Política

Bolsonaro diz que críticas de Olavo 'não contribuem' com o governo

O porta-voz disse ainda que o presidente "tem convicção de que o professor, com seu espírito patriótico, está tentando contribuir com a mudança e com o futuro do Brasil"

Presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL)Presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) - Foto: Mauro Pimentel / AFP

Depois de apagar de suas contas um vídeo de Olavo de Carvalho, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) diz que as críticas do escritor a militares "não contribuem" com o governo.

"Suas recentes declarações [de Olavo de Carvalho] contra integrantes dos poderes da República não contribuem para a unicidade de esforços e consequente atingimento de objetivos propostos em nosso projeto de governo", afirmou o presidente por meio de nota lida pelo porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, nesta segunda-feira (22).

Rêgo Barros ponderou, contudo que Olavo, considerado guru da nova direita, "teve um papel considerável na exposição das ideias conservadoras que se contrapuseram à mensagem anacrônica cultuada pela esquerda e que tanto mal fez ao país".

Leia também:
STF revoga decisão de Fux de censurar entrevista de Lula
Bolsonaro passará feriado em hotel militar com praia e em suíte usada por Lula


O porta-voz disse ainda que o presidente "tem convicção de que o professor, com seu espírito patriótico, está tentando contribuir com a mudança e com o futuro do Brasil".

No último sábado (20), um vídeo em que Olavo fazia críticas a aliados de Bolsonaro, sobretudo militares, foi publicado no canal oficial do presidente no YouTube e divulgado depois pelo vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente. Após repercussão negativa, o vídeo foi apagado no domingo (21), conforme antecipou a Folha de S.Paulo.

Na gravação, o escritor questiona a contribuição das escolas militares para o país e diz que o regime militar (1964-1985) "destruiu os políticos de direita".

"Qual foi a última contribuição das escolas militares para a alta cultural nacional? As obras do Euclides da Cunha. Depois de então foi só cabelo pintado e voz empostada. Cagada, cagada. Esse pessoal subiu ao poder em 1964, destruiu os políticos de direita e sobrou o quê? Os comunistas."

Nesta segunda, o vice-presidente da República, o general Hamilton Mourão, rebateu as críticas feitas à classe militar pelo escritor. Para o general da reserva, o ideólogo de direita não deveria comentar sobre assuntos que não conhece e se limitar à função de astrólogo.

O escritor que vive nos EUA estudou astrologia e é considerado uma espécie de guru dos filhos do presidente Jair Bolsonaro e de ministros do chamado núcleo ideológico do governo, como Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Abraham Weintraub (Educação).

"Eu acho que ele deve se limitar à função que ele desempenha bem, que é de astrólogo.
  
Ele pode continuar a prever as coisas, que ele é bom nisso", disse Mourão.

Veja também

PL veta apoio de bolsonaristas a candidatos de outros partidos e proíbe manifestações em redes
Política

PL veta apoio de bolsonaristas a candidatos de outros partidos e proíbe manifestações em redes

Deputado do PT apresenta projeto que retira gastos com mudanças climáticas da meta fiscal
Política

Deputado do PT apresenta projeto que retira gastos com mudanças climáticas da meta fiscal

Newsletter