Bolsonaro diz que Ministério da Educação não poderia 'continuar sangrando'

"Lamentavelmente o ministro não tinha essa expertise [de gestão] com ele. E aí foi acumulando uma série de problemas", afirmou o presidente

Presidente da República, Jair BolsonaroPresidente da República, Jair Bolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que a demissão do ex-ministro da Educação Ricardo Vélez Rodríguez, anunciada nessa segunda (8), foi motivada por problemas na gestão da pasta e que não dava para "continuar sangrando com um ministério que é importantíssimo".

"Lamentavelmente o ministro não tinha essa expertise [de gestão] com ele. E aí foi acumulando uma série de problemas", afirmou. As declarações foram dadas para o jornalista Augusto Nunes, em entrevista ao programa Os Pingos Nos Is, da rádio Jovem Pan, exibida no início da noite da segunda. Após criticar a atuação do ex-ministro, o presidente amenizou o tom. Referiu-se a ele como "querido Vélez" e o descreveu como "uma pessoa simpática, amável e competente".

Leia também:
Na academia, novo ministro do MEC soma baixa produção e desavenças
Weintraub terá liberdade para montar equipe no MEC, diz porta-voz


Disse ainda que "é difícil mandar alguém embora" e que, se outro ministério apresentar problemas, pode tomar decisão semelhante. O mandatário deu nota dez para a composição ministerial do seu governo. Sobre o novo chefe do Ministério da Educação, Abraham Weintraub, Bolsonaro afirmou que trata-se de alguém que "sabe gerir as questões" da pasta, "sabe conversar e é uma pessoa mais ou menos da minha linha".

A saída de Vélez era ensaiada havia algumas semanas devido a crises na pasta, expondo uma disputa entre militares e seguidores do escritor Olavo de Carvalho. O presidente exonerou Vélez e nomeou Weintraub para o cargo em edição extra do Diário Oficial da União nasegunda. A cerimônia de posse de Abraham será realizada nesta terça (9), às 14h, no Palácio do Planalto.

Weintraub, que era secretário-executivo da Casa Civil, tem proximidade com Olavo de Carvalho. O presidente escolheu um nome afinado ideologicamente com o autointitulado filósofo, mas sem vinculação direta com os grupos que disputam espaço. Segundo auxiliares do governo, a lógica foi evitar mais briga entre olavistas e militares.

Veja também

Candidato de Bolsonaro na Câmara, Lira deve ser recebido por Covas em SP
Política

Candidato de Bolsonaro na Câmara, Lira deve ser recebido por Covas em SP

Pazuello faz reunião com embaixador da China para discutir crise das vacinas
Vacinas

Pazuello faz reunião com embaixador da China