Bolsonaro desautoriza filho e diz que Eduardo 'está sonhando' sobre AI-5

O presidente pediu para esquecer a possibilidade de reedição da medida da ditadura militar (1964-1985)

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Madoka Ikegami / Pool / AFP

Após repercussão negativa, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) desautorizou nesta quinta-feira (31) declaração do seu filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) de que, caso a esquerda radicalize, uma resposta pode ser um novo AI-5.

Na saída do Palácio do Alvorada, ele afirmou que qualquer um que fale em AI-5 neste momento no país "está sonhando" e pediu que o posicionamento seja cobrado não dele, mas de seu filho.

"Quem quer que seja que fale em AI-5 está sonhando. Está sonhando, está sonhando. Não quero nem ver notícia nesse sentido aí", disse o presidente. "Cobrem dele", afirmou Bolsonaro, referindo-se ao filho.

Leia também:
Eduardo Bolsonaro diz que se esquerda radicalizar resposta pode ser 'um novo AI-5'
Políticos reagem e chamam fala de Eduardo sobre AI-5 de retrocesso e risco à democracia
'Não tenhais medo', diz Eduardo Bolsonaro ao insistir em referência à ditadura


O presidente pediu para esquecer a possibilidade de reedição da medida da ditadura militar (1964-1985).

"O AI-5 existia no passado, existia em outra Constituição. Não existe mais. Esquece", afirmou.

A afirmação de Eduardo foi feita em entrevista à jornalista Leda Nagle realizada na segunda (28) e publicada nesta quinta (31) no canal dela no YouTube.

"Tudo é culpa do Bolsonaro, percebeu? Fogo na Amazônia, que sempre ocorre -eu já morei lá em Rondônia, sei como é que é, sempre ocorre nessa estação- culpa do Bolsonaro. Óleo no Nordeste, culpa do Bolsonaro. Daqui a pouco vai passar esse óleo, tudo vai ficar limpo e aí vai vir uma outra coisa, qualquer coisa -culpa do Bolsonaro", seguiu.

"Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E uma resposta pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através de um plebiscito como ocorreu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada", afirmou o parlamentar, filho do presidente Jair Bolsonaro.

"O que faz um país forte não é um Estado forte. São indivíduos fortes. A conjectura não tem que ser futura, ela tem que ser presente. Quem é o presidente dos Estados Unidos agora? É o Trump. Ele se dá bem com o Bolsonaro? Se dá muito bem. Então vamos aproveitar isso aí", continuou.

Veja também

Câmara do Recife retira da pauta discussão sobre Carnaval 2021
blog da folha

Câmara do Recife retira da pauta discussão sobre Carnaval 2021

Onda contra a Lava Jato no STF contrasta com respaldo no auge
Lava Jato

Onda contra a Lava Jato no STF contrasta com respaldo no auge