Bolsonaro critica Anvisa e diz que não foi eleito para legalizar drogas

Ao lado do presidente, estavam aliados como a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP)

Jair Bolsonaro durante visita de inauguração do laboratórioJair Bolsonaro durante visita de inauguração do laboratório - Foto: Flickr/ Palácio do Planalto

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) criticou nesta terça-feira (6) agências regulatórias como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e questionou se não há "excesso de zelo" ou se "estão procurando criar dificuldade para vender facilidade".

 O presidente também afirmou que não foi eleito presidente para legalizar as drogas
A declaração foi dada durante inauguração de nova planta do Laboratório Cristália, que produz insumos para remédios contra o câncer.

Vestindo um jaleco branco, Bolsonaro conheceu a nova planta e depois se dirigiu a um palco montado para solenidade. Ao lado do presidente, estavam aliados como a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP).

Leia também:
Bolsonaro assiste à inauguração de planta farmoquímica oncológica
Bolsonaro cede a Alcolumbre indicações ao Cade às vésperas de votações-chave

Bolsonaro foi ovacionado e chamado de mito por um público formado por funcionários da empresa e políticos da região.

Presidente da República, Jair Bolsonaro durante visita à nova Planta Farmoquímica Oncológica do Grupo Cristália Marcos Corrêa/PR Presidente da República, O presidente afirmou que as agências tem um "poder enorme, para bem ou para o mal".

"Quanto tempo leva um registro da Anvisa? Esse tempo todo se justifica? Será que é excesso de zelo ou estão procurando criar dificuldade para vender facilidade?"
Bolsonaro diz que não foi eleito presidente para legalizar as drogas, uma possível referência à discussão sobre aprovação da maconha para fins medicinais pela Anvisa.

O plantio de Cannabis é proibido no Brasil, entretanto, a lei 11.343, de 2006, prevê que a União autorize o cultivo para fins medicinais e científicos "em local e prazo predeterminados, mediante fiscalização".

Em junho, o presidente da Anvisa, William Dib, disse à Folha que a agência discutirá dar aval a empresas para o cultivo de maconha no país com foco na pesquisa e produção de medicamentos, sem margem para produtos recreativos.

O objetivo é facilitar o acesso de pacientes aos medicamentos à base da Cannabis, isso porque desde de 2015, quando a agência passou a autorizar a importação de óleos e medicamentos com canabidiol em suas fórmulas, 6.789 pacientes receberam aval para importar produtos feitos da substância. Segundo o presidente da Anvisa, a aprovação do cultivo no Brasil poderia diminuir os preços dos remédios e gasto público com a importação. Um tratamento de três meses com produtos importados, por exemplo, pode custar R$ 2 mil.

A proposta –que só deve liberar medicamentos e óleos que tenham eficácia comprovada clinicamente– não foi bem recebida pelo governo. Em julho, o ministro Osmar Terra (Cidadania) acusou a agência de tentar "legalizar a maconha no Brasil". Dib negou que a agência tivesse interesse na legalização da substância e disse que o uso recreativo da Cannabis era "problema de polícia e Congresso".

Citada por Bolsonaro, a Anvisa tem entre suas funções fazer o controle sanitário de produtos como medicamentos e cosméticos. O Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), que atua com a Anvisa na questão das patentes, também foi citado na fala de Bolsonaro, crítica a órgãos regulatórios.

O presidente também afirmou ter retribuído ações da mídia que o "esculachava" e o chamava de "fascista. "No dia de ontem eu retribui parte daquilo que a grande mídia me atacou. Assinei uma medida provisória fazendo com que os empresários que gastavam milhões de reais ao publicar obrigatoriamente por força de lei seus balancetes agora podem fazê-lo no Diário Oficial da União a custo zero", disse.

Depois, ele afirmou que não se trata de retaliação. "É tirar o estado de cima daquele que produz."

Ele também afirmou que setores da mídia deram a entender que ele tinha ligação com o caso de um militar preso com drogas no exterior, em viagem presidencial. "Quanto eu poderia ganhar com 40 quilos de cocaína? R$ 500 mil? Quanto eu posso ganhar com essa caneta Bic assinando coisa contra vocês, com risco quase zero?".

À vontade com o público favorável, em uma cidade onde foi eleito com cerca de 80% dos votos, Bolsonaro afirmou também que respeita instituições, mas deve "lealdade a vocês".

O presidente fez referência à reeleição ao afirmar que seu sonho é entregar "em janeiro de 2023 ou em janeiro de 2027" um Brasil melhor.

Veja também

Justiça suspende revogação de normas de proteção a mangues e restingas

Justiça suspende revogação de normas de proteção a mangues e restingas

Patrícia diz que quem critica proposta de saída do Grande Recife "nunca andou de ônibus"
Eleições 2020

Patrícia diz que quem critica proposta de saída do Grande Recife "nunca andou de ônibus"