Brasil dá aval para diplomata dos EUA assumir embaixada em Brasília

O anúncio oficial da concessão do agrément deverá ocorrer após definição de uma data entre as autoridades brasileiras e americanas

Capitólio dos EUACapitólio dos EUA - Foto: Alex Wong / Getty Images North America / AFP

O governo Jair Bolsonaro deu aval para que os Estados Unidos indiquem o diplomata Todd C. Chapman como o novo embaixador do país no Brasil.

O Itamaraty comunicou as autoridades americanas que o chamado agrément foi concedido. Dessa forma, Chapman deve ser oficialmente indicado pelo presidente Donald Trump para o posto.

Antes de vir ao Brasil, no entanto, ele ainda precisa ser sabatinado e confirmado pelo Congresso dos Estados Unidos.

O anúncio oficial da concessão do agrément deverá ocorrer após definição de uma data entre as autoridades brasileiras e americanas.

O agrément é uma consulta secreta que um governo faz a outro antes de indicar um embaixador. É uma forma de um país manifestar, se for o caso, algum incômodo com o nome selecionado.

Por ser uma formalidade e pela proximidade entre Bolsonaro e Trump, não havia expectativa de que o Palácio do Planalto viesse a colocar qualquer óbice à escolha do novo embaixador em Brasília.

Chapman é membro de carreira no Departamento de Estado desde 1990. O último cargo do diplomata americano no exterior foi como embaixador no Equador.

Leia também:
Projetos no Brasil e nos EUA lutam contra o racismo por meio da distribuição de livros
EUA pedem que Brasil treine suas tropas para integrar missões da ONU
Eduardo Bolsonaro ironiza sigla LGBT em camiseta 

Não será a sua primeira passagem pelo Brasil. De 2011 a 2014, ele trabalhou na embaixada dos EUA em Brasília. Ele também serviu nas embaixadas dos EUA no Afeganistão e em Moçambique, além de ter passado por postos na Bolívia, na Costa Rica, na Nigéria e em Taiwan.

A missão diplomática dos EUA no Brasil está sem embaixador há quase um ano, com o fim da missão de Michael McKinley. Desde então, a embaixada tem sido comandada pelo encarregado de negócios, William Popp.

A missão diplomática do Brasil em Washington também está sem embaixador, na espera da nomeação, pelo presidente Bolsonaro, do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para a função.

Em agosto, os EUA deram o aval para a indicação dele.

Filho do presidente da República, Eduardo é presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara e tenta angariar votos a seu favor no Senado, onde precisará passar por uma sabatina e ser confirmado em uma votação para poder assumir o cargo na capital americana. 

Veja também

Jovem preso em Minas por tuíte sobre Bolsonaro diz que publicação tinha tom de piada
Lei de Segurança nacional

Jovem preso em Minas por tuíte sobre Bolsonaro diz que publicação tinha tom de piada

Auge da pandemia aprofunda cisão entre governadores e Bolsonaro
BLOG DA FOLHA

Auge da pandemia aprofunda cisão entre governadores e Bolsonaro