Bolsonaro enaltece 13º do Bolsa Família, enquanto filho e Haddad batem boca

A medida foi uma das 18 ações anunciadas nesta quinta-feira (11), e foi uma promessa de campanha de Bolsonaro

Jair Bolsonaro, presidente do BrasilJair Bolsonaro, presidente do Brasil - Foto: Evaristo Sa/AFP

Na cerimônia que marcou os 100 dias de governo, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) oficializou a criação do 13º para beneficiários do Bolsa Família, que atinge sobretudo moradores da região Nordeste, onde o presidente tem maior rejeição.

A medida foi uma das 18 ações anunciadas nesta quinta-feira (11), e foi uma promessa de campanha de Bolsonaro. A concessão do 13º terá um custo anual de R$ 2,6 bilhões, mas, por outro lado, não haverá reajuste no valor do benefício neste ano.

Em uma rede social, Bolsonaro escreveu nesta quinta que foi possível estabelecer o 13º do Bolsa Família graças a "recursos oriundos em sua esmagadora maioria de desvios e recebimentos indevidos", sem dar mais detalhes. O presidente classificou o momento como um "grande dia!".

Leia também:
Governo Bolsonaro quer criar carteira de estudante para esvaziar entidades como UNE
Em almoço com evangélicos, Bolsonaro afaga os filhos, Magno Malta e Israel


A medida beneficia diferentes áreas do país que têm em comum a população de baixa renda e foi oficializada após Bolsonaro registrar a largada com pior avaliação entre presidentes em primeiro mandato -segundo pesquisa Datafolha, 30% consideram a gestão ruim/péssima, 32%, ótima/boa, e 33%, regular.

No Nordeste, Bolsonaro teve na eleição 30% dos votos no segundo turno, contra 70% de Fernando Haddad (PT). É justamente nessa região em que a presença do Bolsa Família é mais marcante -ao menos 12% da população recebe esse benefício. No Sudeste, que deu grande vantagem ao presidente na eleição, são 4% de beneficiários.

Ao se manifestar sobre o anúncio do governo federal, Haddad acabou batendo boca em uma rede social com o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente.

O petista republicou uma postagem datada de 2010 da conta oficial de Jair Bolsonaro, quando o então deputado federal afirmou que "o Bolsa-farelo (família) vai manter essa turma no Poder", se referindo aos governos do PT.

Haddad questionou: "Será que 1/12 do bolsa-farelo (13ª parcela) vai reverter sua situação no Nordeste? Lembrando que você não reajustou o benefício nem pela inflação e seu governo ofende os nordestinos a todo instante?".

A postagem foi respondida pelo vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente, que afirmou: "Chora marmita!!!".

"Priminho tá bem?", respondeu Haddad, no que parece ser uma referência ao primo e amigo de Carlos, Leonardo de Jesus, o Leo Índio, que mesmo não tendo cargo era figura frequente nos corredores do Palácio do Planalto.

Carlos retrucou: "Continua chorando marmita???", no que Haddad respondeu, cobrando uma resposta para as vítimas das enchentes no Rio e para a família do músico Evaldo Rosa dos Santos, morto após ser fuzilado com 80 tiros em uma ação do Exército.

Ao responder, Carlos perguntou "Lacrou marmita?" e citou reportagem da Folha de S.Paulo publicada em março de 2016, segundo a qual Haddad, à época prefeito de São Paulo, usava só 39% do previsto para o controle de cheias em córregos da capital paulista.

Enquanto o presidente comemorava nas redes sociais o 13º do Bolsa Família, o ministro da Cidadania, Osmar Terra, que gere o programa, minimizava o impacto dele sobre os mais pobres.

"O maior programa de proteção às famílias mais pobres não é o Bolsa Família, é o BPC [Benefício de Prestação Continuada], do governo Fernando Henrique [Cardoso]. O BPC é o dobro do Bolsa Família em recursos. Aposentadoria do trabalhar rural é do Itamar Franco, que é maior que todos os outros juntos", disse à Folha de S.Paulo.

Para Terra, não é uma estratégia política do governo se apropriar de programas voltados aos mais pobres, em geral associados à esquerda. "Não tem cor partidária nem ideológica. Acho que a esquerda pode até querer tomar conta, dizer que é dela, mas não é", afirmou.

Veja também

Maia diz que discussão sobre impeachment de Bolsonaro será inevitável 'no futuro'
Política

Maia diz que discussão sobre impeachment de Bolsonaro será inevitável 'no futuro'

Em entrevista, Bolsonaro ataca STF, Maia e xinga Doria de 'moleque' e 'calcinha apertada'
Política

Em entrevista, Bolsonaro ataca STF, Maia e xinga Doria de 'moleque' e 'calcinha apertada'