Bolsonaro repudia ataque terrorista na Colômbia

Presidente expressou sua solidariedade ao país vizinho e se colocou à disposição do presidente colombiano Ivan Duque

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro repudiou o ataque terrorista ocorrido nesta quinta-feira (17) na Colômbia. Pelo Twitter, Bolsonaro expressou sua solidariedade ao país vizinho e se colocou à disposição do presidente Ivan Duque.

"Repudio e condeno veementemente o atentado terrorista ocorrido hoje na Colômbia, que deixou pelo menos nove mortos e dezenas de feridos. Toda solidariedade aos nossos irmãos colombianos neste momento difícil, em especial aos familiares das vítimas. Fuerza", escreveu Bolsonaro na rede social.

Leia também:
Explosão de carro-bomba deixa 4 mortos em academia de polícia na Colombia
Autor de ataque com carro-bomba em Bogotá é identificado

Um carro-bomba foi detonado no estacionamento da Academia-Geral de Polícia Francisco de Paula Santander, onde se formam os oficiais da Polícia Nacional colombianos, em Bogotá. Pelo menos nove pessoas morreram e 54 ficaram feridas.

"Estamos acompanhando atentamente a apuração dos fatos. Estendo a mão ao Presidente Ivan Duque e reafirmo o compromisso do Brasil em combater duramente o terrorismo e o crime organizado. Conte conosco!", completou o presidente brasileiro.

O governo colombiano identificou José Aldemar Rojas Rodríguez como autor do atentado. Segundo a imprensa local ele é um dos mortos. Segundo o procurador-geral, Néstor Humberto Martínez, Rodríguez entrou na escola em um carro cinza, por volta das 9h30. Foram usados 80 quilos de material explosivo no ataque.

Veja também

China também precisa da gente, diz Bolsonaro em meio a impasse sobre insumos de vacinas
Coronavírus

China também precisa da gente, diz Bolsonaro em meio a impasse sobre insumos de vacinas

Em reunião com chanceler da Índia em novembro, Ernesto criticou globalismo, mas não falou de vacina
Coronavírus

Em reunião com chanceler da Índia em novembro, Ernesto criticou globalismo, mas não falou de vacina