Foram encontrados 304 resultados para "Agosto 2017":

Pixuleco foi erguido na subida da Ponte Paulo Guerra, no Pina
Pixuleco foi erguido na subida da Ponte Paulo Guerra, no PinaFoto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Aproveitando a passagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Estado, integrantes do Movimento Vem pra Rua fizerem um protesto na manhã desta sexta-feira (25) cobrando a punição do petista, em “repúdio à campanha antecipada” e “para mostrar que ele não é bem vindo na nossa cidade!”.

Um pequeno grupo inflou um boneco gigante do ex-presidente vestido de presidiário, que ganhou o apelido de Pixuleco, durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Portanto bandeiras do Brasil, faixas em apoio à Operação Lava Jato, os manifestantes também faziam um pedido aos motoristas que se dirigiam em direção à Ponte Paulo Guerra, no Bairro da Cabanga: “Buzine”, trazia a inscrição na faixa.

"Recife mostrando como se recebe um condenado e réu em 7 processos! Cadê o TSE? Como pode um condenado estar fazendo campanha antecipada! Isso é um acinte à população nordestina", anunciava um texto postado numa rede social.

Lula e Dilma ao receberem os presentes
Lula e Dilma ao receberem os presentesFoto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) foram presenteados, nesta sexta-feira (25), com  'souvenirs' de Porto de Galinhas, durante ato em Ipojuca. Os bonecos, em forma de bibelô, são duas galinhas, símbolos do distrito praiano.

O bibelô entregue a Dilma traz um terninho azul e uma bolsa preta no braço. Já o dado a Lula tem o cabelo grisalho e carrega uma bandeira vermelha com uma estrela no meio. A atividade em Ipojuca faz parte da agenda do líder petista em caravana que passar por Pernambuco.

O ex-presidente Lula (PT), o senador Armando Monteiro (PTB) e o deputado federal Silvio Costa (PTdoB)
O ex-presidente Lula (PT), o senador Armando Monteiro (PTB) e o deputado federal Silvio Costa (PTdoB)Foto: Divulgação

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aproveitou sua passagem por Pernambuco e se encontrou com o senador Armando Monteiro Neto (PTB), durante uma café da manhã, nesta sexta-feira (25), no hotel em que o petista está hospedado, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife.

Leia também:
Lula se reunirá com Armando Monteiro em Pernambuco
Lula se reúne na casa dos Campos no Recife com Renata e socialistas
Lula: Em PE, não confundo relação política com relação pessoal


No encontro, Armando e Lula fizeram uma análise da conjuntura nacional e do processo político regional. "Todas as vezes que o ex-presidente Lula vem a Pernambuco nunca deixei de recebê-lo, de visitá-lo. Nossas relações são políticas, mas também pessoais. E esse encontro se insere nesse contexto", disse o petebista.

O senador destacou que a relação entre os dois vem de muito tempo, através de sua família. O petebista também frisou a amizade entre Lula e o ex-ministro Armando Monteiro Filho, pai do parlamentar. “Temos uma relação de amizade, de civilidade e de companheirismo que sempre existiu e não mudaria agora. Continuamos a manter a melhor relação com o ex-presidente”, disse Armando Monteiro.

O encontro entre Armando Monteiro Neto e do ex-presidente Lula ocorre na manhã seguinte ao encontro entre o petista e a família Campos. Ainda nesta manhã, Lula afirmou que, em Pernambuco, eu não confunde a relação política com a relação pessoal.

Ex-presidente Lula ladeado da ex-presidente Dilma Roussff, ambos do PT
Ex-presidente Lula ladeado da ex-presidente Dilma Roussff, ambos do PTFoto: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) esteve acompanhado de comitiva durante a manhã. Ao sair do hotel Atlante Plaza, na Avenida Boa Viagem, Zona Sul do Recife, para se dirigir ao ônibus e seguir para Ipojuca, o cacique petista contou com a presença de correligionários, aliados e apoiadores.

Leia também:
Militantes aguardam Lula em Ipojuca
Renan me ajudou a governar, diz Lula no Recife
Lula: Em PE, não confundo relação política com relação pessoal


Entre os presentes na comitiva, o senador Humberto Costa (PT), o ex-prefeito João Paulo (PT), o deputado estadual Odacy Amorim (PT) e a vereadora Marília Arraes (PT). Também acompanharam a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e o deputado federal Silvio Costa (PTdoB-Avante).

Além de políticos que acompanharam o petista, alguns curiosos e apoiadores do ex-presidente o aguardavam do lado de fora. Algumas pessoas portavam bandeiras e camisas da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e do MST.

Mais cedo, o ex-presidente concedeu entrevista a meios de comunicação da mídia independente de Pernambuco.

Lula e Renata Campos com a foto do ex-governador Eduardo Campos ao fundo
Lula e Renata Campos com a foto do ex-governador Eduardo Campos ao fundoFoto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Durante entrevista concedida na manhã desta sexta-feira (25), no Recife, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) falou da relação com a família Campos. O petista fez uma visita aos familiares do ex-governador Eduardo Campos (PSB), na noite da última quinta-feira (24), no dia do aniversário de 25 anos da primogênita de Eduardo e Renata Campos, Maria Eduarda. Segundo o ex-presidente, no Estado, ele não confunde a relação política com a pessoal.

Leia também:
Militantes aguardam Lula em Ipojuca
Renan me ajudou a governar, diz Lula no Recife


Ao falar que não via problemas em se encontrar com forças políticas de campos diferentes, Lula disse não ver problemas. O líder petista disse nunca ter rompido politicamente com uma pessoa para romper pessoalmente.

“Aqui em Pernambuco, eu não confundo a minha relação política com minha relação pessoal. Se tem uma coisa que eu respeito é minha relação pessoal. Eu nunca rompi politicamente com uma pessoa para romper pessoalmente. Amizade é uma coisa, política é outra”, disse.

“Todo mundo sabe da minha relação com o Eduardo Campos, todo mundo sabe da minha relação com a família desde o tempo do Arraes. Tempo de Magdalena. Sabe, eu quero manter essa relação independentemente do partido que eles forem, da posição política”, disse.

O encontro entre o ex-presidente Lula e a ex-primeira-dama Renata Campos ocorreu na casa da família, no bairro de Dois Irmãos, na Zona Norte. Na ocasião, o petista se encontrou o governador Paulo Câmara (PSB), o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), o presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, e o deputado federal Tadeu Alencar (PSB). As lideranças do PT de Pernambuco não acompanharam o ex-presidente no encontro.

Lula concedeu entrevista ao lado da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e da senadora Glesi Hoffmann (PT)
Lula concedeu entrevista ao lado da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e da senadora Glesi Hoffmann (PT)Foto: Reprodução do Facebook

Antes de seguir para Ipojuca, onde cumpre mais uma agenda das atividades por Pernambuco, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) concedeu entrevista, na manhã desta quinta-feira (25), para a mídia independente de Pernambuco. O petista falou sobre a política de alianças e afirmou que está convencido que a aliança política continua necessária no País. O petista também declarou que o senador Renan Calheiros (PMDB-RR) o ajudou a governar o Brasil.

“Eu estou convencido que a aliança política continua necessária. Deixa eu falar uma coisa para as pessoas entenderem. O Renan pode ter todos os defeitos, agora o Renan me ajudou a governar esse País. Se ele cometeu algum erro - e eu sou da opinião do seguinte, que todo mundo é inocente até que se prove o contrário. Olha, se eu quero pra mim a inocência até que se prove o contrário eu tenho que querer para os outros também. E o Renan me recebeu em Penedo, Renan foi no título Doutor Honoris Causa, o filho dele foi junto. Não vejo nenhum problema”, disse Lula, ao ser questionado sobre as movimentações com lideranças políticas durante a caravana pela região Nordeste.

O ex-presidente também citou José Sarney (PMDB-AP) e disse ser grato ao peemedebista. “Eu sou grato ao Sarney como presidente do Senado. Eu sou grato. Teve um tempo que as pessoas queriam que eu rompesse com o Sarney e eu ia ganhar de presidente o Marconi Perilo. Ora, você vai deixar de ter um tubarãozinho manso para ter um tubarão novo mordendo até o pé. Eu acho que você tem que medir essa decisão em cada momento. Você não precisa fazer um acordo definitivo. Você pode fazer acordos pontuais. Em cima de cada projeto”, disse o cacique petista.

Lula também falou sobre o desejo de mais força da esquerda no Brasil: “Eu gostaria que a esquerda tivesse mais força, que cada partido, o PCdoB elegesse 50 deputados, que o PSOL elegesse 50, 60, que o PSTU elegesse 50, 60. Que a esquerda do PMDB elegesse 50, 60. Mas quem vota é o eleitor. E quando eleitor vota nós temos que nos subordinar ao desejo das urnas. A única coisa que eu peço é que nessa eleição de 2018 nós vamos ter que ser mais cuidadoso com o nosso discurso para melhor orientar a população para votar”, disse.

O ex-presidente participou da entrevista ao lado da presidente nacional do PT, sendora Glesi Hoffmann, e da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). A entrevista foi transmitida ao vivo na Universitária FM e nas páginas da Marco Zero Conteúdo e do programa Fora da Curva no Facebook.

Ainda nesta sexta-feira, Lula realiza ato, na parte da tarde, no Pátio do Carmo, no Centro do Recife.

Isaltino Nascimento, deputado estadual
Isaltino Nascimento, deputado estadualFoto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Depois de o senador Armando Monteiro Neto (PTB) ocupar a tribuna do Senado para condenar os índices de violência no Estado, o líder do Governo Paulo Câmara na Assembleia Legislativa, Isaltino Nascimento (PTB), rebateu as críticas do petebista. Para o socialista, o senador “apenas denuncia” e “não propõe nada”.

“O senador deveria analisar que a contribuição que tem dado para o programa de desnacionalização do Brasil, para a quebradeira do modelo previdenciário, a privatização desenfreada e irresponsável. A retirada de direitos dos brasileiros pode, certamente, não contribuir para a melhoria dos índices da violência em Pernambuco”, destacou Isaltino.

De acordo com o líder governista, a oposição tem o papel de criticar e cobrar, mas também de propor alternativas para resolver os problemas denunciados.

“Mas o discurso do senador não surpreende, e chega até ser incoerente, uma vez que vem defendendo ultimamente tudo o que está sendo proposto pelo Governo Federal em matéria de corte de direitos”, complementa o líder.

Sobre os números apresentados pela Secretaria de Defesa Social, o socialista ressalta a “seriedade, o compromisso e a prioridade” empenhado pelo Governo de Pernambuco na gestão da segurança pública.

Leia também:
Armando vê descontrole na área de segurança em Pernambuco 

“O governador Paulo Câmara tem se mostrado incansável na busca por mais proteção e firmeza ao conduzir os problemas nessa área”, defendeu Isaltino. O deputado afirma também que o tempo é de torcer pelo Estado, de contribuir com ideias e apresentar propostas para fortalecer Pernambuco em todos os setores.

Dados
Segundo os dados da SDS, em 2017 foram mais de 13 mil pessoas detidas, sendo 1.355 homicidas retirados de circulação. Operações integradas das polícias estão sendo realizadas em todas regiões do Estado, com foco na desarticulação de grupos de extermínio.

As investigações de CVLIs foram descentralizadas para todas as delegacias. O maior policiamento nos principais corredores tem baixado os crimes contra o patrimônio (a exemplo dos assaltos a transeuntes), roubos e furtos de veículos, estupros e violências contra as mulheres.

“No momento de crise, arrocho fiscal e econômico, muitos estados estão em piores condições que a nossa e não conseguem sequer honrar folha de pagamento”, analisa Isaltino.

Lula encontra membros da família Campos
Lula encontra membros da família CamposFoto: Cecília Ramos/ Instagram

Sem lideranças do PT pernambucano e após agenda intensa no Recife desde o fim da tarde, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniu, na noite desta quinta-feira (24), com a viúva do ex-governador Eduardo Campos, Renata Campos, e políticos do PSB. O encontro durou cerca de duas horas, e o político saiu do local sem falar com a imprensa.

Lula chegou por volta das 21h30 à residência da família Campos, no bairro de Dois Irmãos, na Zona Norte do Recife. Ele chegou em meio à festa de aniversário da filha de Eduardo e Renata, Eduarda, que completa 25 anos.

Vestindo uma camisa branca, Lula chegou de forma discreta, acompanhado da viúva do ex-governador petista de Sergipe, Marcelo Déda, além de assessores, num carro Fusion. Ele não deu entrevista.

Na casa, já se encontravam o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, e o prefeito do Recife, Geraldo Julio, entre outros políticos ligados ao PSB, partido da família Campos. Ao final, ele se despediu de forma calorosa e amistosa da família (veja o vídeo).


Cais do Sertão e Boa Viagem
A visita de Lula no Recife esta quinta começou com uma ida ao Cais de Sertão, no Bairro do Recife, no fim da tarde. Depois, em hotel em Boa Viagem, na Zona Sul da cidade, o ex-presidente petista se reuniu com representantes do programa Mais Médicos. Também teve um encontro com atores, artistas plásticos e teatro ligados à cultura pernambucana - entre os presentes, estava a atriz Maeve Jinkings.

Do lado de fora do hotel, manifestantes pró e contra Lula faziam um duelo de gritos e faixas. Em meio a esse clima, houve um incidente envolvendo manifestantes e a Polícia Militar - um policial chegou a dar uma rasteira [veja o vídeo].

A ex-presidente Dilma Rousseff deve chegar esta quinta também ao Recife, mas não há, segundo a assessoria do sendor petista Humberto Costa, previsão de encontro com Lula ainda hoje - a expectativa é de se encontrem nesta sexta-feira (25).

Leia também:
Na saída, Lula é festejado pela juventude do PT
Ex-presidente Lula chega ao Cais do Sertão
Princípio de tumulto é registrado perto do Cais do Sertão
Movimentação é tranquila no entorno do Cais do Sertão
[Fotos] Confira imagens da passagem de Lula pelo Recife

Agenda em Pernambuco
O político veio a Pernambuco depois de passar pela Bahia, Sergipe e Alagoas. É que a agenda batizada de “Caravana Lula pelo Brasil” agora está focada no Nordeste. Na sexta-feira (25), às 10h, Lula vai ao município de Ipojuca, no Litoral Sul, para participar de ato em defesa da indústria petrolífera e naval, na faculdade Fajolca. 

Às 16h, o ex-presidente comandará ato no Pátio do Carmo, no Centro do Recife, organizado pela Frente Brasil Popular PE. A ideia é protestar contra o governo Michel Temer e suas reformas , além de defender as diretas já e a Constituinte. 

Já no sábado (26), Lula irá ao bairro de Brasília Teimosa, na Zona Sul da capital, comunidade que passou por obras de requalificação durante o governo do petista, com retirada das palafitas e construção da orla. O local é considerado, pelo partido, como símbolo do combate à pobreza.

Depois o político seguirá para João Pessoa, na Paraíba. No dia 31 de agosto, próxima quinta-feira, a Caravana Lula pelo Brasil volta a Pernambuco, ao Sertão do Araripe, passagem entre o Ceará e o Piauí.

Tumulto após atuação da Polícia Militar em Boa Viagem
Tumulto após atuação da Polícia Militar em Boa ViagemFoto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Em meio a manifestações que acontecem na noite desta quinta-feira (24), pró e contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em frente ao hotel em que ele está hospedado, em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, uma cena chamou a atenção. Ao tentar intervir durante uma ação da Polícia Militar (PM), o estudante de pedagogia Fabian Monteiro, 26 anos, leva uma rasteira de um agente.

O manifestante esteve mais cedo no Cais do Sertão, no Bairro do Recife, para acompanhar a vista de Lula e tinha acabado de chegar em Boa Viagem, quando estava acontecendo mais uma discussão entre os favoráveis e contrários ao petista.

Leia também:
[Fotos] Confira imagens da passagem de Lula pelo Recife
Entrevista exclusiva: Lula não descarta aliança com o PSB


"Eu desci do Uber e vi o policial indo em direção à mulher e fui defender ela, quando levei a rasteira. Essa violência acontece todo dia na favela. A Polícia mata. Vou ainda analisar se vou denunciar ele na delegacia", disse Fabian Monteiro.

A discussão acontece entre os dois grupos - um contrário, com cerca de dez pessoas, e outro a favor, com cerca de 25 pessoas, entre eles, militantes do PT como o estudante de pedagogia.



Outro lado
O major do 19º BPM Paulo Matos disse à reportagem da Folha que o uso da força foi um recurso utilizado para imobilizar o jovem, o que não configuraria agressão. Ele disse também que, desde o começo, vem conversando com os militantes, fez a linha de policiais para separar os grupos, que os militantes do PT ultrapassaram esse limite para agredir os que estão contra Lula. Segundo o major, o spray de pimenta acabou, precisando, assim, usar a força (imobilização) para conter o tumulto.

A PM conta com 15 policiais no local para a ação. O major Paulo Matos solicitou reforço.

Com informações de Luna Markman, do Portal FolhaPE.

Ex-presidente Lula é saudado pelos militantes na chegada ao Atlante Plaza. Opositores protestaram
Ex-presidente Lula é saudado pelos militantes na chegada ao Atlante Plaza. Opositores protestaramFoto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a sua comitiva chegaram por volta das 19h15 ao Atlante Plaza Hotel, Boa Viagem, para cumprir o segundo compromisso do dia na sua passagem por Pernambuco.

No hotel, Lula vai se encontrar com profissionais de saúde ligados ao programa Mais Médicos, gestado durante o governo de Dilma Rousseff.

O encontro foi um pedido dos próprios médicos, que são da região e de Cuba, que querem conversar sobre o corte de verba do programa e até mesmo a possível extinção do programa durante o governo do presidente Michel Temer. A reunião contará com 50 pessoas.

Há a possibilidade de Lula pode encontrar profissionais da cena cultural local, como o cineasta Kleber Mendonça.

 

Confronto
Homens do Grupo de Apoio Tático Itinerante (Gati) dividiram dois grupos que discutiram quando o ex-presidente desceu do ônibus.

Os adversários do petista o chamavam de “ladrão” e afirmavam que ele não era bem vindo ao Estado. Os militantes petistas defendiam, chamando os opositores de “fascistas”. Não houve agressões físicas, apenas troca de ofensas continua.

No carro, motoristas que passam buzinam, xingaram ou apoiaram.

Com informações de Luna Markman, do Portal Folha PE

assuntos

comece o dia bem informado: