Política

Bolsonaro comemorou quando Lula foi solto, diz Moro

Na entrevista, Moro disse que Bolsonaro começou a sabotar todas as suas ações no Ministério e não cumpriu com a sua palavra

Sério Moro e Jair BolsonaroSério Moro e Jair Bolsonaro - Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil | Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidenciável Sergio Moro (Podemos) disse nesta quinta-feira (2), em entrevista à Jovem Pan Paraná, que o atual mandatário Jair Bolsonaro (PL) comemorou quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi solto da prisão em 2019 após a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que pôs fim à prisão de condenados em segunda instância.

Em novembro de 2019, por 6 votos a 5, o STF mudou de entendimento e vetou a prisão de condenados em segunda instância. Um dia depois, beneficiado pela decisão da Corte, o ex-presidente petista foi solto na Superintendência da PF (Polícia Federal) em Curitiba, após determinação da Justiça Federal.

"O presidente não fez nada [para reverter a decisão do STF que determinou o fim de prisão em segunda instância]. E, na verdade, o que a gente sabia é que o Planalto, o presidente comemorou quando o Lula foi solto em 2019 porque ele entendia que aquilo beneficiava ele literalmente. Então, ele não trabalhou para manter a execução em segunda instância", disparou o ex-juiz da Operação Lava Jato.

Moro deixou o cargo de ministro da Justiça em abril de 2020 após o presidente decidir exonerar o então diretor-geral da PF (Polícia Federal) Maurício Valeixo, profissional de confiança do ex-juiz. À época, Moro disse que Bolsonaro queria interferir na Polícia Federal. Segundo a colunista do UOL Carla Araújo, Bolsonaro prestou depoimento no início de novembro e negou interferência no órgão.

Na entrevista, Moro disse que Bolsonaro começou a sabotar todas as suas ações no Ministério e não cumpriu com a sua palavra de que ninguém, mesmo membros do governo, seriam poupados de quaisquer investigações e de fortalecer o combate à corrupção.

"Ele não fez nada disso. Ao contrário, começou a sabotar o que eu fazia. Até que chegou em um momento que eu simplesmente saio [da pasta]."

O UOL tenta contato com a Presidência para comentar as declarações.

Bolsonaro pediu para filho apagar tuíte sobre 2ª instância

Moro ainda acusou que o presidente teria mandado apagar um tuíte sobre a segunda instância feito na conta oficial dele por um dos seus filhos.

"Inclusive, na época, o filho dele fez lá no Twitter dele falando da execução em segunda instância e o presidente mandou apagar. Foi um episódio meio constrangedor", disse Moro.

O ex-juiz não citou qual filho do presidente estava se referindo, no entanto, à época, em outubro de 2019, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) fez um tuíte se desculpando por uma postagem sobre segunda instância e declarou que a fez sem autorização do pai.

Na ocasião, a conta oficial de Jair Bolsonaro publicou o seguinte tuíte: "Aos que questionam, sempre deixamos clara nossa posição favorável em relação à prisão em segunda instância.

Proposta de Emenda à Constituição que encontra-se no Congresso Nacional sob a relatoria da Deputada Federal Caroline De Toni".

Horas depois da publicação na conta do presidente, Carlos Bolsonaro fez um tuíte se desculpando pela postagem e declarou que a fez sem autorização do pai.

O vereador publicou: "Eu escrevi o tweet sobre segunda instância sem autorização do Presidente. Me desculpem a todos! A intenção jamais foi atacar ninguém! Apenas expor o que acontece na Casa Legislativa!"

Ainda, em resposta a um internauta, Carlos afirmou que estava "assumindo a culpa" pela postagem na rede do pai. "É verdade! Estou assumindo a culpa! Mas creio que os pontos positivos superam qualquer crítica de quem é mal-intencionado!"

Veja também

Presidente do PL quer lançar pré-candidatura de Bolsonaro junto com convenção do partido
Eleições 2022

Presidente do PL quer lançar pré-candidatura de Bolsonaro junto com convenção do partido

TSE estuda banir Telegram do Brasil para combater 'fake news' nas eleiçõesTECNOLOGIA

TSE estuda banir Telegram do Brasil para combater 'fake news' nas eleições