Foram encontrados 10 resultados para "Bolsonaro":

Grupos de apoiadores e opositores do presidente nas proximidades do IRB
Grupos de apoiadores e opositores do presidente nas proximidades do IRBFoto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

Pequenos grupos de apoiadores e opositores ao presidente da República Jair Bolsonaro (PSL) se concentram nas imediações do Instituto Ricardo Brennand (IRB), no bairro da Várzea, na Zona Oeste do Recife, na manhã desta sexta-feira (24). Com gritos a favor e contra o chefe do Executivo nacional, as dezenas de pessoas presentes manifestaram-se no local com gritos, cartazes, faixas e camisas amarelas e vermelhas.

Para reforçar a segurança, policiais militares fazem um cordão de isolamento separando os grupos de lados opostos. Uma pequena confusão foi registrada entre manifestantes e PMs no caminho do IRB. O conflito foi logo contido após a chegada do Batalhão de Choque.

Leia também:
Bolsonaro e governadores se reúnem no Conselho da Sudene
No Recife, Fátima Bezerra diz que financiamento de plano para o NE precisa ser discutido
Renan Filho critica, no Recife, 'samba de uma nota só' pela Previdência de Bolsonaro


O presidente Bolsonaro participa de reunião com o Conselho Deliberativo (Condel) da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). No encontro, Bolsonaro lança Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE), nesta que é sua primeira viagem oficial à região desde que tomou posse, no último 1º de janeiro.

Reunião do Conselho deliberativo da Sudene com o presidente Jair Bolsonaro, ministros e governadores.
Reunião do Conselho deliberativo da Sudene com o presidente Jair Bolsonaro, ministros e governadores.Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Após a visita ao acervo do Instituto Ricardo Brennand (IRB), na Várzea, na manhã desta sexta (24), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) já participa de reunião do Conselho Deliberativo da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste - Sudene (Condel), realizada no próprio IRB, na Zona Oeste do Recife. 

Estão presentes o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), e o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), os ministros Osmar Terra (Cidadania), general Santos Cruz (Secretaria da Presidência), General Heleno (GSI), além dos governadores Rui Costa, Flávio Dino, Romeo Zema, Camilo Santana, João Azevedo, Wellington Dias, Fátima Bezerra, Renan Filho e Belivaldo Chagas. O governador Renato Casagrande (ES) não foi citado na apresentação.

Antes de apresentar o Plano de Desenvolvimento do Nordeste, o presidente fez questão de vincular o sucesso dessa medida à proposta de reforma da Previdência que tramita no Congresso. "Sem a reforma da Previdência não podemos sonhar nem botar em prática parte do que estamos propondo neste momento", afirmou. Antes da reunião, Renan Filho (MDB) havia criticado justamente a prioridade da pauta da reforma da Previdência em detrimento de outras agendas para o país. 

Leia também:
Renan Filho critica, no Recife, 'samba de uma nota só' pela Previdência de Bolsonaro
No Recife, Fátima Bezerra diz que financiamento de plano para o NE precisa ser discutido
Bolsonaro e governadores se reúnem no Conselho da Sudene


O prefeito Geraldo Julio fez uma fala em nome dos gestores municipais do país, pedindo uma revisão do Pacto Federativo. "As prefeituras também vivem essa crise e também a dificuldade de receita e têm pressões e necessidade de apresentação de mais serviços. Um exemplo disso é que aqui, no Recife, a gente recebeu das escolas particulares mais de 12 mil alunos que vieram para a escola pública. É mais professor, mais sala de aula, mais fardamento e mais merenda. A mesma coisa com o SUS. Aqui no Recife, pouco mais de 110 mil pessoas sairam dos planos de saúde pro Sistema Único de Saúde", relatou. "O Brasil precisa muito de uma revisão do Pacto federativo", defendeu Geraldo Julio.

Mais informações em instantes

Ouça o áudio com a fala do presidente na íntegra:

Bolsonaro segue para o IRB
Bolsonaro segue para o IRBFoto: Leo Malafaia/Folha de Pernambuco

O presidente Jair Bolsonaro desembarcou, por volta das 9h20 desta sexta-feira, na base aérea do Cindacta III, no Recife,  e já se encaminha para a primeira agenda do dia na capital pernambucana, a visita ao acervo do Instituto Ricardo Brennand, na Várzea. Lá, ele será recepcionado pela Orquestra Criança Cidadã.

Depois dessa primeira agenda, Bolsonaro participa para uma reunião do Conselho Deliberativo da Sudene - Condel, às 10h45, também no IRB. No local, há forte aparato de segurança e pequenas movimentações de grupos pro e contra Bolsonaro. Jornalistas estão isolados numa área, sem acesso direto aos convidados, como os governadores.

Leia também:
Bolsonaro lança Plano Regional de Desenvolvimento para o Nordeste

Depois Bolsonaro embarcará, às 13h, para Petrolina, no Sertão, onde inaugura o Residencial Morada Nova do Programa Minha Casa, Minha Vida, além de anunciar um incentivo da Caixa Econômica federal para a fruticultura da região. Por fim, às 16h, está programado o embarque para o Rio de Janeiro, do Aeroporto Senador Nilo Coelho.

Forte aparato de segurança foi montado para receber o presidente no Instituto Ricardo Brennand

Forte aparato de segurança foi montado para receber o presidente no Instituto Ricardo Brennand - Crédito: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco


 

 

Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair BolsonaroFoto: Mauro Pimentel / AFP

Em sua primeira visita ao Nordeste após assumir o comando do País, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) desembarca, nesta sexta-feira (24), em Pernambuco, para lançar o Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE), um extenso documento de 176 páginas que busca servir de base para o desenvolvimento social e econômico da região. O plano, que será transformado em um projeto de lei, traça objetivos que devem ser alcançados entre os anos de 2020 e 2023 e prevê iniciativas para multiplicar investimentos e estimular concessões e parcerias público-privadas (PPPs).

Entre as principais metas, estão a conclusão de obras hídricas, redução do analfabetismo, investimento em educação técnica e a atração de empresas de tecnologia. Na reunião com os nove governadores do Nordeste e os gestores de Minas Gerais e do Espírito Santo, que acontece no Recife, é esperado que Bolsonaro anuncie um acréscimo de R$ 2,1 bilhões para o Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE). Em uma transmissão ao vivo no Facebook, ontem, o presidente disse que aproveitaria a visita para anunciar que o décimo terceiro do Bolsa Família injetará R$ 2,2 bilhões no Nordeste.

Leia também:
Bolsonaro: Fiat vai investir R$ 16 bi no Brasil até 2024
Paulo segue para Petrolina em voo com Bolsonaro


As principais inovações do plano buscam turbinar os investimentos na região e viabilizar financeiramente obras públicas e empreendimentos privados. Uma das estratégias é que os fundos regionais como o FNE e o Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDNE) sejam aplicados em parceria com agentes nacionais e internacionais de oferta de crédito, como o BNDES ou o Banco Mundial, de forma a complementar os recursos disponibilizados na região. A ideia é que, uma vez que existam linhas de crédito nacionais para financiar determinados setores produtivos, o dinheiro desses fundos regionais seja usado para ampliar o impacto social desses investimentos, sendo direcionado para empreendimentos complementares, por exemplo, ou para operações cuja oferta de recursos das grandes instituições seja escassa. Além disso, o documento prevê que os recursos do FNE e do FDNE sejam usados para estabelecer um fundo garantidor para operações de micro e pequeno porte.

Outra frente busca ampliar os investimentos a partir do estímulo a parcerias com a iniciativa privada. Para isso, a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) pretende criar uma unidade regional centralizada de concessões e PPPs no Nordeste. A ideia é reunir inteligência na modelagem e na análise desse projeto, criando uma fonte unificada de informações para agentes públicos e privados na região.

Em outras palavras, se um prefeito tiver interesse em estudar uma PPP, mas o município não tiver expertise para isso, ele poderia pedir ajuda à Sudene para tirar esse projeto do papel. O documento defende que as parcerias com o setor privado não fiquem restritas aos projetos mais comuns de infraestrutura, principalmente de logística. Mas que as concessões e PPPs sejam aplicadas também nos segmentos rodoviário, de saúde, educação, cultura, lazer e renovação urbana. O plano propõe que o FDNE seja remodelado como um fundo garantidor para ajudar a viabilizar a oferta de crédito para concessões e PPPs.

Ontem, o governador Paulo Câmara (PSB) disse esperar que os objetivos previstos no plano sejam implementados. "Vamos avaliar o plano. Espero realmente que ele traga ações positivas para o desenvolvimento do Nordeste, para a redução das desigualdades. E que ele possa ter desdobramentos. Porque a gente já viu outros anúncios de planos anteriormente que, infelizmente, não tiveram os desdobramentos necessários. E o Nordeste precisa realmente ter um olhar especial dada a condição de desigualdade que nós temos. O Nordeste tem 28% da população e menos de 14% do PIB nacional. Isso é uma desigualdade que precisa ser combatida", explicou.

O plano prevê que os esforços dos diversos governos sejam concentrados em eixos prioritários. Por sugestão dos estados, serão criadas câmaras temáticas para cada um desses eixos. Elas serão responsáveis por definir se os objetivos descritos no plano têm prioridade alta, média ou baixa.

Presidente participa de reunião da Sudene em Pernambuco e pode passar por Petrolina
Presidente participa de reunião da Sudene em Pernambuco e pode passar por PetrolinaFoto: Mauro Pimentel / AFP

A visita de Jair Bolsonaro (PSL) a Pernambuco, na próxima sexta (24), e as recentes declarações do presidente sobre os manifestantes contrários aos cortes do MEC nas universidades e institutos federais, a quem chamou de "idiotas úteis" motivaram um ato de protesto marcado pela União Brasileira dos Estudantes e pelo Diretório Acadêmico de Pedagogia no Instituto Ricardo Brennnand, em uma das agendas do chefe do executivo federal.

"Somos a resistência do nosso povo, e queremos dizer a Bolsonaro que no Nordeste ele não se cria. Nesta sexta Feira 24 de Maio ele está com um encontro marcado no instituto Ricardo Brennand, instituto esse que por muitas vezes abarca nossos estudantes do estado de Pernambuco. Vamos todos e todas somar forças e mandar Bolsonaro de volta para os Estados Unidos, que aqui não tem vez. #NONORDESTENÃO", diz o texto de apresentação do evento no facebook. 

Em contrapartida, atos organizados por apoiadores de Bolsonaro estão agendado para o próximo domingo (26), em todo o país. Em Recife, movimentos de apoiadores de Bolsonaro convocaram uma manifestação em defesa do presidente intitulada "Diga não à velha política". O ato será na Avenida Boa Viagem, com concentração marcada para às 14h, na Padaria Boa Viagem.

"O Presidente Jair Bolsonaro precisa do nosso apoio, nas ruas, dizendo não à velha política, contra a máfia montada pelo centrão para atrapalhar o governo na aprovação das reformas necessárias para o Brasil, já que ele não cedeu as pressões de fazer o toma lá dá cá. A base do governo é o povo, então vamos juntos mostrar a força que o povo tem!", diz o texto da convocação no Facebook. A manifestação pretende protestar "contra a velha política praticada pelo centrão, em defesa do pacote anti-crime do ministro Sergio Moro, em defesa da permanência do COAF no Ministério da Justiça, em defesa das reformas econômicas do ministro Paulo Guedes e pela Aprovação da MP-870".

Wilker Cavalcanti, presidente do Liberta Pernambuco, um dos movimentos que organizam o ato no Recife, a marcha contará com apoio de diversos grupos de estudantes das universidades Federal e Rural de Pernambuco, bem como estudantes da rede publica e particular de ensino, que já estão confirmando participações através das redes sociais.

“O ato deste domingo (26) não será apenas em favor das pessoas do presidente Jair Bolsonaro e do ministro Sérgio Moro, mas também em defesa do nosso país e, principalmente, em favor de todos os brasileiros. Chega de jogo sujo, chega de roubalheira. Precisamos mostrar ao Congresso Nacional que quem manda no Brasil é o povo. Eles foram eleitos e estão lá para nos representar. Então que assim o façam”, ressalta Wilker.
  
Além do Liberta Pernambuco, outros movimentos como o Direita Pernambuco, Conservadores, PSL e PSL Jovem, entre outros, também apóiam a marcha do domingo.

Governador Paulo Câmara apresentou, no último dia 23 de março, ao ministro Gustavo Canuto obras das Adutoras do Moxotó e do Agreste
Governador Paulo Câmara apresentou, no último dia 23 de março, ao ministro Gustavo Canuto obras das Adutoras do Moxotó e do AgresteFoto: Hélia Sheppa/SEI

Em um aceno para o Nordeste, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) prometeu, através da sua conta no Twitter, concluir até o início de 2021 as obras do Ramal do Agreste, projeto complementar para escoar água da Transposição do Rio São Francisco para o Agreste de Pernambuco. A garantia do presidente ocorreu dois dias após o governador Paulo Câmara (PSB) e o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, inaugurarem a Adutora do Moxotó, um sistema alternativo ao atraso do Ramal do Agreste.

"Transposição/Ramal do Agreste. Financiada pelo Governo Federal. Entrega prevista para fevereiro/2021. Terá vazão suficiente no abastecimento de água para mais de 2 milhões de pessoas em 68 municípios do Agreste Pernambucano", escreveu o presidente no Twitter

Ramal do Agreste é uma adutora de 70,8 quilômetros que deveria recolher as águas do Eixo Leste da Transposição em Sertânia e levar até Arcoverde, onde a Adutora do Agreste a distribuiria para diversos municípios do interior. O projeto é orçado em R$ 1,2 bilhão, começou a ser construído no governo do ex-presidente Lula (PT), mas ainda não foi concluído.

Leia também:
Crise entre Poderes ameaça reforma da Previdência
Reforma dos militares estaduais preocupa governo Paulo Câmara
Pernambuco vai criar novo programa para estimular PPPs


Como alternativa, a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), com recursos da União, construiu a Adutora do Moxotó. Ela tem trajeto similar, começa em Sertânia e leva água até a Adutora do Agreste em Arcoverde. Inaugurada na última sexta-feira (22), beneficiará 400 mil pessoas em dez municípios: Arcoverde, Pedra, Venturosa, Pesqueira, Alagoinha, Sanharó, Belo Jardim, Tacaimbó, São Caetano e São Bento do Una, utilizando as águas do Rio São Francisco. Até então, Pernambuco funcionava como um canal de passagem das águas da Transposição para a Paraíba.

Embora seja uma ação emergencial, a Adutora do Moxotó não é vista pelo governo como uma solução definitiva para o abastecimento de água no Agreste porque ela só consegue transportar 450 litros por segundo em seus canais. Já o Ramal do Agreste, quando concluído, poderá levar entre 2 mil e 4 mil litros de água da Transposição por segundo até a Adutora do Agreste.

Na semana passada, o ministro Gustavo Canuto vistoriou as obras do Ramal do Agreste ao lado do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), líder do governo no Senado. "Essa obra é um sonho. Garantir que a obra abasteça essas cidades e que nenhum outro nordestino dessa região tenha novamente a escassez hídrica ou que falte água na sua torneira é o que o governo federal deseja", prometeu o ministro na ocasião.


Passada as eleições de 2018, o PSL de Pernambuco está sendo acusado de ter criado uma candidata laranja no Estado para receber R$ 400 mil de dinheiro público nas eleições de 2018. A informação foi publicada em reportagem da Folha de S.Paulo ontem.

Segundo o jornal, Maria de Lourdes Paixão, de 68 anos, foi a terceira maior beneficiada com a verba do partido do presidente Jair Bolsonaro em todo o País. Ela, que concorreu a deputada federal, teve apenas 274 votos.
O dinheiro do fundo partidário do PSL, diz a Folha de S.Paulo, foi enviado pela direção nacional da sigla para a conta da candidata no dia 3 de outubro, quatro dias antes do primeiro turno da eleição.

A prestação de contas de Lourdes Paixão no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aponta que 95% dos R$ 400 mil foram gastos em uma gráfica para imprimir 9 milhões de santinhos e cerca de 1,7 milhão de adesivos. A candidata laranja é secretária administrativa do PSL em Pernambuco.

A candidata foi procurada pela reportagem e informou não se lembrar do nome do contador nem de quanto gastou ou o volume de material que encomendou. Ela também não soube explicar as razões de ter sido escolhida candidata e ter recebido a terceira maior fatia da verba do partido.

“Recebi um valor expressivo do partido, mas acontece que quando eu vim receber já era campanha final, entendeu, e não deu tempo para eu me expandir”, justificou Lourdes. A reportagem ainda informa que visitou os endereços informados pela gráfica na nota fiscal e na Receita Federal e não encontrou sinais de que o estabelecimento tenha funcionado nesses locais durante a eleição.

O vice-presidente nacional do PSL, Antonio de Rueda, disse à reportagem que têm pouca informação sobre a candidatura de Maria de Lourdes e negaram que se trate de manobra de fachada.

Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair BolsonaroFoto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Buscando o diálogo com o governo Bolsonaro, o presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CMN), Glademir Aroldi, se reúne com representantes da gestão federal para defender a agenda municipalista. A pauta que será levada pelos prefeitos inclui 30 reivindicações. As principais demandas levadas serão a realização do pacto federativo, a aprovação da reforma da Previdência e a renegociação das dívidas dos municípios. O primeiro encontro está previsto para os dias 12 e 13 de fevereiro. Na ocasião, os presidentes das associações estaduais de representação municipal vão se reunir para entregar a agenda para o Palácio do Planalto.

Segundo Aroldi, a pauta é dividida por temas estruturantes e transitórios. Contudo, um ponto considerado estratégico é a aprovação da reforma previdenciária. O dirigente avalia que sem ela é impossível avançar nas demandas municipalistas e que o apoio dos prefeitos a aprovação da matéria está garantido.

"É uma pauta estruturadora que precisa acontecer. O governo não vai a lugar nenhum sem a nova previdência. Ela é importante para estados e municípios", avalia. Aroldi registra que 2.500 municípios com regime próprio previdenciário estão com passivo em seus fundos e é preciso também negociar o parcelamento da dívida. Temas pontuais como o compartilhamento dos recursos do pré-sal e o aumento de 1% na parcela do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) também entrarão na pauta.

Antes da apresentação da pauta federativa, o presidente da entidade já tem encontro marcado também com o ministro da Economia, Paulo Guedes, nos próximos. O objetivo é aprofundar o debate sobre renegociação das dívidas dos Executivos municipais.

Após pressão, Bolsonaro muda de ideia sobre a base militar dos EUA no Brasil
Após pressão, Bolsonaro muda de ideia sobre a base militar dos EUA no BrasilFoto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O anúncio da criação de uma equipe interministerial para tratar alternativas de desenvolvimento e atendimento para o Nordeste, realizado pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), tem dividido as lideranças da região.

De acordo com Lorenzoni, "de seis a oito pastas" terão que dar atenção especial à educação, saneamento, saúde e irrigação locais. No Nordeste, Jair Bolsonaro (PSL) concentrou o maior índice de rejeição do eleitorado e os governadores nordestinos têm apresentado oposição ao projeto político do presidente.

Para o governador Paulo Câmara (PSB), que solicitou uma audiência com Bolsonaro, "toda iniciativa que possibilite a discussão sobre o Nordeste é válida e contará com o nosso apoio".

Leia também:
'Unidos vai ser muito mais fácil', diz Paulo Câmara sobre Bolsonaro


A vice-governadora, Luciana Santos (PCdoB), declarou que "recebe bem" a notícia de "alguma iniciativa" para discutir o desenvolvimento do Nordeste. "Para além dos desafios, temos experiências inovadoras que esse grupo interministerial pode conhecer, se aproximar e desenvolver conjuntamente. A superação da desigualdade regional, como sempre defendemos, é estratégica para o desenvolvimento do País", disse.

O deputado federal André de Paula (PSD), por sua vez, considera que a decisão pode representar uma aproximação do presidente, sobretudo "porque aqui foi uma região onde ele não teve sucesso eleitoral".

No entanto, espera "ações concretas para materializar um tratamento especial com o Nordeste". Já o deputado federal Danilo Cabral (PSB) enxerga o anúncio como uma reação aos primeiros movimentos realizados pelos governadores nordestinos.

"Eu vejo isso como uma resposta à pauta colocada pelos governadores, da própria solicitação de agenda do governador Paulo Câmara para se reunir com ele, da própria constituição da frente parlamentar em defesa do Nordeste. De certa forma, isso contribui para que seja instaurado um ambiente de diálogo sobre essa questão dentro do próprio governo", disse.

O atual líder do Governo da Assembleia Legislativa do Maranhão, Rogério Cafeteira (DEM), declarou que recebeu a notícia com uma boa perspectiva, esperando que, assim como os presidentes esquerdistas que o antecederam, ele dê continuidade às políticas públicas para a região. Para o deputado maranhense, "ser ou não aliado político dos governadores do Nordeste deve estar acima de todas as questões".

Por outro lado, o líder da bancada do PDT na Câmara, André Figueiredo (CE), pondera que a criação de grupos de trabalho não sinaliza, na prática, uma ação efetiva. Para ele, é preciso que se determine prazos.

"Quando não se quer fazer muita coisa se cria um grupo de trabalho. Eu vejo que a gente precisa primeiro ver quais serão os componentes e os prazos de implementação de medidas que sejam benéficas para minimizar as dificuldades que o Nordeste passa, para não ser mais uma atitude que possa ser considerada como bravata", disse. Figueiredo acrescentou, ainda, que a "questão do Nordeste é extremamente conhecida" e que espera que não seja tratada em "caráter secundário".

Seguindo a mesma linha, o deputado federal Paulão (PT-AL), ressalta que já existem instrumentos que podem ser utilizados pelo governo, a exemplo da Sudene e do Ministério da Integração.

"Criar uma comissão é dourar pílula, criar um factóide para empurrar com a barriga", disse. O petista acredita que Bolsonaro está "criando um factóide para desviar o problema principal".

Caravana pernambucana é composta por cerce de 50 pessoas
Caravana pernambucana é composta por cerce de 50 pessoasFoto: Rádio FolhaFM

Um grupo de aproximadamente 50 eleitores pernambucanos embarcou, na manhã deste sábado (29), em direção a Brasília para a posse do presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro. A caravana é formada, em sua maioria, por jovens entre 18 e 30 anos e deve levar 45h para chegar à capital federal. Desde às 7h30, o público se concentrava na Praça do Derby, na área central do Recife.  

Leia também
Bolsonaro se reunirá com autoridades norte-americanas após a posse
PT e PSOL anunciam que boicotarão posse de Bolsonaro
A três dias da posse, Onyx intensifica reuniões políticas


A cerimônia de posse de Bolsonaro acontecerá a partir das 15h (horário de Brasília) do próximo dia 1º. De acordo com o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), 500 mil pessoas de todo o Brasil devem acompanhar a cerimônia de posse, que será feita em quatro etapas e contará com esquema inédito de segurança.

Para o organizador da caravana e presidente do PSL Jovem Pernambuco, Wilker Cavalcanti, a viagem é um sacrifício que, segundo ele, valerá a pena. “Para quem lutou desde fevereiro, quando nosso presidente eleito anunciou que seria candidato, 45h são apenas mais algumas horinhas. A campanha foi extremamente pesada e quem passou por ela pode passar por essas horas de viagem tranquilamente. Saímos do Recife às 8h30 de hoje [sábado] e devemos chegar antes mesmo da virada do ano”, disse Wilker.

comece o dia bem informado: