Bolsonaro usa colar indígena em visita a Nova York

Segundo o Palácio do Planalto, o adereço foi um presente da índia Ysani Kalapalo, que foi convidada para integrar a comitiva brasileira na viagem

Bolsonaro usou colar indígena na chegada ao hotelBolsonaro usou colar indígena na chegada ao hotel - Foto: Reprodução/Twitter

O presidente Jair Bolsonaro usou um colar indígena ao sair de seu hotel para um jantar em Nova York nesta segunda-feira (23). Segundo o Palácio do Planalto, o adereço foi um presente da índia Ysani Kalapalo, que foi convidada para integrar a comitiva brasileira na viagem. Bolsonaro deixou o hotel Intervontinental Barclay por volta das 19h50. Estava acompanhado de Ysani e, quando as câmeras das emissoras de TV se aproximaram, ele abraçou a convidada e passou a caminhar ao lado dela. Os dois viajaram no mesmo carro até o jantar.

Questionado sobre a peça que usava em volta do pescoço, o presidente não quis dar detalhes. Em meio à crise da Amazônia -com repercussão internacional- o presidente faz um movimento alegórico para tentar refutar a ideia de que tem uma política negligente em relação ao meio ambiente, prejudicando a floresta e a população da região, inclusive indígenas.

A decisão de levar uma índia na comitiva presidencial aos EUA foi mais um movimento do governo para tentar acalmar os ânimos fora do país. Bolsonaro ficou sob pressão de líderes e organizações internacionais devido ao afrouxamento de mecanismos de fiscalização do meio ambiente. Ele defende, inclusive, a revisão da política de demarcação de terras indígenas.

Leia também:
Bolsonaro chega à ONU na defensiva para amenizar desconfiança internacional
'Ele é um bom homem', diz Trump sobre Bolsonaro na ONU
Eduardo Bolsonaro se reúne com Bannon em Nova York

A participação de Ysani na viagem aos EUA é alvo de contestação de um grupo de defesa de direitos indígenas. A Atix (Associação Terra Indígena Xingu) afirma em nota divulgada no sábado (21) que ela não foi indicada por nenhuma entidade representativa para compor a comitiva do governo e acusa o Planalto de desrespeitar "povos e lideranças indígenas renomados do Xingu."

Apoiadora de Bolsonaro desde a campanha eleitoral, Ysani diz ser da aldeia no Parque Indígena do Xingu, mas a ATIX declara que a índia é "residente e domiciliada em Embu das Artes", na Grande São Paulo. No texto assinado por 14 caciques, a associação diz que a índia "vem atuando nas redes sociais para ofender e desmoralizar as lideranças e o movimento indígena no Brasil."

"Não aceitamos e nunca aceitaremos que o governo brasileiro indique por conta própria nossa representação indígena sem nos consultar através de nossas organizações e lideranças reconhecidas e respaldadas por nós." Ysani defende o discurso do governo de que há notícias falsas sobre a abrangência do desmatamento e queimada na Amazônia.

A intenção inicial era que Ysani assistisse ao discurso de Bolsonaro de dentro do plenário, diante de todas as delegações internacionais. O Brasil, porém, terá direito a seis lugares no salão principal da ONU e a previsão é que eles sejam ocupados, além de Bolsonaro, por Michelle Bolsonaro, o chanceler Ernesto Araújo, o general Augusto Heleno (GSI), além do deputado Eduardo Bolsonaro e do senador Nelsinho Trad, presidentes das comissões de relações exteriores da Câmara e do Senado, respectivamente.

Durante a cúpula da ONU, uma das principais organizações multilaterais do mundo, líderes, empresários e investidores estarão com os olhos voltados para a maneira como o Brasil conduz a crise, agravada com o aumento de queimadas e desmatamento da floresta.

O governo Bolsonaro minimiza o tamanho dos incêndios, afirma que eles estão na média dos últimos 20 anos, e insiste no discurso de que o desenvolvimento sustentável não exclui as atividades econômicas que poderiam, na avaliação do Planalto, ajudar a população local.

Dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), porém, mostram que o desmatamento na Amazônia aumentou 222% em agosto deste ano em comparação com o mesmo período em 2018. Os índices são corroborados pela Nasa, a agência espacial americana.

Veja também

Informações sobre contas julgadas irregulares ficam disponíveis ao público
PERNAMBUCO

Informações sobre contas julgadas irregulares ficam disponíveis ao público

Presente na posse de Fux, presidente do TST põe catéter e viaja a SP para tratar Covid
Coronavírus

Presente na posse de Fux, presidente do TST põe catéter e viaja a SP para tratar Covid