Bolsonaro manifesta preocupação com escalada da violência no Chile

O presidente lembrou que a autoridade chilena, Sebastian Piñera, o ajudou durante a reunião do G7

Jair Bolsonaro Jair Bolsonaro  - Foto: Reprodução/ Instagram

O presidente Jair Bolsonaro manifestou preocupação, nesta segunda-feira (21), com a escalada da crise política no Chile, que já deixou ao menos sete mortos, e disse ser grato ao presidente Sebastian Piñera.

Ele lembrou que a autoridade chilena o ajudou durante a reunião do G7, em agosto, quando ele ajudou a mediar uma crise diplomática entre Brasil e França após a série de queimadas na Amazônia.

Leia também:
Bolsonaro chega à Ásia sem principais auxiliares da área econômica
Protestos e saques deixam sete mortos no Chile

Em caminhada pela região central de Tóquio, primeiro destino de uma viagem de mais de dez dias pelo continente asiático, o presidente não quis responder, no entanto, se entrará em contato com Piñera ou se é contra o movimento popular no país vizinho.

A onda de manifestações e confrontos no Chile, que começou na capital Santiago, se espalhou por diversas partes do país, mesmo após Piñera ter cancelado o aumento nas tarifas de metrô, estopim para a crise atual.

A decisão não foi suficiente para acalmar os manifestantes, que tomaram as ruas da capital e de outras cidades importantes, incluindo Valparaíso e Concepción, todas sob toque de recolher.

O governo chileno ainda não informou se a medida será mantida nessa segunda. Apesar do decreto e da mobilização de quase 10 mil militares ajudando na segurança, os distúrbios continuaram. Esta é a primeira vez que o governo chileno mobiliza o Exército nas ruas desde o fim da ditadura de Augusto Pinochet, em 1990.

Bolsonaro chegou nesta segunda ao Japão, onde ficará três dias. Além da cerimônia de ascensão do imperador Naruhito, na terça-feira (22), ele terá reuniões bilaterais com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, e com o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, e encontros com empresários brasileiros e japoneses.

Após Japão, o presidente visitará China, Arábia Saudita, Emirados Árabes e Catar. Nos demais países, o foco será melhorar a relação comercial com as nações asiáticas e aumentar o comércio de de proteína animal.

Veja também

Justiça Eleitoral já registrou mais de 55 mil pedidos de candidaturas
Eleições 2020

Justiça Eleitoral já registrou mais de 55 mil pedidos de candidaturas

Barroso defende trabalho da imprensa no combate à desinformação
STF

Barroso defende trabalho da imprensa no combate à desinformação