Bolsonaro diz que Noruega mata baleia e não tem nada a oferecer ao Brasil

O ministro norueguês do Clima e Meio Ambiente, Ola Elvestuen, anunciou suspensão do repasse de cerca de R$ 133 milhões.

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: José Dias/PR

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta quinta-feira (15) a Noruega e sugeriu que o país europeu envie para o reflorestamento da Alemanha o montante que não será mais enviado para o Fundo Amazônia.

Em entrevista à imprensa, após evento militar, ele se referiu à Noruega como um país que "mata baleia" e "explora petróleo" e que não tem nada a oferecer ao Brasil neste momento.

Leia também:
Bolsonaro recebe prefeito de Miami no Palácio Planalto
Indeciso sobre sucessão de Dodge, Bolsonaro equipara PGR à Presidência da República


Nesta quinta-feira (15), o ministro norueguês do Clima e Meio Ambiente, Ola Elvestuen, anunciou suspensão do repasse de cerca de R$ 133 milhões. Segundo ele, o Brasil está quebrando o acordo para redução do desmatamento.

"A Noruega não é aquela que mata baleia lá em cima, no Pólo Norte, não? Que explora petróleo também lá? Não tem nada a oferecer para nós. Pega a grana e ajuda a [chanceler alemã] Ângela Merkel a reflorestar a Alemanha", disse.

A Noruega seguiu a decisão da Alemanha que, no sábado (10), também informou que suspenderá parte do financiamento de proteção ambiental para o Brasil. No mesmo tom adotado contra a Noruega, Bolsonaro sugeriu que a Alemanha refloreste seu próprio país.

"Eu fico surpreso em ver a Ângela Merkel e sua ministra do Meio Ambiente anunciando isso. Como se o país dela fosse algum exemplo para o mundo na questão de preservação ambiental, bem como na geração de energia limpa", disse o brasileiro.

O presidente disse ainda que o interesse dos países europeus não é em ajudar a floresta amazônica, mas em explorar a sua riqueza e exercer soberania sobre ela. Segundo ele, a "imagem péssima" do país no exterior se deve à subserviência a países desenvolvidos.

"A imagem péssima que o Brasil tinha [no exterior] era a subserviência a essas potências. Elas não estão de olho na floresta amazônica, querem a sua soberania e a sua riqueza. Isso eu falo na Câmara dos Deputados desde 1991. Nós, na floresta amazônica, temos coisas que o resto do mundo não tem mais. E o pessoal está de olho nisso", disse.

Ele lembrou ainda de sua participação no encontro do G20, no Japão, quando foi cobrado pela chanceler alemã e pelo presidente francês, Emmanuel Macron, a adotar políticas de preservação ambiental.

"Não tem prazer maior que você chegar na reunião do G20, representando o seu país sem dever nada para ninguém. E ali você expor o que você tem de falar, da forma como falei educada com Merkel e Macron, dizendo que o Brasil está sob nova direção", afirmou.

Recentemente, o desmatamento na Amazônia tem crescido de modo acentuado. A destruição em junho aumentou 88% e em julho 278% -em comparação a junho e julho de 2018-, segundo dados do Deter do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).
Pelo aumento no desmatamento, a Alemanha anunciou ainda que vai suspender mais de R$ 150 milhões.

Veja também

Marco Aurélio, do STF, recebe alta após operação no joelho
Geral

Marco Aurélio, do STF, recebe alta após operação no joelho

Congresso fará aperfeiçoamento da reforma administrativa, diz ministro
Política

Congresso fará aperfeiçoamento da reforma administrativa, diz ministro