Política

Braço direito de Vélez, assessor especial é mais um demitido do MEC

Garschagen era considerado braço direito de Vélez e muito próximo ao guru de Bolsonaro, Olavo de Carvalho

Ministro Ricardo Vélez RodriguezMinistro Ricardo Vélez Rodriguez - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O MEC (Ministério da Educação) sofreu mais uma baixa em seu alto escalão. Bruno Garschagen, assessor especial do ministro Ricardo Rodríguez Vélez, foi demitido do cargo. A exoneração foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (4) e assinada pelo chefe da Casa Civil Onyx Lorenzoni.

Garschagen era considerado braço direito de Vélez e muito próximo ao guru de Bolsonaro, Olavo de Carvalho. O assessor permaneceu na função por dois meses, tendo sido nomeado em 30 de janeiro.

Ele é formado em direito, tem mestrado em ciências políticas e é autor de um livro intitulado "Pare de acreditar no governo". O MEC ainda não anunciou um novo nome para o lugar de Garschagen.

Leia também:
Demissões no MEC em disputa interna já causaram R$ 171 mil de desperdício
Em meio à crise no MEC, Fies trava matrículas e prejudica alunos


Também foi demitida nesta quinta a chefe de gabinete do MEC. Josie de Jesus era ex-funcionária do Centro Paula Souza, em São Paulo. Ela ficou menos de um mês no cargo, com nomeação publicada no dia 11 de março.

No lugar dela, o MEC anunciou o nome de um militar. Marcos de Araújo, ex-subcomandante geral da Polícia Militar do Distrito Federal e professor da Academia dos Bombeiros de Brasília. Ele entra na pasta uma semana depois de o também militar Ricardo Vieira Machado assumir como secretário-executivo, a posição número 2 do MEC.

Veja também

Justiça nega pedido de Gabriel Monteiro para suspender processo que pode terminar em sua cassação
Conselho de Ética

Justiça nega pedido de Gabriel Monteiro para suspender processo

PGR arquiva um dos pedidos de Bolsonaro contra Moraes, mas evita analisar mérito do caso
Procuradoria-Geral da República

Aras arquiva pedido de Bolsonaro contra Alexandre Moraes