Bolsonaro não sabe ouvir crítica, então desrespeita, afirma Alckmin

'Ele não sabe dialogar. Não sabe ouvir crítica. Então, desrespeita as pessoas', afirmou Alckmin nesta quinta-feira (24), em São Paulo.

Ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB)Ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) - Foto: José Cruz/Agência Brasil

No dia seguinte em que bateu boca com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), Geraldo Alckmin (PSDB) voltou a criticar o oponente na disputa eleitoral.

"Ele não sabe dialogar. Não sabe ouvir crítica. Então, desrespeita as pessoas", afirmou Alckmin nesta quinta-feira (24), em São Paulo.

"O que o Brasil precisa é de diálogo. Porque quem for eleito presidente da República vai ter que dialogar para poder fazer avançar um conjunto de reformas de que o país precisa", disse o tucano.

Leia também:
Sob pressão, Alckmin cobra tucanos e diz que cunhado é 'simpatizante do PSDB'
Justiça não é vermelha, nem azul, diz Alckmin sobre Azeredo
Chavões de Bolsonaro não elegem presidente
No Rio, Bolsonaro diz ter reservas à privatização da Eletrobras
Em sabatina, Ciro critica Bolsonaro e promete revogar medidas 'golpistas' de Temer


Na quarta, em sabatina realizada pela Folha de S.Paulo, UOL e SBT, o tucano apontou a convergência entre votos de Bolsonaro e do PT, chamando-o de representante do atraso e do corporativismo.

Bolsonaro contra-atacou nas redes. "Geraldo Alckmin me rotula de atrasado por meus votos no passado. Um dos votos que mais me orgulha foi o contra a reeleição de FHC. Não aceitei a propina do seu partido, PSDB. Estou aguardando alguém da sua laia me chamar de corrupto", disse o deputado.

Nesta quinta, em palestra promovida pela revista Exame, Alckmin disse que, neste período de pré-campanha eleitoral, a cobertura da imprensa é "só fofoca", embora tenha usado, ele próprio bem como Bolsonaro, as redes para trocar acusações.

O tucano admitiu que "todo mundo gostaria de ter pesquisa mais alta", referindo-se ao desempenho empacado na intenção de voto.

Mas disse ter confiança de que chegará ao segundo turno, já que o eleitor, primeiro, encanta-se com quem se diz "contra tudo" e, depois, opta por "quem vai cuidar do seu dinheiro".

Veja também

Bolsonaro comete dois erros em afirmações sobre novo toque de recolher na Argentina
Deslize

Bolsonaro comete dois erros em afirmações sobre novo toque de recolher na Argentina

Câmara aprova projeto que eleva pena para maus-tratos de crianças e idosos
Violência

Câmara aprova projeto que eleva pena para maus-tratos de crianças e idosos