Bolsonaro promete divulgar gastos pessoais com cartão corporativo

'Eu vou abrir o sigilo do meu cartão. Para vocês tomarem conhecimento quanto gastei de janeiro até o final de julho. Ok, imprensa? Vamos fazer uma matéria legal?', afirmou

Jair BolsonaroJair Bolsonaro - Foto: Carolina Antunes/PR

Após fazer críticas à cobertura da imprensa, o presidente Jair Bolsonaro prometeu nesta quinta-feira (8) divulgar aos veículos de comunicação seus gastos pessoais com o cartão corporativo da Presidência da República.

Em live semanal, nas redes sociais, ele disse que levará um grupo de jornalistas a um caixa eletrônico para que tenham acesso ao seu extrato bancário de janeiro a julho deste ano.

"Eu vou abrir o sigilo do meu cartão. Para vocês tomarem conhecimento quanto gastei de janeiro até o final de julho. Ok, imprensa? Vamos fazer uma matéria legal?", afirmou.

Segundo ele, o objetivo é desmentir acusações de que teria gasto cerca de R$ 1 milhão por mês. Na transição de governo, a equipe do presidente chegou a cogitar a extinção do cartão, mas desistiu.

"Agora, gostaria que a imprensa fizesse uma materiazinha com meu gasto com cartão corporativo. Não vou falar quanto gastei, não, está desafiada a imprensa. Vou com vocês, na boca do caixa, digito a senha e vai aparecer todo meu gasto com cartão corporativo", ressaltou.

Os cartões corporativos são usados no serviço público para despesas como compra de materiais, prestação de serviços e abastecimento de veículos oficiais, por exemplo. Os valores totais da gestão pública são abertos, mas há sigilo sobre despesas consideradas de segurança nacional, como a alimentação e o transporte do presidente.

Na transmissão online, Bolsonaro voltou a ironizar a imprensa ao citar medida provisória que permite a empresas de capital aberto a publicação de balanços no site da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) ou do DO (Diário Oficial), em vez de veículos impressos. Segundo ele, a iniciativa evita que se derrubem árvores no país.

"As projeções não precisas são que, por ano, os empresários vão deixar de gastar R$ 1,2 bilhão com jornais. Então, um lucro que vai ser comemorado com toda a mídia. A mídia é favorável e eu tenho certeza de que todos os jornais são favoráveis a essa medida. Ajudar a não desmatar mais para fazer o jornal", disse.

Ele voltou a citar o jornal Valor Econômico, que, dedicado à cobertura econômica, recebe um volume maior de balanços das empresas. Ele é controlado pelo Grupo Globo, que também publica o jornal O Globo.

"E eu tenho certeza de que o Valor Econômico não deve mais publicar balancetes. Ele vai buscar uma outra fonte para a receita aí, para o seu jornal", disse. "O Valor Econômico é do Globo. Boa sorte aí para o Valor Econômico. Boa sorte para o jornal O Globo."

O presidente voltou a afirmar que avalia também estender a medida para editais do serviço público por meio de uma nova medida provisória.

Moro
O ministro da Justiça, Sergio Moro, participou da live semanal de Bolsonaro nessa quinta (8). Após sofrer uma derrota na Câmara, Moro tentou dissociar a sua imagem do pacote anticrime, apresentado como o seu cartão de visita na pasta.

Na live, ele disse que a proposta não é sua, mas do governo Jair Bolsonaro, e apelou à sensibilidade dos deputados federais para que ela seja aprovada neste ano.

"A gente respeita muito a pauta da Câmara, apenas estamos chamando a sensibilidade desse projeto. Se me permite uma correção: não é um projeto do Moro, é um projeto do governo Jair Bolsonaro e é um projeto que interessa a sociedade em geral", disse.

Na terça-feira (8), o grupo de trabalho que analisa o pacote rejeitou a inclusão no texto final do chamado "plea bargain", tipo de solução negociada entre o Ministério Público, o acusado de um crime e o juiz.

Bolsonaro lamentou nesta quinta a derrota sofrida pelo ministro, mas ressaltou que o ex-juiz federal "não julga mais ninguém" e que não pode decidir as coisas de forma unilateral, o que causou constrangimento no Ministério da Justiça.

A repercussão negativa levou o presidente a convidar o ministro a participar da live semanal, em uma tentativa de prestigiá-lo. Na transmissão online, ele disse esperar que o Poder Legislativo trate o tema com "velocidade" e "responsabilidade".

"Nós esperamos que o Parlamento se debruce sobre isso e coloque em votações. Com certeza, vão fazer algumas alterações, isso é natural", afirmou.

Moro disse ainda que a sociedade clama por mais segurança e que o Ministério da Justiça tem atuado para garanti-la. Segundo ele, o pacote anticrime tem condições de diminuir a violência.

"Ninguém vai conseguir zerar a violência no Brasil. Nós temos de ter medidas que desestimulem quem, por ventura, queira cometer o crime", disse o presidente.

Bolsonaro afirmou ainda que pedirá ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que paute projeto que reduz a maioridade penal para crimes graves, como sequestro, tráfico de drogas e lesão corporal seguida de morte.

"Vou pedir a ele para colocar em pauta a redução da maioridade penal para esses crimes", disse. "Não é o que gostaria. Eu queria que passasse para 16 anos para todos crimes", ressaltou.

Em julho, a Casa já havia imposto uma derrota ao ministro de Bolsonaro ao rejeitar a possibilidade de prisão em segunda instância, que era prevista no pacote.

Veja também

Coronel Feitosa apresenta propostas alinhadas ao governo Bolsonaro
ENTREVISTA

Coronel Feitosa apresenta propostas alinhadas ao governo Bolsonaro

Metade das chapas para prefeituras é formada apenas por candidatos brancos
eleições

Metade das chapas para prefeituras é formada apenas por candidatos brancos