Bolsonaro questiona STF 'legislando' e cobra ministro evangélico na corte

O presidente ainda questionou se a corte não estaria "legislando", ao julgar uma ação que trata da criminalização da homofobia

BolsonaroBolsonaro - Foto: Mauro Pimentel/AFP

Em evento na igreja Assembleia de Deus, em Goiânia, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) indagou nesta sexta-feira (31) se não era a hora de haver um ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) evangélico. O presidente ainda questionou se a corte não estaria "legislando", ao julgar uma ação que trata da criminalização da homofobia.

"Será que não está na hora de termos um ministro do STF evangélico?", perguntou o presidente, ao falar para um público da igreja Assembleia de Deus Ministério Madureira. Sua fala foi seguida de uma forte salva de palmas, e os presentes chegaram a levantar em sinal de aprovação às palavras do presidente. Bolsonaro participou nesta sexta-feira da Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil ao lado do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM).

Leia também:
Bolsonaro revela amizade com Queiroz e admite preocupação com caso Flávio
Bolsonaro diz ter solicitado mudança na Previdência a pedido da primeira-dama
Se reforma da Previdência não for aprovada, o Brasil quebra, diz Bolsonaro em programa de TV


O assunto STF foi abordado por Bolsonaro quando ele mencionou o julgamento sobre a criminalização da homofobia. "Existe algum entre os 11 ministros do STF evangélico, cristão?", indagou. Ao tratar do tema, Bolsonaro disse que a imprensa que estava presente no evento "vai ter que desvirtuar algo" da sua fala.

Pedindo desculpas ao STF, a quem disse que não pretendia atacar, disse: "Desculpa o Supremo. Eu jamais atacaria um outro poder, mas não estão legislando?"
Ele disse que o Estado é laico, mas ele, cristão. "Se me permitem plagiar a ministra Damares, eu também sou terrivelmente cristão", falou. Em nova crítica à imprensa, disse: "Não me venha a imprensa dizer que quero misturar a Justiça com religião".

Na semana passada, o Supremo formou maioria (seis votos) para enquadrar a homofobia e a transfobia na lei dos crimes de racismo até que o Congresso Nacional aprove lei sobre o tema. O julgamento, que havia começado em fevereiro, foi retomado nesta quinta-feira (23), um dia depois de a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado fazer avançar um projeto de lei que criminaliza a discriminação por orientação sexual ou identidade de gênero.

O julgamento no STF agora deverá ser retomado no próximo dia 5 de junho.
Nesta sexta, Bolsonaro encerrou o discurso de 17 minutos sob fortes aplausos e gritos de "mito", que por algumas vezes interromperam sua fala. "A palavra, a fé, tem que estar presente em cada instituição do Brasil", disse.

Veja também

Prefeito do Recife, João Campos, testa positivo para Covid-19
Coronavírus

Prefeito do Recife, João Campos, testa positivo para Covid-19

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral
Política

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral