Serão disponibilizadas 100 salas de vacinação, nas sete regionais do município, além do ‘drive-thru’, montado no estacionamento do Shopping Guararapes
Serão disponibilizadas 100 salas de vacinação, nas sete regionais do município, além do ‘drive-thru’, montado no estacionamento do Shopping GuararapesFoto: Chico Bezerra

Após ter sido temporariamente suspensa na última quinta-feira (26) devido à falta de doses, causada pela baixa remessa enviada ao município pelo Ministério da Saúde, a Secretaria de Saúde da Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes retoma, a partir desta segunda-feira (30), a primeira etapa da campanha de vacinação contra a gripe.

O segundo lote, recebido pela secretaria municipal na última sexta-feira (27), conta com 18.310 doses da vacina contra a influenza. A expectativa é de que 59.174 idosos (60 anos ou mais) e 15.528 profissionais da área da saúde - público-alvo da primeira fase da campanha - sejam imunizados. Ao todo, serão disponibilizadas 100 salas de vacinação, nas sete regionais do município, além do ‘drive-thru’, montado no estacionamento do Shopping Guararapes, em Piedade.

Idosos devem comparecer preferencialmente às unidades de saúde no turno da manhã, considerando-se que as crianças continuarão sendo imunizadas contra o sarampo no período da tarde. Diante do atual cenário, é recomendável que o usuário, em caso de dúvidas, busque informações junto ao agente de saúde de referência de sua comunidade. Importante ressaltar que idosos acamados serão vacinados no próprio domicílio, e os que se encontram em Instituições de Longa Permanência, receberão a vacina sem precisar sair do local.

Para mais informações, o usuário pode entrar em contato com a Coordenação de Vacinação, por meio dos números (81) 3476-2866 / 99975-2376, ou ainda pelo e-mail: [email protected]

Chefe do Executivo promoveu encontro por teleconferência com nove representantes da iniciativa privada
Chefe do Executivo promoveu encontro por teleconferência com nove representantes da iniciativa privadaFoto: Heudes Reges

O Governo de Pernambuco vem dialogando com o setor produtivo do Estado na busca por alternativas que minimizem os efeitos da crise econômica que ameaça o País, consequência das ações de isolamento necessárias ao combate do coronavírus. Para estreitar o contato com as principais entidades empresariais e reduzir os danos durante a pandemia, sobretudo para preservar os empregos, o governador Paulo Câmara realizou reunião por videoconferência, neste domingo (29), com nove entidades empresariais atuantes no estado.

O secretário de Planejamento, Alexandre Rebêlo, apresentou aos empresários um resumo da situação da pandemia e as medidas tomadas pelo Governo para o enfrentamento do novo cororavírus no Estado. Dentre os pleitos apresentados pelo empresariado ao chefe do Executivo, o principal é relativo às questões de isenção ou redução tributária. O governador informou aos participantes que o assunto será discutido no âmbito nacional, na próxima sexta-feira (03/04), também por teleconferência, durante a reunião do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Fazenda – Consefaz.

"Estamos concentrados no que é mais emergencial. Nosso compromisso número um é salvar vidas. Mas assim como todo o setor produtivo estamos preocupados com os impactos dessa crise na economia. O que o Governo Federal apresentou até agora foi tímido e insuficiente. Precisamos focar na preservação dos empregos", afirmou o governador Paulo Câmara.

Os secretários Bruno Schwambach (Desenvolvimento Econômico), André Longo (Saúde), Alberes Lopes (Trabalho, Emprego e Qualificação), Antonio de Pádua (Defesa Social), Rodrigo Novaes (Turismo) e Décio Padilha (Fazenda) participaram da reunião. O encontro aconteceu dois dias depois de um primeiro contato, na sexta-feira, realizado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico – SDEC com representantes das principais entidades da indústria e do comércio em Pernambuco. A SDEC encabeça o “Comitê de Articulação Estratégica” formado para articular ações conjuntas de enfrentamento aos efeitos da Covid-19 na economia.

Por parte da iniciativa privada, participaram do encontro representantes da Câmara de Dirigentes Lojistas – CDL, Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco – Fiepe, Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Pernambuco – Fecomércio/PE, Associação de Empresas do Mercado Imobiliário de Pernambuco – Ademi, Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Pernambuco – Sinduscon, Federação da Agricultura do Estado de Pernambuco-Faepe, Associação Brasileira da Indústria de Hotéis-ABIH, Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Porto de Galinhas-ABIH e Associação Brasileira de Bares e Restaurantes-Abrasel.

gov

Crédito: Heudes Reges

Pedido de suspensão da carreata foi feito pelo PSOL Surubim
Pedido de suspensão da carreata foi feito pelo PSOL SurubimFoto: Divulgação

O PSOL de Surubim conseguiu a suspensão da carreata organizada em defesa dos movimentos #VoltaBrasil e #OpovoQuerTrabalhar, que seria realizada neste domingo (29), no município do Agreste Pernambucano. Em ação impetrada pelo presidente municipal do partido, Alex Fernando da Silva, foi pedida a tutela de urgência para a não realização do evento. A carreata foi organizada através de grupos do WhatsApp e tinha saída programada para as 10h da manhã, no centro da cidade. A decisão tomada pelo juiz Paulo César Oliveira de Amorim é válida para todo o território estadual.

Em rede nacional, Jair Bolsonaro questionou isolamento social e outras menidas contra a Covid-19
Em rede nacional, Jair Bolsonaro questionou isolamento social e outras menidas contra a Covid-19Foto: Reprodução / Youtube

Um vídeo institucional da Presidência de Jair Bolsonaro (sem partido) encabeça uma campanha em defesa de uma política leniente com a propagação do novo coronavírus (Covid-19) no País. Nele, a volta ao trabalho fora do confinamento é estimulada, contrariando orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o tema. A peça foi distribuída, em forma de teste, na última sexta, para as redes bolsonaristas. A frase "O Brasil não pode parar", encerra cada trecho do vídeo. Além disso, o próprio presidente postou em sua conta em rede social o vídeo de uma carreata realizada em Santa Catarina contrária ao isolamento social. Várias outras carreatas ocorreram na sexta e também estão programadas para acontecer nos próximos dias, inclusive no Recife.

O próprio Bolsonaro questionou as estatísticas em torno do coronavírus. Ao ser questionado sobre as 68 mortes registradas em São Paulo, deu a entender que os números não eram reais, que estavam superdimensionados. “Tem que ver o que está acontecendo aí. Não pode ser um jogo de números para favorecer interesse político", disse o presidente em entrevista ao apresentador José Luiz Datena, da TV Bandeirantes. Ele também questionou as estatísticas italianas, dizendo duvidar das 919 mortes registradas nas últimas 24h.

A ofensiva de Bolsonaro, entretanto, contou com reação de deputados, governadores, prefeitos, parlamentares e do Ministério Público. Os governadores, inclusive, articulam uma campanha nacional por conta própria, em reação à propaganda lançada pelo governo de Bolsonaro. A ideia é criar peças publicitárias para confrontar a narrativa do presidente e colocar o cuidado com as vidas como o mais importante. Os governadores querem defender as decisões tomadas até agora e falam em revisões de acordo com a curva do avanço do coronavírus.

Em pronunciamento, na sexta, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), apesar de não citar nominalmente Bolsonaro, afirmou que "não dá pra voltar à vida normal no meio de uma pandemia" e frisou que "o Brasil precisa de um governo que faça o certo".

"Os governos federais, nos mais diversos países, têm tomado providências emergenciais para cuidar da saúde e da renda das pessoas. Em Pernambuco, temos feito todo o possível. Mas só o governo federal pode emitir dinheiro e realizar programas de renda para os trabalhadores. É assim no mundo. Não faz sentido, aqui, o governo federal procurar briga com os governadores e querer colocar as pessoas em risco, sem assumir ações efetivas dedicadas ao social e à economia", disse o governador, reiterando a recomendação do Governo do Estado, de manutenção do isolamento social, exceto em serviços de primeira necessidade. "Tentar negar ou adiar certas decisões, como o distanciamento social, custou muito caro, uma conta paga com vidas.

O Consórcio dos Governadores do Nordeste também se manifestou. Em carta, os nove governadores da Região afirmam que vão "continuar orientados pela ciência e pela experiência mundial, para nortear todas as medidas" no embate ao coronavírus. Criticam a "ausência de efetiva coordenação nacional" e sinalizam a busca de entendimento com os governadores de outras regiões e o Congresso Nacional. "De nossa parte, exigimos respeito por parte da Presidência da República, esperando que cessem, imediatamente, as agressões contra os governadores, assumindo-se um posicionamento institucional, com seriedade, sobre medidas preventivas".

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), também marcou posição diante da estratégia de Bolsonaro. "Mais de 50 países estão em quarentena. O mundo inteiro está errado e o único certo é o presidente Jair Bolsonaro?", disse Doria.

Estratégia
Para Antônio Lucena, cientista político e professor da Universidade Católica de Pernambuco, em sua estratégia, Bolsonaro busca “se eximir do impacto econômico gerado pela crise, jogar a conta no colo dos governadores e prefeitos e se mostrar defensor dos mais pobres”. “Mas é ele que tem a chave do cofre. Todos os governos centrais do mundo que promoveram medidas de isolamento, adotaram medidas econômicas paralelas a isso", pondera Lucena.

"O governo Bolsonaro não tem estratégia de combate à pandemia, em grande medida pela forma de pensar da equipe econômica. Em um momento como esse, não pode se preocupar em economizar, obviamente tem que empurrar a conta pra frente, mas você pode diluir isso ao longo do tempo", acrescenta.

Ainda de acordo com ele, diante da forma como Bolsonaro tem lidado com o panorama atual, não resta alternativa a não ser a sobreposição de vozes como a do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tomando a dianteira das resoluções. "Existe um protagonismo do Congresso e dos governadores, mas no caso dos governadores há limitações orçamentárias. Os estados não estão arrecadando, a arrecadação está em queda livre”, avalia.

Parlamento
Principal viabilizador das verbas federais para atender a necessidade dos governadores, Rodrigo Maia também se posicionou de forma contrária à campanha de retorno à normalidade durante o surto de coronavírus do presidente Bolsonaro. "Ou vamos seguir os exemplos de posições corretas - e decisões erradas geraram tragédias em outros países-, ou nós vamos navegar no escuro", afirmou Maia. "Como é navegar no escuro, a gente tem que rezar, e não vai sobrar nada que não seja rezar", afirmou Maia, em videoconferência realizada na sexta.

"O presidente tem uma posição, os governadores têm uma posição, nós temos uma posição. Então temos que tentar encontrar um denominador comum nas nossas posições para que a gente possa sinalizar à sociedade o mínimo de harmonia entre todos os entes federados e entre todos os Poderes", acrescentou o parlamentar.
Outros congressistas já procuraram a Justiça para suspender a campanha difundida pelo presidente. O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e os deputados federais Felipe Rigoni (PSB-ES) e Tabata Amaral (PDT-SP) ingressaram com uma ação na 13ª Vara Federal pedindo ainda o bloqueio das verbas públicas destinadas à sua consecução.

O Ministério Público Federal (MPF) foi ao Tribunal de Contas da União para cobrar explicações sobre a contratação de uma agência de publicidade sem licitação, para a execução da campanha, por R$ 4,9 milhões. A bancada do PSOL na Câmara dos Deputados, por sua vez, enviou ao MPF e ao procurador-geral da República, Augusto Aras, uma representação contra Bolsonaro pedindo a instauração de inquéritos civil ou criminal para apurar a "postura negacionista e irresponsável" do presidente da República em meio à pandemia do novo coronavírus. Por meio de carta, a Frente Nacional dos Prefeitos questionou a campanha "O Brasil não pode parar" e ameaça ir à Justiça para responsabilizar Bolsonaro por possíveis consequências da mudança do isolamento social.

Atritos
A cisão entre os governos estaduais e a União já atinge até o próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, - até pouco tempo uma voz dissonante do presidente Bolsonaro e defensor do confinamento da população como forma de prevenção -, tem adequado sua postura para se enquadrar no que é desejado pelo presidente e já começa a se desentender com secretários estaduais de saúde, como ocorrido em reunião, na sexta, por videoconferência, na qual o ministro manteve a retórica dos últimos dias, de que em vários estados e municípios, prefeitos e governadores agiram de forma precoce ao isolar a população em casa.

Os chefes estaduais têm atuado de forma articulada, sob a liderança não oficial de Doria, que administra o estado mais afetado pela crise. Dentro do grupo, entretanto, começam a existir dissidências, de governadores que buscam o caminho defendido por Bolsonaro. Na semana passada, em Santa Catarina, o governador, Comandante Moisés (PSL), anunciou a permissão de funcionamento de serviços autônomos, domésticos e prestados por profissionais liberais e a operação parcial de academias, shoppings, bares, restaurantes e comércio em geral, sinalizando que adotará o isolamento vertical, que prevê apenas idosos e pessoas que fazem parte dos grupos de risco confinadas em casa. Por meio de redes sociais, na tarde de ontem, o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM), entretanto, garantiu a manutenção do isolamento social na cidade ao menos até 8 de abril.

Os governadores do Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM) e de Rondônia, Marcos Rocha (PSL) seguem na mesma direção. O primeiro também enfrenta resistência do prefeito da capital, Emanuel Pinheiro (MDB). Nos três estados, os governos afirmam que as medidas podem ser adotadas desde que respeitadas determinações, entre elas a limitação da entrada de pessoas em 50% da capacidade do local e o respeito à distância mínima de 1,5 metro entre as pessoas. O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), é mais um partidário do afrouxamento no combate ao vírus, tendo anunciado nesta semana uma lista maior de estabelecimentos comerciais que poderão abrir as portas em meio à pandemia, apesar de resistência do governador do Estado, Wilson Witzel (PSC). Em Roraima, o governador Antonio Denarium (sem partido), aliado de Bolsonaro, ainda não decidiu se vai flexibilizar as regras. No Distrito Federal, o governador Ibaneis Rocha (MDB) anunciou a reabertura de lotéricas e lojas de conveniência.

Carreata
O movimento defensor de que "o Brasil não pode parar", iniciado por Bolsonaro, já apresenta ecos em várias cidades. No Recife, por meio das redes sociais, circula convocação para carreata na manhã da próxima segunda. Conforme o comunicado, sem assinatura de movimentos, empresários, comerciantes e motoristas de aplicativo devem partir do Marco Zero, no centro da cidade, em direção à Prefeitura do Recife e ao Palácio das Princesas. Entretanto, o poder público não deve agir de forma passiva.

O procurador-geral do Ministério Público de Pernambuco, Francisco Dirceu Barros, afirmou, na sexta, que vai orientar todos os órgãos de Justiça para que recomendem à Polícia Militar a apreensão dos carros que participarem do ato, baseado no decreto do governador Paulo Câmara (PSB), que proíbe eventos públicos e privados no Estado. “O MPPE não vai entrar em debate ideológico político. Existe um decreto que proíbe a aglomeração de mais de dez pessoas, então essas aglomerações não são permitidas, inclusive uma orientação do Ministério da Saúde e também de órgãos internacionais da saúde”, afirmou Francisco Dirceu.

Deputado federal Algusto Coutinho (SD)
Deputado federal Algusto Coutinho (SD)Foto: Divulgação

A bancada de Pernambuco no Congresso fechou o total de R$ 92,6 milhões para incremento ao Fundo Estadual de Combate ao Coronavirus, criado pelo governador Paulo Câmara (PSB) na última semana. “Este é um aporte essencial no momento que vivemos. É um dinheiro que vai contribuir com a preparação de uma estrutura capaz de enfrentar esta doença, a COVID19, e tratar os enfermos. Estamos em uma situação de pandemia e precisamos construir caminhos para sairmos juntos e salvos deste caos”, disse um dos coordenadores da bancada, o deputado federal Augusto Coutinho (Solidariedade). Também integra a coordenação da bancada o deputado Wolney Queiroz (PDT).

Coutinho se manteve em intensas articulações durante toda a semana. “Foi uma semana de articulações intensas. Desde a semana passada tenho conversando por telefone com o governador Paulo Câmara, com os deputados e com o Ministério da Saúde. O valor foi aumentando e chegamos a este número. Os deputados e senadores pernambucanos que se dispuseram a contribuir tiveram um papel fundamental, também”, acrescentou o deputado. A expectativa é de que os repasses comecem a ser destinados para o estado já na próxima semana.

Os recursos são oriundos do remanejamento de emendas impositivas da bancada dentro da Lei Orçamentária Anual (LOA) 2020, cujo total é de R$ 219,5 milhões. Além desses recursos os diversos parlamentares têm direcionado emendas individuais para incremento dos serviços de saúde em cidades do estado. “No meu caso, também vou destinar aproximadamente R$ 900 mil para fortalecer as secretarias de saúde de algumas cidades, entre elas Recife. Precisamos, a todo custo, evitar que o sistema entre em colapso e coloque em risco a vida, tanto de pessoas infectadas com o novo coronavirus, quanto de pacientes que eventualmente precisem de outros atendimentos emergenciais. Por isso esses remanejamentos são importantes”, acrescentou Augusto Coutinho.

Em cada kit entregue, constavam um borrifador com álcool, flanelas, luvas e máscaras
Em cada kit entregue, constavam um borrifador com álcool, flanelas, luvas e máscarasFoto: Divulgação

Na intenção de minimizar a transmissão do novo Coronavírus na cidade, a Prefeitura de Abreu e Lima distribuiu, na tarde desta sexta-feira (27), entre taxistas e kombeiros que fazem o transporte alternativo, 200 kits de higienização e limpeza, uma forma de diminuir, também, o contágio direto com os passageiros.

A ação fez parte de mais uma frente de trabalho realizada pelo Comitê de Combate ao Coronavírus, em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Mobilidade Urbana. Em cada kit entregue, constavam um borrifador com álcool, flanelas, luvas e máscaras. Os profissionais mostraram-se satisfeios com a iniciativa.

"A utilização do kit é para proteção do motorista e higienizar a parte interna dos veículos para proteger os passageiros contra o Covid-19. Orientamos os motoristas para que no fim de cada viagem faça a higienização interna dos seus veículos”, falou secretário de Desenvolvimento Econômico e Mobilidade Urbana, Julierme Monteiro. A secretária de Finanças, Cristiane Moneta, estava presente como coordenadora do Comitê.

Seguindo o protocolo, antes de iniciar o serviço, a equipe faz a higienização geral da viatura. Ao longo do dia, o processo é feito de acordo com a necessidade
Seguindo o protocolo, antes de iniciar o serviço, a equipe faz a higienização geral da viatura. Ao longo do dia, o processo é feito de acordo com a necessidadeFoto: Divulgação

O trabalho realizado pelas forças de segurança pública está entre os serviços essenciais que não podem parar. Se antes mesmo da pandemia do coronavírus chegar ao Brasil, a Guarda Civil Municipal (GCM) já trabalhava 24h por dia para reforçar a segurança da população de Petrolina, agora o trabalho foi intensificado. O efetivo escalado por plantão cresceu para garantir o cumprimento das medidas de prevenção à Covid-19. A rotina intensa de trabalho não é desculpa para que eles descuidem da saúde. Todos estão atentos aos cuidados necessários, por isto, higienizam as viaturas e as mãos com frequência durante antes e ao longo do plantão.

O inspetor chefe da Guarda Civil Municipal, Adroaldo Coelho, explica que todas as viaturas estão equipadas com o borrifador. “Sabemos que a maior arma que podemos dispor neste momento é água e sabão. Contamos com essa solução à base de água sanitária e sabão, que é reabastecida no decorrer do dia, para higienização do volante, câmbio e marcha, por exemplo”, explica.

Seguindo o protocolo, antes de iniciar o serviço, a equipe faz a higienização geral da viatura. Ao longo do dia, o processo é feito de acordo com a necessidade do agente de segurança pública. A recomendação é que repitam o processo sempre que for preciso sair do veículo.

A GCM está atuando em conjunto com as equipes de fiscalização do município para garantir o cumprimento dos decretos, que estabeleceram diversas medidas para reduzir o contágio pelo coronavírus, como a proibição da aglomeração de mais de 10 pessoas, fechamento das feiras, shopping, galerias e comércios que não são considerados essenciais, além do fechamento de bares e restaurantes. A Força Azul também tem o papel de conscientizar a população.

O descumprimento dessas medidas pode ser denunciado pela Central de Atendimento da Secretaria Executiva de Segurança Pública, 153 ou (87) 98106-7310 (WhatsApp), e pela Ouvidoria Municipal, no 156 ou (87) 99190-7475 (WhatsApp).

Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE)
Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE)Foto: Arthur Mota/Arquivo Folha

O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) está lançando um Plano de Contingenciamento para reduzir as despesas com pagamento de pessoal e aquisição de materiais e serviços. A Portaria n.13/2020, assinada pelo presidente do Judiciário estadual, desembargador Fernando Cerqueira, nesta quinta-feira (26/3), tem como objetivo garantir equilíbrio orçamentário e financeiro ao TJPE para enfrentar o cenário econômico diante dos efeitos da crise causada pelo novo Coronavírus, com impacto direto no Tribunal, procurando evitar cortes mais severos no futuro.

Entre as medidas anunciadas, estão o contingenciamento da aquisição de materiais de consumo; revisão dos contratos com a redução linear no percentual de 25% dos valores contratados; redução do quadro de terceirizados; suspensão da concessão de passagens aéreas; suspensão da concessão de diárias, exceto para deslocamento dentro do estado para manutenção, fiscalização e plantão judiciário, a critério da Presidência; suspensão do início de novas obras e reforma; e suspensão de novos projetos que resultem em aumento de despesa.

Também estão suspensas as nomeações de servidores, exceto para reposição; a tramitação do concurso de magistrados; o abono e a conversão de férias; todo e qualquer projeto que crie despesas com pessoal. Enquanto perdurar o regime diferenciado de trabalho remoto, ficam suspensos o pagamento do auxílio-alimentação, para magistrados e servidores; e o pagamento de auxílio-transporte, em virtude da ausência de necessidade de deslocamento para o trabalho.

A Secretaria de Gestão de Pessoas (SGP) e a Coordenadoria de Planejamento Estratégico (Coplan) também irão elaborar estudo técnico visando à redistribuição da força de trabalho em todo o Estado de Pernambuco. Já a Assessoria Técnica da Presidência deve apresentar, no prazo de 60 dias, estudo com vistas à extinção e/ou agregação de comarcas no âmbito do Estado de Pernambuco, tomando por base a relação custo-benefício decorrente de demanda pela prestação jurisdicional e nos termos da orientação do Conselho Nacional Justiça.

Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper)
Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper)Foto: Divulgação

Engajada no Comitê Estadual Socioeconômico de Enfrentamento ao Coronavírus, a Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper) acaba de estruturar uma central remota para receber doações em geral, tanto de pessoas físicas, reunidas em grupos, quanto de empresas. Por conta da pandemia, o Governo de Pernambuco está com várias frentes de trabalho abertas e, com essa ação, a Agência, que é ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, poderá contribuir para atender às maiores e urgentes necessidades da rede pública estadual. Para combater a disseminação do vírus são necessários, por exemplo, insumos e EPIs (máscaras, álcool gel e álcool líquido 70) e produtos de limpeza.

Os interessados em contribuir terão dois caminhos para escolher. Uma opção é indicar os produtos que tem disponíveis entrando em contato com a AD Diper pelo e-mail [email protected] A outra forma é comunicar-se pelos telefones 81 99488 2149 ou 81 99488 3777. Funcionários da Agência estarão a postos nesses dois canais para registrar as ofertas, direcionar os contribuintes para os locais da entrega direta nos depósitos do Governo de Pernambuco ou para agendar a retirada dos materiais nos endereços indicados pelos doadores, a depender da quantidade de produtos e urgência, já que a AD Diper possui frota de veículos com caminhão.

Antes mesmo de a central ser lançada, dez empresas instaladas em Pernambuco já abraçaram a causa e colaboraram com a central. Com o serviço no ar, a intenção é ampliar o número de apoiadores. Além disso, com a estrutura organizada, o serviço de identificação de doadores e respectivos produtos se tornará mais ágil e eficiente, fazendo com que as demandas dos serviços públicos possam ser atendidas com mais precisão.

Para cruzar as necessidades da rede pública estadual com a disponibilidade dos doadores, a AD Diper está trabalhando com monitoramento em tempo real e, a depender da quantidade dos produtos, poderá até fazer o transporte dos insumos, nos endereços indicados, até os depósitos que o Governo do Estado montou com tal finalidade.


Prefeita de Surubim, Ana Célia Farias (PSB)
Prefeita de Surubim, Ana Célia Farias (PSB)Foto: Divulgação/ Facebook

Na manhã desta sexta-feira (27), a prefeita de Surubim, Ana Célia, assinou o Decreto N°18, que reduz 30% do seu salário e do vice-prefeito, além de 10% dos vencimentos dos secretários municipais e do procurador municipal. A medida faz parte de uma série de ações que direcionam recursos para o combate à Covid-19 e à garantia da segurança alimentar da população mais vulnerável durante o enfrentamento da pandemia.

"Estamos vivendo um momento grave. Uma situação poucas vezes vista na nossa história, que vai exigir de nós muita união, muita determinação e sacrifício. Para que a gente possa vencer esse desafio, vai ser preciso que cada um faça a sua parte, e nós, gestores públicos somos os primeiros que precisam dar o exemplo", explicou a prefeita durante a assinatura do decreto.









assuntos

comece o dia bem informado: