Foram encontrados 33 resultados para "Política e Cultura":

Roda de conversa trará o tema "2019 despedaçado: a literatura como ponte entre as mulheres"
Roda de conversa trará o tema "2019 despedaçado: a literatura como ponte entre as mulheres"Foto: Divulgação

Com o intuito de reunir mulheres que vivem o universo literário, o Café com Feminismo traz em sua primeira edição várias escritoras da cena literária pernambucana para realizar uma roda de conversa sobre as possibilidades de transformação e conexão que a literatura é capaz de promover. O evento será realizado na Livraria Café Expressão Popular, no dia 14 de setembro, às 15h. Além do debate, também haverá espaço para o lançamento coletivo de livros e coletâneas de autoras pernambucanas.

O tema desta primeira edição da roda de de conversa será "2019 despedaçado: a literatura como ponte entre as mulheres". Ane Montarroyos, uma das realizadoras, explica o objetivo da iniciativa."O encontro provoca a discussão do papel e da força que a escrita e a leitura possuem na luta feminista, de que maneiras isso pode ser potencializado, nos unindo e fortalecendo como mulheres. Acima de tudo, o Café com Feminismo nasce de uma desejo genuíno de nos acolhermos em um momento político que tanto nos ameaça, colocando a nossa existência e relevância em questão".

Serviço:

Café com Feminismo: 2019 despedaçado: a literatura como ponte entre as mulheres

Data: 14 de setembro
Local :Livraria Café Expressão Popular. Rua São Gonçalo, 82 Boa Vista
Hora: 15h (o espaço fecha às 18h, então, começaremos pontualmente)
Dúvidas: 81 9 9889 8508 (Katarine) ou [email protected]

café com feminismo

Lançamento do Livro das Violências Hiperbólicas será neste sábado (10), a partir das 17h, na Rua Mamed Simões
Lançamento do Livro das Violências Hiperbólicas será neste sábado (10), a partir das 17h, na Rua Mamed SimõesFoto: Divulgação

O lançamento do “Livro das Violências Hiperbólicas”, do escritor Fernando Maia será realizado neste sábado (10), a partir das 17 h, no bar Bestafera, na rua Mamede Simões, bairro de Santo Amaro. A obra apresenta onze contos, divididos em uma parte de violências inimagináveis e outra de violências verossímeis.

Na primeira, as peças transitam ora por algum experimentalismo na linguagem, ora por formas narrativas mais fantásticas: um conto em versiprosa, no qual se planeja um homicídio, um gato guerreiro que deslaça pescoços com as garras, bacamartes de estrondos hiperbólicos.

Na segunda parte, a violência se apresenta hiperbólica em linchamentos perpetrados por populares, em conflitos fundiários, nas reações extremas do indivíduo comum farto do seu brutal dia-a-dia, nos acidentes rodoviários. Se o inimaginável se entende pela forma como são narradas as violências na primeira parte, é na verossimilhança das temáticas que a violência se expressa, na segunda.

Além de inevitavelmente assumir o caráter de estudo filosófico ou sociológico da violência, é como expressão estética sublime, apresentada em várias formas, que Fernando Maia apreende a questão mais intrigante e essencial da humanidade.

livro

Audiência Pública debaterá garantia de liberdade de expressão nas artes
Audiência Pública debaterá garantia de liberdade de expressão nas artesFoto: Divulgação

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) vai realizar, no próximo dia 28 de agosto, a partir das 14h, uma audiência pública dedicada a debater iniciativas governamentais voltadas para coibir a prática de censura em qualquer tipo de manifestação artística. O encontro tem por finalidade reunir informações para inquérito civil aberto pela 8ª Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos da Capital para apurar em que estado se encontra a garantia de liberdade de expressão e criação artística.

Os órgãos públicos convidados são as Secretarias de Cultura de Pernambuco e do Recife, bem como representantes dos conselhos municipal e estadual de Política Cultura; do conselho de Política LGBT; da Fundação do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural de Pernambuco (Fundarpe) e da Fundação de Cultura da Cidade do Recife (FCCR). Também será disponibilizado espaço para a manifestação de entidades e cidadãos interessados.

De acordo com a programação divulgada pela Promotoria de Direitos Humanos, a audiência pública contará com uma apresentação do tema Direito à liberdade de expressão e criação artística. Em seguida, será concedida fala para as entidades e o público inscrito; depois será a vez das autoridades públicas se pronunciarem. A audiência será concluída com a definição dos encaminhamentos acordados pelos presentes.

Imagem acessível: retângulo com fotografia de bailarinas deitadas no chão tem sobrepostos os dizeres MPPE convoca poder público e sociedade para debater a liberdade de expressão nas artes. Acima, tarja vermelha com Audiência Pública

Armazém do Campo, do MST.
Armazém do Campo, do MST.Foto: Reprodução/Facebook

A etapa estadual do festival Elas por Elas – Cultura, Trabalho e Comunicação, será realizada nesta quinta-feira (25), a partir das 18h, no Armazém do Campo, Rua Martins de Barros, 387. As interessadas podem concorrer nas modalidades Comida Típica, Produto de Artesanato, além de Poema e Poesia com temática Lula Livre. A etapa estadual classifica uma representante por modalidade para a etapa nacional, que ocorre em Natal- RN. As inscrições podem ser feitas até o dia 23, pelo whatsapp 81. 9 9890-8244. A atividade é organizada pela secretaria de Mulheres e de Cultura do PT Pernambuco.

O evento faz parte de uma agenda nacional de mobilizações organizada pelas secretarias nacionais tanto de mulheres quanto de cultura do PT. “o evento está sendo organizado no intuito de empoderar as mulheres e dar visibilidade a seus produtos. Nosso objetivo com o festival é o de construir um momento de interação, de consolidação da autonomia feminina e promoção do empoderamento de mulheres, além da atividade funcionar como um espaço de celebração de arte, cultura e resistência, afirma Maria Cecília Cintra, integrante da Secretaria de Mulheres do PT Pernambuco.

Para concorrer não é necessário ser filiada, basta ter afinidade com o campo popular e democrático. Se você é artista, chef, artesã, poeta ou conhecem alguém que seja, basta convidá-la a participar da etapa estadual do ‘Elas por Elas’. Uma amostra de sua produção será avaliada por uma comissão também composta por mulheres. Serão selecionadas 3 finalistas que representarão Pernambuco no festival nacional em Natal (no único estado governado por uma mulher), a ser realizado de 02 a 04 de agosto.

Programação segue agora às 16h no campus Casa Forte com abertura de exposições, entrega de medalhas e corte do bolo. Próximo dia 25 o Cinema da Fundação abre a mostra de filmes portugueses
Programação segue agora às 16h no campus Casa Forte com abertura de exposições, entrega de medalhas e corte do bolo. Próximo dia 25 o Cinema da Fundação abre a mostra de filmes portuguesesFoto: Divulgação

Na manhã deste domingo (21), começaram as comemorações dos 70 anos da Fundação Joaquim Nabuco e 40 anos do Museu do Homem do Nordeste, a partir das 10h, com o lançamento dos selos Gilberto Freyre, fundador da instituição, e Joaquim Nabuco, seu patrono, no Engenho Massangana, Cabo de Santo Agostinho, onde o abolicionista viveu até os oito anos de idade. Agora à tarde, a partir das 16h, as comemorações acontecem no campus Casa Forte, com a abertura de exposições, entrega das medalhas Joaquim Nabuco e Gilberto Freyre e corte do bolo. A cerimônia de obliteração dos selos foi realizada em parceria com os Correios.

O presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos, parabenizou a instituição pelos seus 70 anos. “A casa Joaquim Nabuco se renova e se abre para uma nova página. Esse legado que estamos presenciando é tanto de Gilberto quanto de Nabuco. Que eles nos inspirem e nos levem para um caminho bom, do bem. Com esse farol conseguiremos transformar para melhor o Brasil”, disse, em seu discurso de abertura. A gerente Operacional dos Correios em Pernambuco, Márcia Cristina Lima, elogiou a iniciativa da Fundaj ao lançar selo comemorativo homenageado seu patrono e seu fundador. "Joaquim Nabuco e Gilberto Freyre devem ser não apenas lembrados, mas colocados em nosso cotidiano. Justa homenagem está sendo feita por essa Casa a ambos", ressaltou.

Ao todo, foram dez homenageados com os álbuns contendo os selos comemorativos. O primeiro deles foi a família de Joaquim Nabuco, representada na cerimônia pelo bisneto Pedro Nabuco. “Considero uma visita mística poder prestigiar, mais uma vez, o Engenho Massangana. Basta dizer que meu bisavô escreveu nas páginas de Minha Formação que o Engenho Massangana foi um oráculo. O local representa muito para nós, para Pernambuco, para o Brasil. E nada mais gratificante que participar do lançamento de um selo do meu bisavô, mas que estampa também Freyre. Muito obrigada pelo convite”, agradeceu o documentarista.

Sônia Freyre, a presidente da Fundação Gilberto Freyre, participou da solenidade. Em seu discurso, enfatizou a importância cultural e histórica da Fundaj. “Gilberto estava inspiradíssimo quando resolveu fundar um instituto de pesquisa para homenagear Nabuco. A Fundação continua em pé e trabalhando bastante para fazer o bem ao nosso país. Vamos adiante, vamos para frente. E veremos vários resultados com essa nova gestão”, previu.

Outros nomes importantes também prestigiaram a cerimônia: coordenadora-geral do Instituto Ricardo Brennand, Nara Galvão, o diretor da Associação de Imprensa de Pernambuco (AIP), Múcio Aguiar Neto, o diretor da União Brasileira dos Escritores (UBE), Renato Siqueira, o presidente do Tribunal Regional do Trabalho 6ª Região, Valdir José Silva, a cônsul geral da Alemanha para o Nordeste, Maria Konning, a representante dos consulados em Recife, Kátia Gilaberte, e Verônica Ribeiro, que representou o presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), José Coimbra Patriota.

Exposições

Há quatro décadas levando ao público quem é o homem do Nordeste, o Muhne aniversaria no mesmo dia da Fundaj. O coordenador do museu, Frederico Almeida, lembra que o espaço é uma referência nacional. “Por sua tradição, pela contribuição para a sociedade no entendimento antropológico do homem do Nordeste”, observa, acrescentando que as exposições que serão abertas no domingo (21/07) são fruto de um trabalho em conjunto com os servidores do Muhne.

A exposição “40 anos Educando” homenageia Silvia Brasileiro, que integrou a equipe do Educativo do Museu de 1987 a 2015, e será aberta às 16h na sala Waldemar Valente, no campus da Fundaj em Casa Forte. “Ela acreditava que era brincando que se aprendia. Normalmente, crianças não podem mexer em nada nem falar alto em museus. No Muhne, elas cantam, dançam, brincam e se divertem”, explica a antropóloga do Muhne, Ciema Mello.

A proposta da exposição é mostrar por meio de brinquedos, bonecos, caminhões, carrinhos de lata, oficinas de máscaras e brinquedos, que a identidade é um pedaço escondido dentro de alguém. A ideia, destacou a antropóloga, é que os pequenos saiam mais nordestinas e mais brasileiras. A mostra em que a criança será protagonista, mas os adultos também são muito bem vindos, ficará exposta por seis meses.

Em seguida, será aberta a intervenção museológica “Muhne 40 Anos, 40 Peças”. Serão 15 peças da exposição permanente do museu somadas a outras 25 da reserva técnica para contar toda história do Muhne. “A exposição dará oportunidade às pessoas de conhecerem mais profundamente o museu e entender essa trajetória que engloba também o Museu do Açúcar, o Museu de Antropologia e o Museu de Arte Popular,” conta o coordenador do setor de Museologia, Albino Oliveira.

As 40 peças foram identificadas e escolhidas em acordo com a equipe do Museu, considerando seus significados para cada época da instituição. A mostra vai virar uma publicação impressa, reunindo as 40 pessoas para escreverem textos sobre as 40 peças escolhidas.

Medalhas

Às 17h, o jardim do Museu do Homem do Nordeste sediará a cerimônia de entrega das medalhas Joaquim Nabuco e Gilberto Freyre. Serão 110 homenageados entre servidores da casa, personalidades e instituições que contribuíram com a Fundação e o Museu. “Cada uma dessas medalhas estabelece um vínculo com a grandeza de seus patronos. A valorização da nossa região Nordeste perpassa o praticar, ousar, cultivar e inspirar-se na imagem e nos ideais de Joaquim Nabuco”, diz o presidente Antônio Campos.
Entre os homenageados, 50 servidores com mais de 40 anos de casa, artistas, como Lia de Itamaracá, artesãos, como mestre J. Borges, instituições, entre elas a Academia Pernambucana de Letras, o Tribunal de Justiça de Pernambuco e a Assembleia Legislativa de Pernambuco. Também serão agraciadas as famílias de personalidades que contribuíram para o desenvolvimento da Fundação, como as famílias Mário Lacerda, Mário Souto maior e Ulysses Pernambuco de Melo.

Cinema

As comemorações continuam na próxima semana. De 25 a 28 de julho, o Cinema da Fundação estreia a Mostra Inéditos do Cinema Português. Serão sete longas de diretores contemporâneos portugueses nunca vistos no estado, numa parceria com a Embaixada Portuguesa e o Instituto Camões. A mostra evoca o conceito “luso-tropicalismo”, elaborado pelo sociólogo e escritor Gilberto Freyre, que destaca, entre outros aspectos, a língua portuguesa como um dos principais elos de identidade cultural dos países lusófonos. A entrada será gratuita

“Essa mostra é uma excelente oportunidade não só de conhecermos mais o cinema atual produzido em Portugal, como, também, de difundirmos as ideias de Gilberto Freyre neste ano de comemoração dos 70 anos de criação da Fundação Joaquim Nabuco”, diz a coordenadora do Cinema da Fundação, Ana Farache.

Confira a programação completa aqui

A modelo, atriz, empresária e ativista pelos Direitos Humanos, Luiza Brunet, é uma das palestrantes
A modelo, atriz, empresária e ativista pelos Direitos Humanos, Luiza Brunet, é uma das palestrantesFoto: Reprodução/Facebook

O Instituto Maria da Penha (IMP) promove o "I Café com Conteúdo" que trará como tema: "A Importância da Iniciativa Privada para o Protagonismo, Empregabilidade e Autonomia Financeira das Mulheres". O evento acontece na quinta-feira (4), às 18h, no auditório da AIKA Consultoria Empresarial.

O Encontro tem como objetivo a troca de ideias e compartilhamento de experiências sobre como as empresas podem unir esforços com o Poder Público, Organizações Não Governamentais e sociedade civil para que juntos possam propor e adotar medidas que contribuam para maior equidade de gênero no mundo corporativo e ambientes mais seguros para as mulheres. “Vamos conversar também sobre iniciativas de empregabilidade e empreendedorismo para mulheres vítimas de violência e apresentar formas que as diversas instituições podem se engajar e participar efetivamente.” explica a coordenadora do encontro, Fabiana Soares.

O I Café com Conteúdo contará com a presença da vice-presidente e diretora pedagógica do Instituto Maria da Penha, Regina Célia Barbosa, da modelo, atriz e ativista pelos direitos humanos, Luiza Brunet e das gestoras em recursos humanos, Fátima Barroso e da Fabiana Soares. “O enfretamento da violência doméstica e familiar contra as mulheres é um tema que precisa ser levado para dentro das empresas. São as empresas que geram emprego, contribuindo para que essas mulheres vítimas de violência possam ter salário e benefícios, ou seja, autonomia financeira para romper o ciclo da violência” diz Fabiana.

A atividade e voltada para gestores em recursos humanos, representantes do poder público, empresários e interessados no tema. Para participar, basta se inscrever pelo Sympla e efetuar o pagamento da taxa de inscrição que custa R$ 60. A renda arrecadada será revertida para as ações do Instituto Maria da Penha, em Recife.

Dados - De acordo com o relatório “Violência Doméstica e seu Impacto no Mercado de Trabalho e na Produtividade das Mulheres” produzido em 2016 pelo Instituto Maria da Penha (IMP) ser vítima de violência doméstica no Brasil produz uma maior instabilidade na dinâmica do mercado de trabalho. As vítimas de violência tendem a intercalar períodos de curta duração de emprego com períodos de longa duração de desemprego.

IMP - Fundado em 2009, com sede em Fortaleza e representação em Recife, o Instituto Maria da Penha (IMP) é uma organização não governamental sem fins lucrativos. O surgimento está diretamente ligado à história de vida de Maria da Penha, que se tornou um símbolo de luta no combate à violência doméstica contra a mulher. A Lei n. 11.340/2006 leva o nome de Maria da Penha como uma forma de reparação simbólica depois de tantos anos de omissão do Estado brasileiro e de impunidade do seu agressor. Ela também representa o acesso à justiça e foi criada para garantir os direitos de milhares de mulheres vítimas de violência no País. Neste contexto, o papel do IMP é estimular e contribuir para a aplicação integral da lei, bem como monitorar a implementação e o desenvolvimento das melhores práticas e políticas públicas para o seu cumprimento, promovendo a construção de uma sociedade sem violência doméstica e familiar contra a mulher.

Sobre as palestrantes:

Regina Célia Barbosa - Vice-presidente e diretora pedagógica do Instituto Maria da Penha. Filósofa, Mestra em Ciência Política pela UFPE e atualmente, cursa o Doutorado em Direito, Justiça e Cidadania para o Séc. XXI na Universidade de Coimbra em Portugal. É Professora Universitária há 22 anos. Membro da Academia Brasileira de Ciências Criminais (ABCCrim); Autora do Programa Defensoras e Defensores dos Direitos à Cidadania, com o apoio do Consulado Americano no Recife.

Luiza Brunet - Modelo, atriz, empresária e ativista pelos Direitos Humanos. Após ser vítima de violência doméstica por seu companheiro, passou a lutar ainda mais pelo enfrentamento da violência contra mulheres (violência sexual, patrimonial, psicológica e física) encorajando as mulheres a denunciar os agressores por termos uma lei que funciona.

Fabiana Soares - consultora empresarial e fundadora da AUDITARH- Consultoria em Gestão Organizacional que estrutura os projetos de Recursos Humanos nas empresas. Consultora associada na LHH. Voluntária da ONU Mulheres para articulação de empresas e agenda de eventos na região nordeste; voluntária do Instituto Maria da Penha para projetos estratégicos e de sustentabilidade. Representante da Women Friendly que é especialista em assédio sexual e ambientes seguros para as mulheres nas organizações.

Fátima Barroso - gestora de Recursos Humanos do Grupo Drumattos que aderiu como signatário dos WEP's e conta com a rede de restaurantes Camarão Camarada, recentemente certificada pela Women Friendly, em protocolos de combate ao Assédio Sexual.

Serviço:

1º Café com Conteúdo – Instituto Maria da Penha


Data: Quinta-feira, 04 de julho de 2019
Horário: 18h às 21h
Local: AIKA Consultoria Empresarial – Empresarial Center II
Inscrições: https://www.sympla.com.br/i-cafe-com-conteudo---instituto-maria-da-penha__528684

Homenagem ao Forró, na Alepe.
Homenagem ao Forró, na Alepe.Foto: Wesley D'Almeida

A Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco realizou, nesta segunda-feira (13), no auditório Sérgio Guerra, uma sessão solene em homenagem ao forró, por iniciativa do deputado estadual Wanderson Florêncio (PSC). Mais de cinquenta cantores, compositores, produtores e músicos foram condecorados, entre eles Alcymar Monteiro, Novinho da Paraíba, Genival Lacerda, Ivan Ferraz, Anastácia e Nádia Maia.

“É sempre importante valorizar os responsáveis pela preservação da nossa cultura, da nossa tradição. O forró é genuinamente nordestino, fala da vida do povo da nossa região. É muito gratificante poder homenagear em vida todas essas pessoas que possuem um legado que precisa ser respeitado”, afirmou Wanderson Florêncio.

O deputado possui um longo histórico de luta pela preservação da cultura nordestina. Segue em tramitação na Câmara de Vereadores do Recife Projeto de Lei 124/2018 de Wanderson Florêncio que torna o forró Patrimônio Cultural e Imaterial do município.

Biblioteca Pública de Olinda
Biblioteca Pública de OlindaFoto: Ray Evllyn / SJDH

A histórica Biblioteca Pública Municipal de Olinda, que fica na Avenida Liberdade, no bairro do Carmo, está passando por uma reforma que promete preservar sua história e resgatar o público formado por turistas e moradores da cidade. O trabalho de requalificação é feito por um grupo de cinco reeducandos, egressos do sistema prisional. Parceria entre a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH) e a Prefeitura de Olinda que visa a reinserção social dos cumpridores.

Criada através de um decreto de Dom Pedro I em 1830, quando a cidade de Olinda ainda era a capital da província de Pernambuco, o equipamento é a primeira Biblioteca Pública do estado e a 3ª do Brasil. Na reforma prevista para durar 90 dias, os apenados estão fazendo a recuperação da fachada, pintura, jardinagem, além das partes elétricas e hidráulicas.

Leia também:
'Nordestinos são as principais vítimas', diz Humberto sobre défict no Mais Médicos
Solenidade homenageia 21 anos da Folha de Pernambuco


Os ex-detentos são beneficiados por um convênio de empregabilidade viabilizado pelo Patronato Penitenciário, órgão ligado à SJDH responsável por acompanhar os cumpridores em regime aberto e livramento condicional. O Patronato também oferece apoio jurídico e psicossocial.

“Serão três meses de reforma aqui na biblioteca, mas ao final seguimos para fazer outros trabalhos em Olinda. Com essas atividades nos sentimos valorizados e seguros para tocar a vida de forma digna e honesta”, conta o reeducando Klayton Xavier, 27 anos.

Os trabalhadores cumprem jornada de oito horas diárias e ganham um salário mínimo. Os contratos são regidos pela Lei de Execuções Penais. “A contratação de mão de obra carcerária contribui para redução da criminalidade. Em Olinda, já são 136 egressos do sistema prisional contratados, que atuam na limpeza de ruas, praças e praias da cidade”, destaca o superintendente do Patronato Penitenciário, Josafá Reis.

Biblioteca Pública de Olinda

Nesta quarta (17), será o lançamento nacional do livro “A Constituição Traída - Da abertura democrática ao golpe e a prisão de Lula”, de Cleonildo Cruz e Liana Cirne, em Recife
Nesta quarta (17), será o lançamento nacional do livro “A Constituição Traída - Da abertura democrática ao golpe e a prisão de Lula”, de Cleonildo Cruz e Liana Cirne, em RecifeFoto: José Cruz/Agência Brasil

A Editora Hedra fará o lançamento nacional do livro “A Constituição Traída - Da abertura democrática ao golpe e a prisão de Lula”, de Cleonildo Cruz e Liana Cirne, nesta quarta-feira (17), no Café Liberal, às 18h, na rua Marquês de Olinda - Recife Antigo. Os exemplares já podem ser adquiridos na pré-venda pela Amazon.

O livro A Constituição Traída: da abertura democrática ao golpe e à prisão de Lula, surgiu da necessidade do historiador e cineasta Cleonildo Cruz, e da advogada e professora de Direito da UFPE, Liana Cirne, buscarem organizarem uma obra de analise da democracia brasileira que, segundo eles, sofreu uma "ruptura institucional" desde o impeachment de Dilma Rousseff

Em A constituição traída: da abertura democrática ao golpe e à prisão de Lula estão três dos discursos mais marcantes de nossa história política recente: o de Ulysses Guimarães, quando da promulgação da Constituição; o de Dilma Rousseff, no dia em que o Senado ratificou seu impeachment; e o de Lula, em São Bernardo, logo antes de se dirigir à Polícia Federal para seu cárcere.

Estão, também, quinze ensaios e artigos de destacados intelectuais de áreas como o Direito, Economia e Política Sindical que procuram nos escombros a razão de nossa falência democrática. E estão, por fim, entrevistas com personagens fundamentais no processo político da Assembleia Nacional Constituinte, que destrincham os jogos de força que permearam a disputa pela redação Final da Constituição Cidadã.

livro

Livro "Escrito com letras de sangue' será lançado em Petrolina eJuazeiro.
Livro "Escrito com letras de sangue' será lançado em Petrolina eJuazeiro.Foto: Divulgação

século XXI, conhecido como “o século dos mártires”, num olhar sob os prismas religioso, cultural, histórico e político. Esse é o tema do livro “Escrito com letras de sangue”, do advogado e filósofo Anderson Wagner Araújo, com lançamento marcado para esta quinta-feira (11), às 20h, no auditório da Facape, no campus universitário, Vila Eduardo, Petrolina-PE. No dia 13 de abril, às 16h, outro lançamento será realizado na Livraria Juá, no Juá Garden Shopping, em Juazeiro-BA.

O livro aborda o século XX que, segundo o autor, produziu um número maior de mártires do que os dezenove séculos anteriores juntos, mas não merece a atenção devida nas salas de aulas de história, nos debates universitários. "Os mártires nos evidenciam que a morte pode ser vivida como ato supremo de liberdade", explica Anderson.

A história dos mártires de diversas nacionalidades, culturas, etnias e identidades, estão contadas a partir de doze breves biografias, entre elas: Miguel Agustín Pro, José Sánchez del Río, Bartolomé Blanco, Florentino Asensio, Apolônia Ochoa, Martín Martínez Pascual, Maximiliano Kolbe, Edith Stein, Jakob Gaap, Maria Tuci, János Brenner e Charles de Focauld.

livro


Sobre o autor

Anderson Wagner Araújo, natural de Arcoverde-PE, Portal do Sertão. É advogado, licenciado em Filosofia, especialista em Direito Civil, Filosofia e Gestão Pública Municipal. Mestrando em Formação de professores e práticas interdisciplinares (Universidade de Pernambuco-UPE) e em Ecologia humana e Gestão Socioambiental (UNEB- Universidade do Estado da Bahia).

Reside no Vale do Rio São Francisco, na próspera cidade de Petrolina-PE, onde exerce à docência na FACAPE- Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina, como professor substituto de Filosofia do Direito e Hermenêutica jurídica e na FTC- Faculdade de Tecnologia e Ciências, como docente de História do Direito.

É autor dos livros: “Jovens, vós sois a nossa esperança”, 2013 (Editora Canção Nova) “Fiódor Dostoiévski: Ensinamentos filosóficos que podem transformar a sua vida”, 2019 (Editora Garcia)

comece o dia bem informado: