A-A+

Bolsonaro diz que oposição terá culpa se benefícios de mais pobres forem cortados

Sem o crédito suplementar, a suspensão do pagamento de benefícios a idosos e pessoas com deficiência seria feita no próximo dia 25, disse o presidente

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro foi novamente às redes sociais neste domingo (9) fazer um apelo pela aprovação de um crédito extra para o governo de R$ 248 bilhões. "A oposição está trabalhando para inviabilizar o pagamento de beneficiários do Bolsa Família, idosos com deficiência, Plano Safra e PRONAF. Para alcançar seus objetivos vale até prejudicar os mais pobres", diz a publicação, que traz a imagem do deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP).

Sem o crédito suplementar, a suspensão do pagamento de benefícios a idosos e pessoas com deficiência seria feita no próximo dia 25, disse Bolsonaro em uma publicação feita no sábado (8). Recursos para programas como Bolsa Família também faltariam nos próximos meses.

Leia também:
Bolsonaro diz esperar lista tríplice para decidir sucessão de Dodge na PGR
Bolsonaro diz que, sem crédito extra, suspenderá benefícios neste mês


O PLN (projeto de lei do Congresso Nacional) de número 4 deveria ter sido votado na semana passada, mas ainda não foi aprovado nem mesmo na CMO (Comissão Mista de Orçamento). Na quarta-feira passada (4), o governo tentou votar o texto na comissão para já levá-lo ao plenário na sessão do Congresso Nacional daquele dia. Mas a oposição bloqueou a votação, adiando a apreciação do PLN 4 tanto na CMO como na sessão que reúne deputados e senadores em plenário em 11 de junho (terça-feira).

Dados obtidos pela Folha de S.Paulo mostram que cerca de 400 mil idosos carentes dependem do benefício assistencial no estado de São Paulo. Estados de oposição a Bolsonaro, como a Bahia, também podem ser bastante afetados: 200 mil recebem o BPC.

Veja também

Wagner Rosário passará à condição de investigado pela CPI
Senado

Wagner Rosário passará à condição de investigado pela CPI

Para Rosário, médicos devem ter 'liberdade' para prescrever cloroquina
CPI da Covid

Para Rosário, médicos devem ter 'liberdade' para prescrever cloroquina