Foram encontrados 4 resultados para "Bolsonaro":

Passada as eleições de 2018, o PSL de Pernambuco está sendo acusado de ter criado uma candidata laranja no Estado para receber R$ 400 mil de dinheiro público nas eleições de 2018. A informação foi publicada em reportagem da Folha de S.Paulo ontem.

Segundo o jornal, Maria de Lourdes Paixão, de 68 anos, foi a terceira maior beneficiada com a verba do partido do presidente Jair Bolsonaro em todo o País. Ela, que concorreu a deputada federal, teve apenas 274 votos.
O dinheiro do fundo partidário do PSL, diz a Folha de S.Paulo, foi enviado pela direção nacional da sigla para a conta da candidata no dia 3 de outubro, quatro dias antes do primeiro turno da eleição.

A prestação de contas de Lourdes Paixão no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aponta que 95% dos R$ 400 mil foram gastos em uma gráfica para imprimir 9 milhões de santinhos e cerca de 1,7 milhão de adesivos. A candidata laranja é secretária administrativa do PSL em Pernambuco.

A candidata foi procurada pela reportagem e informou não se lembrar do nome do contador nem de quanto gastou ou o volume de material que encomendou. Ela também não soube explicar as razões de ter sido escolhida candidata e ter recebido a terceira maior fatia da verba do partido.

“Recebi um valor expressivo do partido, mas acontece que quando eu vim receber já era campanha final, entendeu, e não deu tempo para eu me expandir”, justificou Lourdes. A reportagem ainda informa que visitou os endereços informados pela gráfica na nota fiscal e na Receita Federal e não encontrou sinais de que o estabelecimento tenha funcionado nesses locais durante a eleição.

O vice-presidente nacional do PSL, Antonio de Rueda, disse à reportagem que têm pouca informação sobre a candidatura de Maria de Lourdes e negaram que se trate de manobra de fachada.

Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair BolsonaroFoto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Buscando o diálogo com o governo Bolsonaro, o presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CMN), Glademir Aroldi, se reúne com representantes da gestão federal para defender a agenda municipalista. A pauta que será levada pelos prefeitos inclui 30 reivindicações. As principais demandas levadas serão a realização do pacto federativo, a aprovação da reforma da Previdência e a renegociação das dívidas dos municípios. O primeiro encontro está previsto para os dias 12 e 13 de fevereiro. Na ocasião, os presidentes das associações estaduais de representação municipal vão se reunir para entregar a agenda para o Palácio do Planalto.

Segundo Aroldi, a pauta é dividida por temas estruturantes e transitórios. Contudo, um ponto considerado estratégico é a aprovação da reforma previdenciária. O dirigente avalia que sem ela é impossível avançar nas demandas municipalistas e que o apoio dos prefeitos a aprovação da matéria está garantido.

"É uma pauta estruturadora que precisa acontecer. O governo não vai a lugar nenhum sem a nova previdência. Ela é importante para estados e municípios", avalia. Aroldi registra que 2.500 municípios com regime próprio previdenciário estão com passivo em seus fundos e é preciso também negociar o parcelamento da dívida. Temas pontuais como o compartilhamento dos recursos do pré-sal e o aumento de 1% na parcela do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) também entrarão na pauta.

Antes da apresentação da pauta federativa, o presidente da entidade já tem encontro marcado também com o ministro da Economia, Paulo Guedes, nos próximos. O objetivo é aprofundar o debate sobre renegociação das dívidas dos Executivos municipais.

Após pressão, Bolsonaro muda de ideia sobre a base militar dos EUA no Brasil
Após pressão, Bolsonaro muda de ideia sobre a base militar dos EUA no BrasilFoto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O anúncio da criação de uma equipe interministerial para tratar alternativas de desenvolvimento e atendimento para o Nordeste, realizado pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), tem dividido as lideranças da região.

De acordo com Lorenzoni, "de seis a oito pastas" terão que dar atenção especial à educação, saneamento, saúde e irrigação locais. No Nordeste, Jair Bolsonaro (PSL) concentrou o maior índice de rejeição do eleitorado e os governadores nordestinos têm apresentado oposição ao projeto político do presidente.

Para o governador Paulo Câmara (PSB), que solicitou uma audiência com Bolsonaro, "toda iniciativa que possibilite a discussão sobre o Nordeste é válida e contará com o nosso apoio".

Leia também:
'Unidos vai ser muito mais fácil', diz Paulo Câmara sobre Bolsonaro


A vice-governadora, Luciana Santos (PCdoB), declarou que "recebe bem" a notícia de "alguma iniciativa" para discutir o desenvolvimento do Nordeste. "Para além dos desafios, temos experiências inovadoras que esse grupo interministerial pode conhecer, se aproximar e desenvolver conjuntamente. A superação da desigualdade regional, como sempre defendemos, é estratégica para o desenvolvimento do País", disse.

O deputado federal André de Paula (PSD), por sua vez, considera que a decisão pode representar uma aproximação do presidente, sobretudo "porque aqui foi uma região onde ele não teve sucesso eleitoral".

No entanto, espera "ações concretas para materializar um tratamento especial com o Nordeste". Já o deputado federal Danilo Cabral (PSB) enxerga o anúncio como uma reação aos primeiros movimentos realizados pelos governadores nordestinos.

"Eu vejo isso como uma resposta à pauta colocada pelos governadores, da própria solicitação de agenda do governador Paulo Câmara para se reunir com ele, da própria constituição da frente parlamentar em defesa do Nordeste. De certa forma, isso contribui para que seja instaurado um ambiente de diálogo sobre essa questão dentro do próprio governo", disse.

O atual líder do Governo da Assembleia Legislativa do Maranhão, Rogério Cafeteira (DEM), declarou que recebeu a notícia com uma boa perspectiva, esperando que, assim como os presidentes esquerdistas que o antecederam, ele dê continuidade às políticas públicas para a região. Para o deputado maranhense, "ser ou não aliado político dos governadores do Nordeste deve estar acima de todas as questões".

Por outro lado, o líder da bancada do PDT na Câmara, André Figueiredo (CE), pondera que a criação de grupos de trabalho não sinaliza, na prática, uma ação efetiva. Para ele, é preciso que se determine prazos.

"Quando não se quer fazer muita coisa se cria um grupo de trabalho. Eu vejo que a gente precisa primeiro ver quais serão os componentes e os prazos de implementação de medidas que sejam benéficas para minimizar as dificuldades que o Nordeste passa, para não ser mais uma atitude que possa ser considerada como bravata", disse. Figueiredo acrescentou, ainda, que a "questão do Nordeste é extremamente conhecida" e que espera que não seja tratada em "caráter secundário".

Seguindo a mesma linha, o deputado federal Paulão (PT-AL), ressalta que já existem instrumentos que podem ser utilizados pelo governo, a exemplo da Sudene e do Ministério da Integração.

"Criar uma comissão é dourar pílula, criar um factóide para empurrar com a barriga", disse. O petista acredita que Bolsonaro está "criando um factóide para desviar o problema principal".

Caravana pernambucana é composta por cerce de 50 pessoas
Caravana pernambucana é composta por cerce de 50 pessoasFoto: Rádio FolhaFM

Um grupo de aproximadamente 50 eleitores pernambucanos embarcou, na manhã deste sábado (29), em direção a Brasília para a posse do presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro. A caravana é formada, em sua maioria, por jovens entre 18 e 30 anos e deve levar 45h para chegar à capital federal. Desde às 7h30, o público se concentrava na Praça do Derby, na área central do Recife.  

Leia também
Bolsonaro se reunirá com autoridades norte-americanas após a posse
PT e PSOL anunciam que boicotarão posse de Bolsonaro
A três dias da posse, Onyx intensifica reuniões políticas


A cerimônia de posse de Bolsonaro acontecerá a partir das 15h (horário de Brasília) do próximo dia 1º. De acordo com o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), 500 mil pessoas de todo o Brasil devem acompanhar a cerimônia de posse, que será feita em quatro etapas e contará com esquema inédito de segurança.

Para o organizador da caravana e presidente do PSL Jovem Pernambuco, Wilker Cavalcanti, a viagem é um sacrifício que, segundo ele, valerá a pena. “Para quem lutou desde fevereiro, quando nosso presidente eleito anunciou que seria candidato, 45h são apenas mais algumas horinhas. A campanha foi extremamente pesada e quem passou por ela pode passar por essas horas de viagem tranquilamente. Saímos do Recife às 8h30 de hoje [sábado] e devemos chegar antes mesmo da virada do ano”, disse Wilker.

comece o dia bem informado: