Política

Bolsonaro sanciona anistia a partidos políticos após ter anunciado veto ao projeto

Após validação do presidente, ficam perdoadas multas decorrentes da não aplicação de ao menos 5% das verbas públicas para a promoção e difusão da participação política das mulheres

Presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL)Presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) - Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) sancionou um projeto aprovado pelo Congresso que anistia multas aplicadas a partidos. O texto foi assinado na sexta-feira (17), publicado nesta segunda (20) no Diário Oficial da União e deve representar uma anistia de cerca de R$ 70 milhões aos partidos.

A alteração feita na Lei dos Partidos entra em vigor de forma imediata, com a publicação. Após validação do presidente, ficam perdoadas multas decorrentes da não aplicação de ao menos 5% das verbas públicas para a promoção e difusão da participação política das mulheres.

Leia também:
Exposição em Noronha faz críticas ao governo Bolsonaro
Bolsonaro parabeniza primeiro-ministro da Austrália por vitória
Eduardo Bolsonaro diz 'Lula' como dica da palavra 'livre' em programa de adivinhação


Diferentemente do que Bolsonaro afirmou na noite de sábado (18), quando disse que a imprensa havia "mentido", o texto foi sancionado por ele com apenas um veto, mas que mantém a anistia aos partidos. O presidente vetou apenas o trecho que previa a anistia em caso de doações de servidores públicos.

No sábado, ao sair do Palácio da Alvorada para cumprimentar apoiadores, Bolsonaro criticou a imprensa por dizer que a notícia sobre a anistia estava errada, ao argumentar que havia vetado, e não sancionado.

"A imprensa publicou agora -não vão botar uma linha do que vou falar aqui, não vão botar nada. Sei que vocês são funcionários não têm poder junto aos editores. Mas as imprensas estão dizendo que eu sancionei uma lei ontem [sexta-feira] para anistiar multas de R$ 60 milhões mais ou menos de partidos políticos. É mentira, eu vetei. Estão dizendo que eu sancionei. É o tempo todo assim, é só mentira", disse. A sanção presidencial é a última etapa para que um projeto de lei entre em vigor.

Depois de aprovado pelas duas casas do Congresso, o texto vai à analise do presidente, que pode validá-lo ou vetá-lo completamente ou ainda fazer vetos parciais, como foi o caso desse sobre os partidos. Em sessão conjunta da Câmara e do Senado, o Congresso pode futuramente derrubar os vetos presidenciais.

O texto sancionado por Bolsonaro diz que não sofrerá punição, como ter as contas rejeitadas, o partido que não tiver usado estes recursos para financiar campanha de candidatas mulheres até as eleições de 2018.

Este uso alternativo foi proibido pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em 2018. No entendimento da Corte, recursos de incentivo à participação das mulheres na política são diferentes do dinheiro que financia campanha de candidatas específicas. O projeto também diz que os partidos que ainda tenham saldo desses recursos de anos anteriores poderão utilizá-los para a finalidade original, ou seja, para os programas de incentivo à participação feminina.

Bolsonaro é do PSL, partido que é investigado em Minas Gerais e Pernambuco sob suspeita de desvio de recursos públicos por meio de candidaturas femininas de fachada. Os casos foram revelados pela Folha de S.Paulo.

Veja também

Declaração de Bolsonaro sobre minuta de golpe "parece" uma confissão, diz Gilmar Mendes
ENTREVISTA

Declaração de Bolsonaro sobre minuta de golpe "parece" uma confissão, diz Gilmar Mendes

Lula encontra presidente da Guiana e embarca para São Vicente e Granadinas
INTERNACIONAL

Lula encontra presidente da Guiana e embarca para São Vicente e Granadinas