Bolsonaro nega praticar censura, mas defende valores cristãos na cultura

As declarações de Bolsonaro ocorrem um dia depois de a Folha revelar que a a Caixa Econômica Federal criou um sistema de censura prévia a projetos culturais realizados em seus espaços em todo o país

Jair Bolsonaro Jair Bolsonaro  - Foto: Reprodução/ Instagram

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) negou neste sábado (5) que esteja promovendo "censura" na área da cultura, mas disse que pretende preservar os "valores cristãos" e da família no setor.

Em uma videoconferência transmitida no 3º Simpósio Nacional Conservador, em Ribeirão Preto (SP), Bolsonaro disse que está preparando mudanças na Funarte e na Ancine (Agência Nacional de Cinema) e reclamou que nesses órgãos há pessoas empregadas em cargos de confiança desde o governo Lula.

"A gente não vai perseguir ninguém, mas o Brasil mudou. Com o dinheiro público não veremos mais certo tipo de obra por aí. Isso não é censura. Isso é preservar os valores cristãos, tratar com respeito a nossa juventude, reconhecer a família como uma unidade que tem que ser saudável para o bem de todos. Essa é nossa linha", disse o mandatário.

As declarações de Bolsonaro ocorrem um dia depois de a Folha revelar que a a Caixa Econômica Federal criou um sistema de censura prévia a projetos culturais realizados em seus espaços em todo o país.

Leia também:
Povo não vota em 'pau mandado' da Globo, diz Bolsonaro sobre Huck
Bolsonaro diz que não questionará vetos à lei de abuso de autoridade
'Tá com sua mãe', responde Bolsonaro pergunta de ciclista sobre Queiroz 

Novas regras implementadas neste ano exigem que detalhes do posicionamento político dos artistas, o comportamento deles nas redes sociais e outros pontos polêmicos sobre as obras constem de relatórios internos avaliados pela estatal antes que seja dado o aval para que peças de teatro, ciclos de debates e exposições já aprovados em seus editais entrem em cartaz.

Funcionários da Caixa Cultural de diferentes estados relataram à Folha de S.Paulo que essas novas etapas no processo de seleção de projetos patrocinados pelo banco permitem uma perseguição aberta a determinadas obras e autores. Os relatórios já eram uma prática de anos anteriores, mas agora ostentam os tópicos "possíveis pontos de polêmica de imagem para a Caixa" e histórico do artista e do produtor "nas redes sociais e na internet". Procurada, a Caixa diz não haver restrições a temas.

Não é a primeira ação do governo Bolsonaro na área da cultura vista como interferência pelo setor.

Bolsonaro já defendeu que o presidente da Ancine deveria ser um evangélico que conseguisse recitar de cor "200 versículos bíblicos", que tivesse os joelhos machucados de tanto ajoelhar e que andasse com a Bíblia debaixo do braço.

O presidente também chegou a dizer que pretendia extinguir a agência caso não pudesse implantar um "filtro de conteúdo", uma intenção encarada como censura por profissionais da área.

Em declarações anteriores, ele também ressaltou que a Ancine não liberaria recursos do FSA (Fundo Setorial do Audiovisual) para projetos com a temática de sexualidade.

Veja também

Peru vive seu momento mais crítico nos últimos 100 anos, diz presidente
América

Peru vive seu momento mais crítico nos últimos 100 anos, diz presidente

Senado aprova PL sobre prioridade de vacinação da Covid-19 e R$ 1,9 bilhão para a compra de vacinas
Coronavírus

Senado aprova PL sobre prioridade de vacinação e R$ 1,9 bi para compra de vacinas