Bolsonaro pretende adiar cirurgia para ir a Davos

A cirurgia, que estava prevista para dezembro, foi adiada para depois da posse, em 1º de janeiro

Presidente eleito Jair BolsonaroPresidente eleito Jair Bolsonaro - Foto: Valter Campanato/Arquivo Agência Brasil

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), pretende adiar a cirurgia de retirada da bolsa de colostomia para ir ao próximo encontro do Fórum Econômico Mundial, que acontece de 22 a 25 de janeiro em Davos, na Suíça.

A cirurgia, que estava prevista para dezembro, foi adiada para depois da posse, em 1º de janeiro. O presidente eleito já afirmou que será reavaliado por seus médicos no dia 19 de janeiro e que poderia ser operado no dia 20. No entanto, a operação inviabilizaria a viagem para Davos. Ele está confirmado na lista de participantes do evento.

Segundo sua assessoria, Bolsonaro quer ir a Davos e, para isso, analisa a possibilidade de adiar a operação. No entanto, a decisão depende de seus médicos no Hospital Israelita Albert Einstein, informa a assessoria de Bolsonaro.

Leia também:
Bolsonaro diz que cheque do ex-assessor foi pagamento de dívida
Clima tenso no PSL: Bolsonaro chama reunião com a bancada federal


Criado em 1971, o encontro de Davos reúne a elite mundial: chefes de Estado, empresários bilionários, banqueiros, líderes de ONGs relevantes e até estrelas de Hollywood.

Também fazem parte do time de presenças garantidas da delegação brasileira os futuros ministros da Economia, Paulo Guedes, e das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

Veja também

Responsabilização de Bolsonaro está mais próxima, avalia CPI
CPI DA COVID

Responsabilização de Bolsonaro está mais próxima, avalia CPI

Barroso, do STF, rejeita ação de Bolsonaro contra decretos estaduais que limitaram circulação
Covid-19

Barroso, do STF, rejeita ação de Bolsonaro contra decretos estaduais que limitaram circulação