Brasil

Bolsonaro almoça com evangélicos para apaziguar relação e reitera apoio a isenção de igrejas

A intenção foi apaziguar os ânimos e não perder o apoio da bancada da Bíblia, que reúne 195 dos 513 deputados e 8 dos 81 senadores

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (sem partido)O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (sem partido) - Foto: Carolina Antunes/PR

Depois de vetar dispositivo que anulava dívidas de igrejas com a Receita Federal, em renúncia que se aproximaria de R$ 1 bilhão, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reuniu líderes e parlamentares evangélicos em um almoço no Palácio do Planalto nesta quarta-feira (16).

A intenção foi apaziguar os ânimos e não perder o apoio da bancada da Bíblia, que reúne 195 dos 513 deputados e 8 dos 81 senadores.

Além de congressistas e ministros, participaram do encontro o bispo JB Carvalho, da Comunidade das Nações, o apóstolo Estevam Hernandes e a bispa Sônia Hernandes, da Igreja Renascer em Cristo.

De acordo com deputados que participaram do evento, o almoço não era exclusivo para integrantes da bancada evangélica, mas se tratava de um dos encontros que o deputado Fábio Ramalho (MDB-MG) tem promovido frequentemente no Planalto, a pedido de Bolsonaro, para tentar aproximá-lo de sua base aliada.

"Não tinha uma pauta, não tinha uma agenda", disse o deputado João Campos (Republicanos-GO) ao deixar o almoço.

Segundo o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), a única fala de Bolsonaro sobre o assunto foi logo após a oração feita pelo bispo JB Carvalho, que precedeu o almoço.

O deputado afirma que Bolsonaro apenas reiterou a nota que divulgou na noite de domingo, alegando que, tecnicamente, não podia sancionar a emenda que atendia ao pleito dos evangélicos, mas que defende a derrubada do veto.

De acordo com Sóstenes, o presidente ainda disse que espera dos parlamentares a revisão do seu próprio ato.

"Por ele [Bolsonaro], sancionaria, mas teve a recomendação técnica para vetar parcialmente", disse o deputado.

O dispositivo vetado por Bolsonaro na sexta-feira (11) foi inserido em um projeto sobre litígios com a União por emenda apresentada pelo deputado federal David Soares (DEM-SP). Ele é filho de R.R. Soares, pastor fundador da Igreja Internacional da Graça de Deus, uma das principais devedoras.

O texto, aprovado pela Câmara em julho e pelo Senado, em agosto, altera a lei de 1988 que instituiu a CSLL (Contribuição Social sobre Lucro Líquido).

O dispositivo vetado por Bolsonaro excluía templos de qualquer denominação religiosa da lista de pessoas jurídicas sobre as quais a contribuição incidia e anulava as autuações da Receita que descumprissem a premissa.

Ao vetar o item, Bolsonaro argumentou que buscava evitar incorrer em crime de responsabilidade, o que poderia embasar um processo de impeachment.

Em uma tentativa de não desagradar o segmento religioso, um dos pilares de sustentação de seu governo, o presidente defendeu a derrubada do veto pelo Congresso e anunciou que enviará uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) para atender à demanda do grupo.

Eles, no entanto, dizem desprezar a iniciativa do governo.

"Esta não é uma ideia nossa", disse Campos.

"Não temos nenhum interesse nisso", disse Cavalcante. "Temos agora que fazer o trabalho legislativo, derrubar o veto. Não tem outra alternativa. Preferíamos que o cenário fosse outro. Mas ele, assim como eu, não é advogado tributarista, ouve a assessoria. Resta-nos fazer nosso trabalho", afirmou o deputado do DEM.

Na próxima quarta-feira (23), a Frente Parlamentar Evangélica fará um pronunciamento oficial publicizando a estratégia que irá adotar para a derrubada do veto.

Além da bancada da Bíblia, integrantes da oposição devem votar para rever o ato de Bolsonaro.

Veja também

PGR afirma que reeleição na Câmara e no Senado é tema interno do Legislativo
eleição

PGR afirma que reeleição na Câmara e no Senado é tema interno do Legislativo

Senador acionará PGR contra Damares por suposta interferência em aborto de criança no ES
aborto

Senador acionará PGR contra Damares por suposta interferência em aborto de criança no ES