Política

Bolsonaro abre mão de depor no inquérito em que é investigado por suposta interferência na PF

A decisão foi comunicada, nesta quinta-feira (26), ao STF pelo advogado-geral da União, José Levi do Amaral Júnior

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR

Investigado por suposta tentativa de interferência no comando da Polícia Federal, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) abriu mão de prestar depoimento no inquérito.

A decisão foi comunicada nesta quinta-feira (26) ao STF (Supremo Tribunal Federal) pelo advogado-geral da União, José Levi do Amaral Júnior. "O peticionante [Bolsonaro] vem, respeitosamente, à presenã de V.Exa., declinar do meio de defesa que lhe foi oportunizado unicamente por meio presencial", afirmou Levi.

O documento foi endereçado ao ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito aberto no STF para apurar as acusações do ex-ministro da Justiça Sergio Moro de que o presidente da República tentou interferir na autonomia da PF para proteger familiares e aliados.

Moraes assumiu a relatoria do caso após a aposentadoria do ministro Celso de Mello no mês de setembro. Em um dos últimos atos no tribunal, Celso determinou que Bolsonaro prestasse depoimento presencial e autorizou a defesa de Moro a acompanhar o interrogatório.

Veja também

Maia vê Baleia à frente de Lira, mas admite traição de um terço do seu partido na eleição da Câmara
Congresso

Maia vê Baleia à frente de Lira, mas admite traição de um terço do seu partido na eleição da Câmara

Doria chama Bolsonaro de oportunista por surfar a Coronavac
Vacina

Doria chama Bolsonaro de oportunista por surfar a Coronavac