A-A+

Presidente

Bolsonaro diz que só toma vacina aceita na Europa e nos EUA e exclui modelo 'lá de São Paulo'

O presidente não citou a Coronavac, mas o imunizante produzido no Brasil pelo Instituto Butantan já foi alvo de seus ataques

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Evaristo Sa / AFP

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira (4) que só vai tomar uma vacina que permita viajar ao mundo todo e, sem nenhum estudo que comprove sua fala, voltou a desacreditar a Coronavac. Ele ainda repetiu que será o último no país a receber a dose.

"Vou tomar a vacina que possa entrar no mundo todo. Não posso tomar essa vacina... Lá de São Paulo, que não está aceita na Europa nem nos Estados Unidos. Eu viajo o mundo todo, tenho de tomar a específica aceita no mundo todo", disse Bolsonaro à Rádio 96 FM, de Natal (RN).

O presidente não citou a Coronavac, mas o imunizante desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac e produzido no Brasil pelo Instituto Butantan já foi alvo de ataques de Bolsonaro.

Ele se referiu ao produto como "vacina chinesa de João Doria [o governador paulista do PSDB]" em outubro de 2020. Na ocasião, ele forçou o ex-ministro da Saúde e general da ativa Eduardo Pazuello a desfazer a promessa de compra do imunizante.

Países adotam regras diferentes sobre a entrada de viajantes. Entre os europeus, Espanha e Suíça, por exemplo, já aceitam a Coronavac em certificados de vacinação.

 

A Aliança Covax, coordenada pela OMS (Organização Mundial da Saúde), pede que países autorizem a entrada de pessoas que receberam a imunização completa com vacinas que foram certificadas pela entidade, como a Coronavac.

Por causa da alta incidência da Covid no Brasil, os Estados Unidos exigem uma quarentena de 14 dias em outro país para liberar a entrada de viajantes. Há exceções, por exemplo, para autoridades de governos, como é o caso do presidente Bolsonaro.

O senador Flávio Bolsonaro esteve nos EUA, em junho, acompanhando comitiva do governo, antes de receber a primeira dose da vacina.
Não é a primeira vez que Bolsonaro ataca a Coronavac. No ano passado, disse que não acreditava que a vacina transmitia credibilidade "pela sua origem" e usou como justificativa que "esse vírus [Covid-19] teria nascido" na China. O presidente também tem distorcido informações sobre a eficácia do imunizante.

A Coronavac tem taxa de eficácia geral de 50,38%. O índice da AstraZeneca é de 70% e o da Pfizer/BioNTech, 95%, mas, segundo especialistas, as taxas de eficácia, divulgadas pelas desenvolvedoras das vacinas, não podem ser comparadas diretamente porque cada estudo tem sua metodologia própria e, principalmente, um período de desenvolvimento do ensaio clínico distinto. E uma mesma vacina pode obter dados diferentes se forem feitos estudos com metodologias distintas.

Veja também

Em resposta a CPI da Prevent Senior, bolsonaristas em SP querem investigar publicidades de Doria
CPI

Em resposta a CPI da Prevent Senior, bolsonaristas em SP querem investigar publicidades de Doria

Em 2020, Judiciário teve maior redução de acervo de processos em tramitação já registrada
Justiça em Números

Em 2020, Judiciário teve maior redução de acervo de processos em tramitação já registrada