Bolsonaro transfere articulação política de Onyx para general Ramos

General da ativa do exército, Ramos só deve tomar posse em julho

BolsonaroBolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR/Agência Brasil

Após uma série de queixas do Congresso sobre o relacionamento com o Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) decidiu transferir a articulação política da Casa Civil para a Secretaria de Governo, que será assumida pelo general Luiz Eduardo Ramos.

As mudanças constam em uma medida provisória publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (19).

Na última sexta (14), um dia depois de demitir o general Carlos Alberto dos Santos Cruz da Secretaria de Governo, Bolsonaro disse que seu governo pretendia "mudar as caixinhas" das atribuições de três dos quatro ministérios que estão no Palácio do Planalto.

Anunciado na semana passada, Ramos só deve tomar posse em julho. Ele é general da ativa do Exército e seu desligamento da função para assumir o ministério requer algum tempo.

Leia também:
Bolsonaro anuncia verba da Caixa para paradesporto
Bolsonaro muda texto sobre compartilhamento de informação de beneficiários do INSS


O texto transfere da Casa Civil para a Secretaria-Geral, que está sob o comando do general Floriano Peixoto, a subchefia de Assuntos Jurídicos (SAJ). O órgão é responsável por toda análise jurídica de atos assinados pelo presidente e é tradicionalmente vinculado à Casa Civil.

Outra mudança foi a transferência do programa de parcerias e investimentos (PPI) da Secretaria de Governo para a Casa Civil.

Ao falar com jornalistas na terça (18), Bolsonaro disse que poderia transferir o órgão, responsável por elaborar e acompanhar programas de infraestrutura e privatizações.

Veja também

China também precisa da gente, diz Bolsonaro em meio a impasse sobre insumos de vacinas
Coronavírus

China também precisa da gente, diz Bolsonaro em meio a impasse sobre insumos de vacinas

Em reunião com chanceler da Índia em novembro, Ernesto criticou globalismo, mas não falou de vacina
Coronavírus

Em reunião com chanceler da Índia em novembro, Ernesto criticou globalismo, mas não falou de vacina