Política

Bolsonaro x Moro no combate à corrupção e a PF no meio

"Bolsonaro não vai querer perder essa bandeira para Moro"

Jair Bolsonaro e Sergio MoroJair Bolsonaro e Sergio Moro - Foto: (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

Ao ingressar no governo Jair Bolsonaro, o ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, foi apontado como o auxiliar que o presidente não poderia demitir, sob pena de arriscar sua bandeira de combate à corrupção. Exatamente um mês após deixar o Governo Federal, Sérgio Moro, em entrevista ao Fantástico, disse que faltou empenho do presidente no combate à corrupção. Chamou isso de "verdade incoveniente" para destacar: "Essa agenda anticorrupção não teve um impulso por parte do presidente da República pra que nós implementássemos". Ontem, a deputada federal Carla Zambelli, ao comentar a Operação Placebo, deflagrada pela Polícia Federal, que teve o governador Wilson Witzel (RJ) entre os alvos, atribuiu a atividade da PF à saída de Moro do Ministério da Justiça. Zambelli sugeriu: "É muito estranho que o ministro tenha dito isso, porque, logo depois que ele saiu, começaram operações da Polícia Federal contra corrupção em diversos lugares. Dia 19 a PGR pediu investigação em cima de alguns governadores como Witzel, Doria, o governador doa Amazonas".

Anteontem, na véspera de a PF cumprir mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Witzel, Zambelli, em entrevista à Rádio Gaúcha, sobre operações futuras mirando governadores, vaticinou: “A gente deve ter, nos próximos meses, o que a gente vai chamar, talvez, de Covidão”. Indagada sobre eventual vazamento dos dados da PF, Zambelli disse que deu aquela entrevista para comentar a falha no combate à corrupção apontada por Moro. Numa linha semelhante a de Zambelli, em uma roda de conversa reservada, um deputado observava: "Moro saiu com o discurso de que o presidente não priorizou o combate à corrupção. Bolsonaro não vai querer perder essa bandeira para Moro". Por essa lógica, o governo não pouparia esforços para jogar no colo do ex-ministro a pecha de que, sob a gestão dele, as operações da PF pararam. A movimentação recente mais intensa da PF, na definição de parlamentares, passou a ser chamada de "efeito Moro".

O capítulo Witzel x Bolsonaro
Na mesma reunião ministerial em que reclamou das forças de inteligência, Bolsonaro afirmou que ia "interferir e ponto final". Também na ocasião, chamou Witzel de "estrume". Ainda em 2019, o presidente chegou a afirmar que Witzel "botou na cabeça destruir a reputação da família Bolsonaro" e disse ele estaria usando a Polícia Civil para atingi-lo. Witzel reagiu, dizendo que processaria Bolsonaro por acusações de manipulação. Agora, tem uma pandemia no meio.
Fôlego > Parlamentares anotavam, ontem, que era importante investigar com rigor as suspeitas de desvios na Saúde do Rio de Janeiro relacionadas à pandemia. Mas acenderam sinal amarelo frente às declarações de Carla Zambelli na véspera e registraram que um dia antes a Prefeitura de Fortaleza também foi alvo da Operação Dispneia para investigar superfaturamento de respiradores.
Onipresente > O deputado Danilo Cabral, observando as movimentações, anota que Carla Zambelli virou porta-voz informal do governo Jair Bolsonaro: "Se meteu em confusão de Moro, com Regina Duarte e, agora, com a Polícia Federal. É onipresente!".
Exportação > Do deputado Tadeu Alencar: "Jair Bolsonaro prossegue levando o nome do Brasil de forma negativa ao cenário internacional". Vice-líder da Oposição, Tadeu se refere à matéria do The Telegraph, de Londres. Assinado pelo analista Oliver Stuenkel, sob o título “O homem que quebrou o Brasil”, o texto responsabiliza o presidente pela “implosão política e pelo coronavírus fora de controle". “É o legado devastador do bolsonarismo”, diz Tadeu.

 

Veja também

Partidos têm até dia 31 para pedir registro de federações partidárias
Eleições 2022

Partidos têm até dia 31 para pedir registro de federações partidárias

Lula reúne aliados para desatar nós e resistências em estados-chave
ELEIÇÕES 2022

Lula reúne aliados para desatar nós e resistências em estados-chave