendo realizadas nas demais Policlínicas da cidade. No total, a Secretaria de Saúde (Sesau) do Recife disponibilizará 163 leitos de retaguarda para pessoas infectadas com o novo coronavírus. O anúncio da ampliação do atendimento na Amaury Coutinho acontece um dia depois de a Prefeitura abrir 19 leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) para infectados pelo novo coronavírus no Hospital da Mulher do Recife (HMR), no Curado. Somando-se aos 12 leitos de UTI que já estavam disponíveis no HMR, a PCR já conta com um total de 31 leitos de UTI para os infectados pelo novo coronavírus. Outros 34 leitos de enfermaria estão prontos para receber casos de Covid no Hospital da Mulher. Quando tudo estiver pronto, o HMR terá 208 leitos para os infectados por coronavírus, sendo 54 de UTI e 154 de enfermaria.

O prefeito Geraldo Julio também falou sobre as ações que a Prefeitura do Recife vem tomando para enfrentar o desafio da Covid-19. “Para diminuir os desafios do isolamento social que o coronavírus trouxe, no primeiro dia da suspensão das aulas a gente distribuiu 270 toneladas de alimentos em kits merenda para os alunos e logo em seguida nós distribuímos mil toneladas de alimentos, em cestas básicas, para as famílias dos nossos alunos. Para as pessoas em situação de rua preparamos 120 vagas em um abrigo temporário com cuidadores, alimentação e já temos pessoas em situação de rua abrigadas nesses locais. Os nossos Restaurantes Populares, já no primeiro momento, também fizeram as mudanças do estilo "bandejão" para a distribuição de marmitas e está previsto a entrega de 195 mil quentinhas pelos nossos restaurantes durante esse período”, disse o prefeito.

novos leitos

Crédito: Andrea Rego Barros / PCR

pcr

Crédito: Andrea Rego Barros / PCR

Plenário da Alepe
Plenário da AlepeFoto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

A Assembleia Legislativa deve concentrar em uma única Reunião Plenária, a ser realizada na próxima terça (31), a votação de decretos legislativos que reconhecem o estado de calamidade pública em diversos municípios de Pernambuco, em virtude da ameaça do coronavírus. De acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), cabe ao Parlamento Estadual apreciar esse tipo de proposição, cujo objetivo é dar liberdade legal para que os gestores adotem medidas de enfrentamento a situações excepcionais.

Entre as ações que podem ser adotadas pelas localidades, constam permissões aos Executivos municipais e estadual para que gastem recursos acima do que foi definido nas Leis Orçamentárias em vigor. Sem a chancela do Legislativo, o gestor seria responsabilizado pelas ações tomadas em desconformidade com a LRF. O presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros (PP), destacou, contudo, que iniciativas como determinação de quarentena e contratações emergenciais já podem ser adotadas a partir de decreto municipal.

Para prestar esclarecimentos aos prefeitos, o presidente da Casa de Joaquim Nabuco emitiu, nessa quarta (25), um comunicado explicando como funciona o dispositivo de decretação de calamidade pública. No documento, o parlamentar tranquiliza os gestores municipais de que “o Poder Legislativo dará a celeridade necessária para apreciar todas as solicitações de reconhecimento das situações emergenciais decretadas pelas cidades pernambucanas”.

“Temos sensibilidade para com os municípios, que já enfrentam muitas restrições, em tempos normais, no tocante à disponibilidade de recursos. Atuaremos no sentido de garantir que todas as ações sejam tomadas em tempo hábil, fortalecendo a capacidade de resposta do Poder Público à pandemia do coronavírus”, afirmou Medeiros. Na última terça (24), por exemplo, a Alepe aprovou duas matérias em reconhecimento à decretação de calamidade pública de Pernambuco e do Recife, cidade em que está concentrado o maior número de casos da Covid-19.


Debate abordará incentivos para artistas e profissionais da cultura
Debate abordará incentivos para artistas e profissionais da culturaFoto: Divulgação

Devido ao prejuízo que a pandemia do coronavírus também está causando ao setor cultural, a deputada federal Marília Arraes (PT) assinou, ao lado de parlamentares do PT e de diversos partidos, o projeto de lei de criação do fundo emergencial para a Renda Básica da Cultura durante o período do isolamento.

Para falar sobre o assunto, Marília participa nesta terça (31), ao lado da deputada federal Benedita da Silva (PT/RJ), do Programa Quarentena, do Brasil 247, apresentado por Liana Cirne e Elika Takimoto, com transmissão nas redes sociais, a partir das 21h.

“O IBGE mostra que mais de 5 milhões de pessoas trabalham no setor cultural brasileiro. E grande parte deste contigente não tem carteira assinada, salário fixo. A cultura é também uma atividade econômica, que emprega, que gera renda, e por isso precisa fazer parte deste esforço de socorro financeiro”, defende Marília.

Confira algumas medidas para o setor cultural no projeto assinado por Marília:

Complemento mensal da renda para trabalhadores informais do setor cultural impactados pela crise do coronavírus;

Políticas federais para a cultura ao fomento de atividades culturais que possam ser transmitidas pela internet.

Proibição do corte no fornecimento de água, de energia elétrica e de quaisquer serviços de telecomunicações, inclusive internet, para entidades do setor;


Serviço:
Programa Quarentena (Brasil 247)
Horário: 21h
Facebook: brasil247 e mariliaarraes

Marília participa nesta terça, ao lado da deputada federal Benedita da Silva (PT/RJ), do Programa Quarentena, do Brasil 247

Marília participa nesta terça, ao lado da deputada federal Benedita da Silva (PT/RJ), do Programa Quarentena, do Brasil 247 - Crédito: Divulgação

Congresso Nacional
Congresso NacionalFoto: Arquivo/Agência Brasil

A aprovação do projeto de Lei que garante renda de até R$ 1.200,00 por família durante a pandemia do novo coronavírus, nesta segunda-feira (30), no Senado, gerou repercussão entre os políticos de Pernambuco. Como para tirar o projeto do papel ainda falta a sanção presidencial, muitos aderiram a campanha pela agilidade dessa assinatura de Jair Bolsonaro (sem partido), subindo a hashtag #PagaLogoBolsonaro. Já o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB), comemorou a aprovação do PL na Casa Alta.

A deputada Marília Arraes (PT) explicou a campanha para acelerar a execução do projeto. "#PagaLogoBolsonaro é a principal mensagem da live que fiz com o senador @randolfeap. Essa Renda Básica já poderia ter sido aprovada e estar atendendo aos trabalhadores que mais precisam. Não dá pra perder mais tempo. A live ficou disponível no Instagram", tuitou.

"O Senado priorizou a população e aprovou o projeto de Renda Mínima Emergencial. Será uma renda de até R$ 1.200 por família. É uma vitória do povo. É esperar que o presidente tenha o mínimo de sensatez e sancione com a maior urgência possível", escreveu a deputada em outra postagem.

Outro a aderir à campanha foi o deputado federal João Campos (PSB). "É hora de fazer a pressão necessária pelo cumprimento do projeto mais importante do ano, já aprovado pela Câmara e pelo Senado", postou. Já o deputado Silvio Costa Filho (Republicanos), limitou-se a comemorar a aprovação do PL. "Boa notícia! O Senado aprovou, nesta segunda-feira (30), a renda mínima de até R$1.200. A medida segue agora para sanção do presidente. Vamos trabalhar para a ajuda chegar a quem mais precisa o quanto antes!", escreveu.

No senado, entre os parlamentares pernambucanos, se pronunciaram sobre a aprovação da Renda Mínima os senadores Humberto Costa  (PT) e Fernando Bezerra Coelho, que é líder do governo na Casa. Humberto juntou-se à campanha para pressionar o presidente a sancionar o quanto antes a matéria. "Aprovamos no Senado o #SeguroQuarentena, agora precisamos que Bolsonaro libere os recursos para o povo receber o benefício. Seguimos na luta! Vamos subir a #PagaLogoBolsonaro Flag of Brazil", postou.

Já Fernando Bezerra usou suas redes sociais para comemorar a aprovação. "O Senado aprovou o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600,00 para trabalhadores informais, desempregados e microempreendedores individuais. A expectativa é que 30 milhões de brasileiros serão beneficiados com a medida".

twitter

Crédito: Reprodução Twitter


assuntos

comece o dia bem informado: