Bolsonaro precisa mostrar 'emocional' após eleição, diz Eunício

Presidente do Senado questionou se o deputado fluminense teria condições de governar o país

Presidente do Senado Eunício OliveiraPresidente do Senado Eunício Oliveira - Foto: Jane de Araújo / Agência Senado

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), questionou nesta quinta-feira (8) se o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) teria condições de governar o país, caso ele vença as eleições presidenciais de outubro. "Estrutura emocional ele até pode ter para ganhar a eleição, eu quero saber o dia seguinte", disse.

Em café da manhã com jornalistas, o emedebista questionou a estrutura partidária do deputado fluminense, pré-candidato ao Palácio do Planalto. "Não sei nem o que significa PSL", disse.

Leia também:
Eunício admite que será difícil Senado votar reforma da Previdência às pressas
Presidente do Senado diz que reforma da Previdência foi mal avaliada pela equipe econômica


Na última pesquisa Datafolha, divulgada há uma semana, Bolsonaro aparece em segundo lugar, com 16% das intenções de voto em um cenário com a participação do ex-presidente Lula na disputa. Já quando o petista é retirado da pesquisa, o deputado lidera com 19%.

Ao comentar o cenário eleitoral, Eunício disse que a corrida presidencial está indefinida e disse que inicialmente uma candidatura do PSDB seria mais palatável, por ser um partido de centro e com nomes "centrados".

Huck
Questionado sobre uma eventual candidatura do apresentador de TV Luciano Huck, ele disse que "do jeito que está todo mundo é viável". Para Eunício, embora Huck não tenha experiência no Congresso, ele "pode se agregar à alguém que tenha experiência do Congresso, que tenha densidade de voto", comentou.

Ele lembrou um discurso do apresentador em evento em São Paulo e disse que ele teve uma fala "bem arrumadinha politicamente", se destacando em relação a um pronunciamento do juiz Sergio Moro. "Huck se afirmou muito mais naquela plateia do que o próprio juiz que tem popularidade muito maior que a dele", acrescentou.

Apesar das declarações, ele disse não estar defendendo uma candidatura de Huck e deixou em aberta a possibilidade de votar no ex-presidente Lula, caso ele se confirme candidato. Eunício disse que isso aconteceria se seu partido, o MDB, não tiver candidato próprio ou se ele não fizer parte de uma aliança no Ceará que o obrigue a votar em outro candidato.

Pré-candidato à reeleição ao Senado, ele tem se aproximado do governador do Ceará, Camilo Santana (PT), e dos irmãos Cid e Ciro Gomes, com quem deve firmar alianças para as eleições de outubro. Sobre o governador paulista, Geraldo Alckmin, Eunício disse não ser inicialmente um eleitor dele, mas comentou que as declarações recentes de tucanos mostram que o próprio PSDB questiona a candidatura do governador ao Palácio do Planalto.

Veja também

Chilenos pausam protestos e vão às urnas em massa em plebiscito histórico
Plebiscito

Chilenos pausam protestos e vão às urnas em massa em plebiscito histórico

Ministério Público investiga obras de estradas do governo Doria
Justiça

Ministério Público investiga obras de estradas do governo Doria