Bolsonaro diz que não nomeia 'condenados por corrupção'

No Twitter, presidente eleito falou sobre escolha de sua equipe que será anunciada, segundo ele, em suas redes sociais

O presidente eleito disse que anunciará a sua equipe, oficialmente, pelas redes sociaisO presidente eleito disse que anunciará a sua equipe, oficialmente, pelas redes sociais - Foto: Reprodução/Twitter

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta quarta-feira (31), em sua conta do Twitter, que não vai nomear “condenados por corrupção” nem tolerar “especulação maldosa e sem credibilidade” sobre os nomes que vão compor sua equipe. Ele disse ainda que vai anunciar os escolhidos em suas redes sociais.

“Nossos ministérios não serão compostos por condenados por corrupção, como foram nos últimos governos. Anunciarei os nomes oficialmente em minhas redes. Qualquer informação além é mera especulação maldosa e sem credibilidade“, tuitou o Bolsonaro.

Leia também:
Bolsonaro anuncia Marcos Pontes como ministro da Ciência
Proteção do meio ambiente era discurso da campanha de Bolsonaro, dizem ONGs
Empresários se queixam de falta de acesso a Bolsonaro
'Não sou o mais capacitado, mas Deus capacita os escolhidos', diz Bolsonaro em culto
Para PT, Temer e Bolsonaro fazem consórcio


Até o momento, quatro nomes foram confirmados na equipe ministerial do futuro governo. Na manhã desta quarta (31), o presidente eleito confirmou o astronauta brasileiro e major da reserva Marcos Pontes para assumir o Ministério de Ciência e Tecnologia.  Anteriormente, ele definiu os titulares para a Defesa, o general da reserva Augusto Heleno; para o superministério da Economia, Paulo Guedes; e na Casa Civil, o deputado federal Onix Lorenzoni (DEM-RS).

Em entrevistas após vencer o segundo turno, ele fez menção de convidar o juiz Sergio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato, para sua equipe. Segundo ele, o magistrado poderia ser nomeado para o Ministério da Justiça ou para uma próxima vaga que venha a abrir no Supremo Tribunal Federal (STF).

Na Corte Suprema, a próxima vaga será aberta em novembro de 2020 com a aposentadoria do decano ministro Celso de Mello, que completará 75 anos e pela legislação, deve deixar a função.

Veja também

Com Joe Biden, governo Bolsonaro tenta demonstrar força na Amazônia
BRASIL/EUA

Com Joe Biden, governo Bolsonaro tenta demonstrar força na Amazônia

Com a chegada da vacina, missão dos prefeitos é tranquilizar o povo
Carlos Britto

Com a chegada da vacina, missão dos prefeitos é tranquilizar o povo