Deputado federal Eduardo da Fonte
Deputado federal Eduardo da FonteFoto: Beto Oliveira/Sefot-Secom

Contemporizando a presença de integrantes do PP no evento do grupo de oposição Pernambuco Vai Mudar na última segunda-feira, o presidente estadual do partido, deputado federal Eduardo da Fonte, afirmou, nesta quarta-feira (13), que o partido ainda “não fechou questão” sobre o apoio na eleição de outubro, mas que realizará uma reunião em meados de julho para definir os rumos. O progressista ainda segue cobiçando uma das vagas do Senado Federal na chapa da Frente Popular e conta com o acordo com o PR, do deputado federal Sebastião Oliveira, de decisão conjunta.

Leia também:
Mendonça não descarta atrair Solidariedade e PP


Presentes no ato oposicionista, o deputado federal Marinaldo Rosendo (PP) e o vereador do Recife, Romero Albuquerque (PP), disse que foram com a anuência do presidente estadual. Eduardo da Fonte, por sua vez, disse que, como quadros com mandatos, não precisam de aval e que terão oportunidade de se manifestarem. “Eles foram eleitos, têm mandatos e terão direito a votos na reunião da Executiva estadual, mas vão seguir a maioria”, afirmou.

O presidente estadual voltou a negar que o partido esteja conversando com a oposição, como afirmaram correligionários e oposicionistas. “Só vamos discutir com a oposição, quando terminar as conversas com o governo”, disse Da Fonte. Entretanto, “as conversas com o governador Paulo Câmara (PSB) nem começaram”, acrescentou. Apesar dos diálogos estarem estacionados, socialistas acreditam na manutenção do PP no arco de aliança de Câmara.

Nos bastidores, comenta-se que, apesar deste aceno de progressistas para a oposição, o real interesse do partido é pressionar o governo estadual por mais espaço. O PP está na Frente Popular desde 2006, a primeira eleição do ex-governador Eduardo Campos, morto em 2014, ao Governo de Pernambuco. Antes, inclusive, do PT integrar a coligação, o que ocorreu anos depois.

Com base na representação de 14 deputados estaduais e dois federais, sendo o deputado estadual, Cleiton Collins, e o federal, Eduardo da Fonte, os mais votados nas eleições de 2014. Com base nisso, PP pleiteia a vaga no Senado Federal. Contudo, avalia-se que as vagas devem ficar com o deputado federal Jarbas Vasconcelos (MDB) e o senador Humberto Costa (PT), caso o PT se concretize a aliança. Esta, todavia, tem se arrastado e incomodado socialistas e aliados.

Ciro Gomes
Ciro GomesFoto: Divulgação

O pré-candidato à Presidência, ex-ministro Ciro Gomes (PDT), desembarca no início de julho, no Recife, para conversas com PSB e agendas de pré-campanha. O PDT está articulando reuniões e organizando palestras em universidades sobre conjuntura política nacional, como estratégia para difundir suas ideias e projetos para o Brasil. Enquanto isso, o pedetista segue articulando com outras legendas ao centro, como DEM e PP, e aguardando o PSB, sua aliança prioritária.

Leia também:
Ciro Gomes quer focar em segurança e redes sociais na tentativa de polarizar com Bolsonaro
Ciro Gomes e Jair Bolsonaro: Duas 'metralhadoras giratórias'
Ciro diz que não há negociação com o DEM, mas fala em unir amplas forças
Pedetistas defendem que Ciro "jogue em todas as frentes"
Ciro está certo ao buscar apoios em todos os lados


Apesar dos acenos do presidenciável e das conversas iniciais entre os presidentes nacionais de PSB, Carlos Siqueira, e do PDT, Carlos Lupi, as articulações entre os partidos ficaram no limbo, com a ofensiva do PT pelo apoio socialista à candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso há mais de dois meses. Terceiro colocado nas pesquisas , Ciro Gomes sinaliza para todos os lados.

O presidente estadual do PDT, deputado federal Wolney Queiroz, disse que não há incômodo pelo fato do PSB empurrar as negociações, mas que o PDT seguirá conversando com outras legendas. “Não há incômodo, porque a gente tem visão clara que cada partido tem seu tempo. O efeito colateral é o avanço de conversas com outros atores ao centro”, declarou Queiroz. “Nós vamos aguardar o tempo do PSB, sem prejuízo dessas outras conversas que Ciro vai ter simultaneamente”, acrescentou.

Com as indefinições no cenário nacional, PT, PDT e PSB possuem estratégias semelhantes nas articulações de alianças nacionais: fechar alianças regionais primeiro. Enquanto petistas e socialistas costuram em 11 estados, pedetistas e socialistas articulam em 16. “Os palanques locais terão peso fundamental na decisão do partido”, ponderou o deputado federal Danilo Cabral, um dos vice-presidentes nacionais do PSB.

Hoje, a sigla trabalha com as tendências de apoiar uma das duas legendas ou liberar os diretórios estaduais. O PSB, contudo, empurrou os debates internos para o final de junho. Cabral destacou que o partido trabalhará com o prazo legal e com maturidade para decidir qual rumo tomar. Mas avalia que se Ciro fizer “opção pelo campo político conservador, afastará o outro campo”.

Nos últimos dias, DEM e PP foram especulados como opções de aliança para Ciro, que negou. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), também presidenciável, disse que não havia conversa com Ciro, mas sinalizou para uma aliança no segundo turno. Caso Maia desista, o candidato preferencial é o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).

Um progressista confirmou que aconteceram conversas entre PP e PDT, mas que hoje o diálogo está estacionado. O PP liberou os diretórios estaduais para fechar os apoios que julgarem pertinentes, mas haverá uma reunião adiante para deliberar o apoio nacional. Diante disso, as articulações nacionais seguem em compasso de espera.

Deputado federal Marinaldo Rosendo (PSB)
Deputado federal Marinaldo Rosendo (PSB)Foto: Divulgação

O deputado federal Marinaldo Rosendo (PP) afirmou, por meio de nota, nesta quarta-feira (13), que sua defesa recebeu com naturalidade a remessa do inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) ao primeiro grau. O Blog da Folha trouxe, nesta terça, que o Tribunal remeteu à Justiça Estadual inquérito que envolve o parlamentar. Ele é investigado por supostas contatações irregulares e despesas com pessoal acima do limite legal quando prefeito de Timbaúba, na Zona da Mata pernambucana. A defesa do parlamentar também declarou que ficará provada a ausência de qualquer irregularidade no período em que ele esteve no comando do Executivo municipal.

Leia também:
STF remete inquérito de Marinaldo Rosendo para Timbaúba


De acordo com a defesa do deputado, "a decisão do Supremo é um desdobramento da restrição do foro privilegiado para deputados federais e senadores em relação a crimes supostamente praticados no exercício do mandato parlamentar".

Ainda segundo o advogado Tyago Vázquez, que defende Marinaldo Rosendo, em qualquer grau de jurisdição "ficará provada a ausência de qualquer irregularidade no período que Marinaldo foi prefeito de Timbaúba, pautando-se sempre pela probidade administrativa e zelo com a coisa pública".

Gustavo Negromonte e José Neto devem assumir secretarias do Governo do Estado
Gustavo Negromonte e José Neto devem assumir secretarias do Governo do EstadoFoto: Divulgação

A reforma do secretariado segue a conta-gotas. Um mês após oficializar André Campos (PSB) na Casa Civil, o Palácio do Campo das Princesas publicou, nesta quarta-feira (13), no Diário Oficial do Estado, as nomeações de José Neto como chefe de gabinete do governador Paulo Câmara (PSB) e do ex-deputado estadual Gustavo Negromonte (MDB) como secretário-executivo da Casa Civil, função exercida por Neto. O ex-deputado vai trabalhar junto com Campos na articulação política do governo.

As alterações já vinham sendo especuladas desde o início de abril, quando diversos membros do governo se desincompatibilizaram para disputar as eleições de outubro. José Neto já era dado como certo na chefia de gabinete, enquanto Negromonte, que deixou o mandato estadual, passou a ser ventilado nas últimas semanas.

Com o objetivo de impulsionar a participação e a representatividade de mulheres em espaços políticos, dentro e fora do partido, a Secretaria Nacional de Mulheres do PT lança, nesta quinta-feira (14), o projeto Elas por Elas em Pernambuco. O lançamento, que ocorre a partir das 18h, na sede da legenda, reunirá lideranças petistas locais e nacionais, além da presença das pré-candidatas do PT aos cargos Legislativo e Executivo nas eleições de 2018.

Leia também:
Cinco mulheres lançam candidatura coletiva a deputada estadual em Pernambuco


Pesquisa “Estatísticas de gênero – Indicadores sociais das mulheres no Brasil”, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) este ano revelou que o Brasil possui apenas 10% de parlamentares mulheres e 16% de senadoras. Em um total de 192 países analisados, o Brasil está na posição 152 no quesito representatividade feminina nos espaços políticos, atrás de nações como Senegal, Equador e Etiópia.

Nesse sentido, o Elas por Elas busca se colocar como uma resposta à desigualdade de gênero instalada no País, de acordo com o partido. O projeto foi inaugurado nacionalmente em abril, em Curitiba, com a presença de lideranças políticas como a senadora e presidente nacional do partido, Gleisi Hoffman, e a ex-presidente Dilma Rousseff. A iniciativa já foi lançada em outros estados brasileiros, como Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Acre e Rio Grande do Sul.

O primeiro momento do projeto compreende a formação das pré-candidatas, no sentido de dar apoio institucional a elas. Posteriormente, no período de campanha haverá orientação com profissionais do direito e da contabilidade para dar sustentação a essas candidaturas.

“O Elas por Elas é um projeto de iniciativa da Secretaria Nacional de Mulheres do PT e tem como objetivo formar mulheres que vão concorrer ao Executivo e Legislativo nas eleições de 2018”, explica a secretária de Mulheres do PT-PE, Suely Oliveira. Para ela, é fundamental que as candidatas defendam pautas consoantes com um “feminismo popular e socialista”. “A gente precisa de mulheres que nos representem enquanto antirracistas, defensoras da população LGBT e que estejam com a gente na luta. Porque, para o PT, representatividade importa”, avalia.

“Somos o único partido que garante paridade de gênero nos espaços internos de decisão”, afirma Raísa Rabelo, assessora política do projeto do Estado. “Há um imenso problema, não por falta de vontade das mulheres de ocuparem os espaços da política e de poder, mas também por falta de apoio partidário”, continua. Para ela, o Elas por Elas representa mais um avanço e um instrumento de compromisso do PT para com as candidaturas de mulheres.

“O incentivo precisa passar por questões de orientação, formação, comunicação, marketing e informações jurídicas”, diz Aline Fagundes, assessora política do projeto em Pernambuco, ao enumerar as atribuições da proposta.

O senador Fernando Bezerra Coelho com os candidatos da oposição: Mendonça Filho (Senado) e Armando Monteiro Neto (Governo do Estado)
O senador Fernando Bezerra Coelho com os candidatos da oposição: Mendonça Filho (Senado) e Armando Monteiro Neto (Governo do Estado)Foto: Anderson Stevens

Três dias após o anúncio da chapa majoritária da Frente das Oposições, os pré-candidatos a governador e senador pelo grupo, Armando Monteiro Neto (PTB) e Mendonça Filho (DEM), respectivamente, darão início a visitas aos municípios de Petrolina e Salgueiro, no Sertão. O roteiro tem início nesta quinta-feira (14) e segue até o sábado (16) e tem como objetivo ouvir demandas e sugestões para formatação do futuro programa de governo. Na agenda dos oposicionistas, reuniões com entidades civis, produtores, trabalhadores, empresários e encontros com lideranças políticas.

Leia também:
Com chapa oficializada, oposição cai em campo
Frente das Oposições lança chapa majoritária


O primeiro município a ser visitado é Petrolina, onde Armando Monteiro Neto e Mendonça Filho serão recepcionados pelo prefeito Miguel Coelho (PSB) e pelo senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), além do deputado federal Fernando Filho (DEM) e lideranças locais. Na programação do grupo está visita ao bispo de Petrolina, Dom Francisco Canindé, e encontro com produtores e exportadores da fruticultura.

O senador Fernando Bezerra Coelho, que recepcionará os pré-candidatos, chegou a ser cogitado para assumir a cabeça da chapa majoritária, mas problemas jurídicos impediram o parlamentar de ocupar o posto. Ele, inclusive, chegou a manifestar esse desejo no dia do lançamento das pré-candidaturas, na última segunda-feira (11).

Na sexta-feira (15), a agenda continua em Petrolina. O petebista e o democrata visitam obras da Prefeitura pela manhã e têm encontro com técnicos da Embrapa, Instituto Federal do Sertão, Univasf e Codevasf. À tarde, a agenda segue com reunião com trabalhadores rurais, no Sindicato dos Trabalhadores Rurais do município. Em seguida, os pré-candidatos conversarão com empresários ligados à CDL/Sindilojas e participam da abertura oficial do São João da cidade.

No sábado (16), os pré-candidatos seguem para o Sertão Central. Armando Monteiro Neto e Mendonça Filho, acompanhados do senador Fernando Bezerra Coelho e parlamentares, participarão de Encontro de Salgueiro com lideranças políticas e sociais, organizado pelo prefeito Clebel Cordeiro (MDB).

Danilo Cabral (PSB)
Danilo Cabral (PSB)Foto: Sérgio Francês/Divulgação

Presidente da Comissão de Educação da Câmara Federal, Danilo Cabral (PSB) apresentou, nesta quarta-feira (13), uma Proposta de Carta Compromisso para ser entregue aos pré-candidatos à Presidência da República nas eleições deste ano. A ideia é que os presidenciáveis sejam convidados a receber o documento na Casa legislativa posteriormente.

De acordo com o parlamentar, o documento agrega as principais demandas com as quais os candidatos devam se comprometer a priorizar no seu governo. Um dos principais pontos da proposta é o comprometimento com o cumprimento do Plano Nacional de Educação, colocando-o como referência principal para a formulação e para o aprimoramento de políticas públicas.

“(A atitude) é necessária para ressaltar a importância do PNE, que não está sendo cumprido como deveria. Os presidenciáveis estarão se comprometendo diretamente com as metas, e iremos cobrá-los sobre isso”, ressaltou o parlamentar.

As contribuições dos parlamentares para a carta podem ser enviadas até sexta-feira (15). Ela será votada na próxima reunião deliberativa.

Ainda na reunião foi discutido o corte do governo nas bolsas educacionais de indígenas e quilombolas. “Essa é uma pauta que já está sendo debatida e precisamos reforçar, junto ao Ministério da Educação, a regularização dessas bolsas para os estudantes”, defendeu.

Bonecos simbolizam o trio de forró
Bonecos simbolizam o trio de forróFoto: Patrick/Wikimedia Commons

A Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados discute nesta quarta-feira (13) o processo de registro do forró como patrimônio cultural do Brasil. O debate foi proposto pelos deputados do PCdoB, Daniel Almeida (BA) e Luciana Santos (PE). A audiência será realizada no plenário 10, após a reunião ordinária da comissão marcada para as 14h30, e poderá ser acompanhado ao vivo pelo WebCamara.

Segundo os parlamentares, a Constituição de 1988 ampliou consideravelmente o conceito de patrimônio cultural, ao incorporar os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto. Assim, além de monumentos históricos e sítios arqueológicos, as manifestações artísticas, como festas também fazem parte do patrimônio cultural brasileiro.

   Registro

Em 2000, o governo federal editou o Decreto 3.551, que institui o registro de bens culturais de natureza imaterial que constituem patrimônio cultural brasileiro. Desde então, diversos bens culturais já foram registrados em livros específicos, entre eles o samba. Nada mais justo, na opinião de Daniel Almeida e Luciana Santos, que o forró receba o mesmo tratamento.

O reconhecimento do forró como patrimônio cultural imaterial, segundo os deputados, foi solicitado em 2011. “Estamos convictos de que o reconhecimento do forró como patrimônio cultural imaterial brasileiro aponta para o fato de que a maior riqueza de nosso País não se resume à exuberância da natureza, nem às dimensões continentais do território nacional, mas se concentra na cultura de nosso povo que, em meio à adversidade e à pobreza a que está submetido, consegue manter viva essa bela tradição cultural nordestina: o forró”, afirmam os parlamentares no pedido para realização dessa audiência.

Foram convidados para participar da discussão, entre outros: a coordenadora do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Marina Duque Coutinho de Abreu Lacerda; e a representante da Sociedade dos Forrozeiros de Pernambuco Tereza Acioly.

Valter Casimiro
Valter CasimiroFoto: Pedro França/Agência Senado

O ministro dos Transportes, Portos e Aviação, Valter Casimiro, visitará o município de Petrolina, no Sertão, nesta quinta-feira (14). Na cidade sertaneja, o auxiliar do presidente Michel Temer (MDB) anuncia um pacote de investimentos. O ato está marcado para às 10h.

Valter Casimiro e o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, assinam, na ocasião, a ordem de serviço para a construção de viadutos na Avenida Sete de Setembro. Também será anunciado o projeto do Porto Hidroviário para a orla da cidade.

Governador Paulo Câmara
Governador Paulo CâmaraFoto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

A partir desta quarta-feira (13) até a sexta, vereadores de todo o Brasil se reunirão no município de Bonito para mais uma edição do encontro nacional da União de Vereadores do Brasil (UVB). A intenção do encontro é reunir os parlamentos municipais para discutir questões referentes à gestão Administrativa das Câmaras, o empoderamento da mulher, a transparência dos atos públicos e a judicialização da política. Além de debater a atual conjuntura política do País.

O evento contará com a presença de pré-candidatos, como o governador Paulo Câmara (PSB), a ex-ministra Marina Silva (Rede), e a vereadora Marília Arraes (PT). A programação do evento, que conta com palestras e discussões, trará um painel sobre reforma trabalhista e seus impactos.

Ao lado de outras personalidades políticas, o presidente do TCE-PE, Marcos Loreto, o prefeito de Bonito, Gustavo de Albuquerque Cesar, e o presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), Guilherme Uchôa (PSB), também estão escalados para compor a mesa oficial de abertura.

Em ano eleitoral, os parlamentares das Câmaras municipais são considerados excelentes cabos eleitorais por conta da relação de proximidade com os eleitores.

comece o dia bem informado: