Bolsonaro tenta barrar na Justiça divulgação da pesquisa Datafolha

Texto de sua defesa afirma que ele nunca foi denunciado por acréscimo de patrimônio

O último boletim médico informou que Bolsonaro se mantém em condições clínicas estáveis e sem complicações pós-operatóriasO último boletim médico informou que Bolsonaro se mantém em condições clínicas estáveis e sem complicações pós-operatórias - Foto: Divulgação

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) tenta proibir a divulgação da pesquisa Datafolha sobre a intenção de voto para a eleição de outubro deste ano. Primeiro colocado nas pesquisas no cenário sem Lula, o deputado recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com a intenção de barrar a publicação do resultado.

Leia também
Huck veta vídeo que chama Lula de bandido e Bolsonaro de maluco
Bolsonaro repete Collor e já tem palanque em Pernambuco
Bolsonaro diz que só não se candidata se for morto


Até a noite desta terça-feira (30), o tribunal não havia se manifestado sobre o caso.
Bolsonaro queixa-se sobretudo de uma questão a respeito de seu patrimônio. "Você tomou conhecimento sobre denúncias envolvendo o aumento do patrimônio da família do deputado Jair Bolsonaro desde o início da sua carreira política?", perguntou o Datafolha aos entrevistados.

A questão atribuiu a Bolsonaro, diz sua defesa, "a pecha de denunciado por enriquecimento ilícito, de forma manifestamente difamatória". O texto afirma que ele nunca foi denunciado por acréscimo de patrimônio.

"Os questionamentos apresentados se revelam tendenciosos, com nítido objetivo de manipular não apenas o eleitor consultado, mas também aqueles que do seu conteúdo tiverem conhecimento", afirma a representação protocolada no TSE pelos advogados do deputado.

Segundo o Datafolha, o questionamento acerca do patrimônio de Bolsonaro foi feito após as perguntas sobre intenção de voto, sendo, portanto, impossível ter exercido alguma influência no resultado obtido em relação à corrida presidencial. No começo do mês, reportagem da Folha de S.Paulo apontou que o patrimônio de Bolsonaro se multiplicou desde 1988, início de sua carreira política. Ele e seus três filhos que exercem mandato são donos de 13 imóveis com preço de mercado de pelo menos R$ 15 milhões, a maioria em pontos valorizados do Rio.

Quando entrou na política, Bolsonaro declarou ter apenas um Fiat Panorama, uma moto e dois lotes de pequeno valor, valendo pouco mais de R$ 10 mil em dinheiro atual. Desde então, sua única profissão é a política.

A Folha de S.Paulo também revelou que Bolsonaro usa verba pública para empregar uma vizinha que vende açaí em Angra Dos Reis (RJ). De acordo com o Datafolha, um em cada três brasileiros (34%) tomou conhecimento das reportagens acerca do aumento de patrimônio de Bolsonaro.

Desse grupo, 9% estão bem informados sobre o assunto, 18% estão mais ou menos informados e 7% se consideram mal informados. No campo oposto, 66% dizem desconhecer o assunto. Entre os que declaram voto no deputado para presidente, o nível de conhecimento fica acima da média (43% souberam, e 16% estão bem informados).

Sem Lula, Bolsonaro lidera e disputa por vaga no segundo turno se acirra. Ex-presidente Collor estreia na pesquisa Datafolha com rejeição alta, estagnado no Datafolha, Alckmin se diz otimista para o segundo turno. Poder de transferência de voto de Lula sofre abalo. Pesquisa desanima Meirelles, que ainda assim manterá nome na disputa até março. Meirelles e Maia têm 1% de intenção de votos, mesmo após movimentações, reprovação a Temer é de 70%, segundo Datafolha.

Veja também

Justiça nega pedido para suspender impeachment contra Witzel
Rio de Janeiro

Justiça nega pedido para suspender impeachment contra Witzel

General Ramos vai para a reserva remunerada do Exército
Militares

General Ramos vai para a reserva remunerada do Exército