Bolsonaro tem melhora, tira sonda e dreno e retoma despachos

Boletim médico divulgado nesta sexta (8) diz que o presidente teve "boa evolução clínica nas últimas 24 horas, continua estável, afebril e sem dor".

Segundo o último boletim, os exames laboratoriais mostraram boa evolução do presidenteSegundo o último boletim, os exames laboratoriais mostraram boa evolução do presidente - Foto: Twitter/Bolsonaro

Um dia após ter sido diagnosticado com pneumonia, o presidente Jair Bolsonaro teve melhora em seu quadro de saúde e retomou a atividade de despachos: conversou com o vice-presidente Hamilton Mourão por telefone e recebeu um de seus ministros no quarto do hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde completa 13 dias internado neste sábado (9).

Boletim médico divulgado nesta sexta (8) diz que o presidente teve "boa evolução clínica nas últimas 24 horas, continua estável, afebril e sem dor".

O relato não cita a pneumonia, detectada na véspera, mas o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, disse que a infecção permanecia.

Leia também:
Bolsonaro lamenta mortes em incêndio no CT do Flamengo
Após criticar indulto, Bolsonaro decide concedê-lo a condenados com doenças graves


Bolsonaro retirou a sonda nasográstrica e o dreno, colocados no fim de semana, após acúmulo de líquidos, respectivamente no estômago e na cavidade abdominal.
Na quinta, exames detectaram pneumonia provocada por bactérias, o que levou a reforço nos antibióticos.

O presidente se alimentou por via oral na noite de quinta, pela primeira vez desde a internação, em 27 de janeiro.

Segundo o porta-voz, a retirada da sonda provocou alívio em Bolsonaro, que se queixava de incômodo com o dispositivo. Ele ingeriu caldo de carne, de galinha e gelatina -considerados parte de uma dieta líquida pelos médicos.

A alta médica de pacientes submetidos a esse tipo de cirurgia normalmente só ocorre após a normalização de ingestão de comida e evacuação.

À reportagem o cirurgião Antonio Luiz Macedo, um dos responsáveis pelos cuidados do presidente, disse que a alta pode ser semana que vem. "Mas não está definido ainda", ressaltou.

Diferentemente do que disse o porta-voz, ele afirma que por exames clínicos é possível detectar o fim da infecção e que não há necessidade agora de novos exames de imagem.
"Foi uma coisa pequena essa pneumonia, não dá para saber direito [a causa]."

Nas redes sociais, Bolsonaro comemorou o fato de ter voltado a se alimentar. "Nas últimas horas tive o prazer de voltar a comer. Ontem pela noite um caldo de carne e hoje uma boa gelatina. Estou feliz, apesar de não ser aquele pão com leite condensado kkkk."
Apesar da restrição de visitas, o presidente recebeu o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, na tarde desta sexta, em encontro decidido de última hora. Ele foi o primeiro ministro a despachar presencialmente com o presidente desde a cirurgia.

Eles trataram, dentre outros assuntos, do Programa Nacional de Aviação Civil Contra Atos de Interferência Ilícita.

Bolsonaro ainda assinou decretos para liberação de benefícios do INSS para vítimas de Brumadinho (MG).

Veja também

Humberto Costa sobre disputar eleição em 2022: ‘Não autorizo nenhuma especulação’
Candidatura

Humberto Costa sobre disputar eleição em 2022: ‘Não autorizo nenhuma especulação’

Aos 71 anos, morre o ex-prefeito de Goiana e ex-deputado Osvaldo Rabelo Filho
Luto

Aos 71 anos, morre o ex-prefeito de Goiana e ex-deputado Osvaldo Rabelo Filho